Mal-estar na filosofia nacional. Leitura estrutural: impasse e críticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n67a2019-47388

Palavras-chave:

Filosofia no Brasil, Método estrutural de análise de texto, Missão francesa, Universidade

Resumo

O assim chamado “método estrutural de análise de texto” tem persistido no pensamento filosófico brasileiro, apesar das críticas recebidas e de seus sinais de esgotamento. A presente investigação pretende aventar algumas hipóteses acerca da sobrevida de tal procedimento, assim como analisar a relativa ausência de participação da filosofia no debate público nacional quando comparada tanto com a presença de áreas próximas quanto com a sua participação no debate estrangeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amaro de Oliveira Fleck, Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Doutorado em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor de Filosofia na Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Referências

ARANTES, Paulo. Um departamento francês de ultramar. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

AVER, Gisleine. Das ruas à academia: por onde anda o filósofo? 92p., 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

BRÉHIER, Émile. La Philosophie et son passe. Les Études philosophiques, 12e Année, n. 1/2. Compte-Rendu de Séances, p. 9-25, 1938.

CROCCO, Gabriella. Méthode Structurale et systèmes philosophiques. Revue de Métaphysique et de Morale, n. 1, p. 69-88, 2005. https://doi.org/10.3917/rmm.051.0069

DOMINGUES, Ivan. Filosofia no Brasil: legados e perspectivas – Ensaios metafilosóficos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

GOLDSCHMIDT, Victor. Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos. In: GOLDSCHMIDT, Victor. A Religião de Platão. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963.

GUÉROULT, Martial. O problema da legitimidade da história da filosofia. Revista de História, v. 37, n. 75, p. 189-211, 1968. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.1968.128471

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MARGUTTI, Paulo. Sobre a nossa tradição exegética e a necessidade de uma reavaliação do ensino de filosofia no país. Kriterion, n. 129, p. 397-410, 2014. https://doi.org/10.1590/S0100-512X2014000100024

MAUGÜÉ, Jean. O Ensino de filosofia e suas diretrizes. Revista Brasileira de Filosofia, v. 5, n. 20, p. 642-9, 1955.

MOURA, Carlos A. R. de. Historia stultitiae e história sapientiae. Revista Discurso, n. 17, p. 151-171, 1988. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.1988.37935

MURCHO, Desidério. A Natureza da filosofia e seu ensino. Educação e Filosofia, v. 22, n. 44, 2008.

NOBRE, Marcos. A filosofia da USP sob a ditadura militar. Novos Estudos CEBRAP, n. 53, p. 137-150, 1999.

NOBRE, Marcos. Da formação às redes: Filosofia e cultura depois da modernização. Cadernos de Filosofia Alemã, n. 19, p. 13-36, 2012. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i19p13-36

PEREIRA, Oswaldo Porchat. Discurso aos estudantes sobre a pesquisa em filosofia. Fundamento, v. 1, n. 1, 2010.

PEREIRA, Oswaldo Porchat. Meu ceticismo. Discurso, v. 46, n. 2, 2016. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2016.123671

TERRA, Ricardo. Não se pode aprender filosofia, pode-se apenas aprender a filosofar. Revista Discurso, n. 40, p. 09-38, 2010. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2010.68236

TORRES FILHO, Rubens Rodrigues. Ensaios de filosofia ilustrada. São Paulo: Iluminuras, 2004.

WOLFF, Francis. Dilemas dos intelectuais. In: NOVAES, Adauto. O silêncio dos intelectuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Downloads

Publicado

2019-12-18

Como Citar

Fleck, A. de O. (2019). Mal-estar na filosofia nacional. Leitura estrutural: impasse e críticas. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 33(67), 349–370. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n67a2019-47388