O campo de saber artístico nos currículos de formação de pedagogos e seu eco nas escolas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n69a2019-47001

Palavras-chave:

Campo de saber, Artes, Formação de pedagogos

Resumo

* Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora na Universidade Estadual do Ceará (UECE). E-mail: anakrismoraes@hotmail.com.

** Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará (UECE). Professor-pesquisador do convênio de colaboração entre a l’Université Paris I Panthéon-Sorbonne (Laboratoire Phare - Philosophie, Histoire et analyse des representations économiques), a linha de pesquisa Marxismo, educação e luta de classes (e-luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC) e o Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino (MAIE), da Universidade Estadual do Ceará. Professor-pesquisador do Convênio de Colaboração entre o Programa de Mestrado em Antropologia de Iberoamérica da Universidade de Salamanca (MAI) e Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes (E-Luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC). E-mail: luistavora@uol.com.br.

Resumo: O texto problematiza a legitimação das Artes como campo de saber nos currículos de cursos de Pedagogia. Reflete, pois, sobre formação inicial de pedagogos e o repertório artístico-cultural desses profissionais para atenderem às demandas escolares referentes ao ensino de Artes. Tomamos como base de fundamentação teórica, principalmente, a noção de campo de Bourdieu (2006; 2004; 1983) e sua idéia de consagração desse campo como um processo constituído relacionalmente. O trabalho traduz um estudo bibliográfico imerso no campo da Educação, guiado, entretanto, por reflexões sustentadas em observações e vivências estético-pedagógicas no âmbito da formação inicial docente, numa universidade pública estadual brasileira. Com o estudo, infere-se que à universidade cabe a responsabilidade estratégica de garantir a ampliação de componentes curriculares que abranjam saberes em Artes.
Palavras-chave: Campo de saber. Artes. Formação de pedagogos.

 The field of artistic knowledge in the training curriculum of pedagogos and its echo in schools

Abstract: The text problematizes the legitimization of the Arts as a field of knowledge in the curricula of Pedagogy courses. It reflects, therefore, on the initial formation of pedagogues and the artistic-cultural repertoire of these professionals to attend to the school demands related to the teaching of Arts. We take as theoretical basis mainly the notion of Bourdieu's field (2006, 2004, 1983) and his idea of ​​consecration of this field as a process constituted relationally. The work translates a bibliographic study immersed in the field of Education, guided, however, by reflections sustained in observations and aesthetic-pedagogical experiences in the scope of initial teacher training, in a Brazilian state public university. With the study, it is inferred that the university has the strategic responsibility to guarantee the expansion of curricular components that cover knowledge in Arts.
Keywords: Field of knowledge. Arts. Formation of pedagogues. 

El campo de saber artístico en los curriculos de formación de pedagogos y su eco en las escuelas

Resumen: El texto problematiza la legitimación de las Artes como campo de saber en los currículos de cursos de Pedagogía. Refleja, pues, sobre formación inicial de pedagogos y el repertorio artístico-cultural de esos profesionales para atender a las demandas escolares referentes a la enseñanza de Artes. Tomamos como base de fundamentación teórica principalmente la noción de campo de Bourdieu (2006; 2004; 1983) y su idea de consagración de ese campo como un proceso constituido relacionalmente. El trabajo traduce un estudio bibliográfico inmerso en el campo de la Educación, guiado, sin embargo, por reflexiones sostenidas en observaciones y vivencias estético-pedagógicas en el ámbito de la formación inicial docente, en una universidad pública estatal brasileña. Con el estudio, se infiere que a la universidad cabe la responsabilidad estratégica de garantizar la ampliación de componentes curriculares que abarquen saberes en Artes.
Palabras Clave: Campo de saber. Artes. Formación de pedagogos.

Data de registro: 15/02/2019
Data de aceite: 23/04/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Moraes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora na Universidade Estadual do Ceará (UECE). E-mail: anakrismoraes@hotmail.com. ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-8650-8272

Luis Távora Furtado Ribeiro, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor-pesquisador do convênio de colaboração entre a l’Université Paris I Panthéon-Sorbonne (Laboratoire Phare - Philosophie, Histoire et analyse des representations économiques), a linha de pesquisa Marxismo, educação e luta de classes (e-luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC) e o Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino (MAIE), da Universidade Estadual do Ceará. Professor-pesquisador do Convênio de Colaboração entre o Programa de Mestrado em Antropologia de Iberoamérica da Universidade de Salamanca (MAI) e Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes (E-Luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC). E-mail: luistavora@uol.com.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1063-4811

Referências

ANDES. Proposta do ANDES-SN para a Universidade Brasileira. Cadernos ANDES nº02. 4ª edição atualizada e revisada. Brasília-DF: Jan/2013.

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação: conflitos e acertos. 2ª Edição. São Paulo: Max Limonad, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A Produção da Crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre – RS: Zouk, 2006.

BOURDIEU, Pierre. Os Usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BRASIL, MEC. Base Nacional Comum Curricular. Brasília – DF: MEC, 2018.

BRASIL, MEC. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte (Lei Nº 13.278/2016). Brasília – DF: MEC, 2016.

BRASIL, MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Nº 9.394/96). Brasília – DF: MEC, 1996.

BRASIL, MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Nº 5.692/71). Brasília – DF: MEC, 1971.

BRASIL, MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais – Artes. Brasília-DF: MEC, 1997.

BRASIL, MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília-DF: MEC, SEB, 2010.

BRASÍLIA/CNE. Resolução CNE/CP. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação em Nível Superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda graduação) e Para a Formação Continuada. Brasília/CNE, 2015.

BRASÍLIA/CNE. Resolução CNE/CP. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, 2006.

CATANI, D. Bárbara. A educação como ela é. In: Revista Educação: Bourdieu pensa a educação. São Paulo: Segmento, 2012. Págs 16-25.

COELHO. Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. 2ª Edição. São Paulo: Iluminuras, 2012.

DIAS, Ana Iorio. Discutindo caminhos para a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. In: Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física - Vol. I, Nº01, p.37-52, Agosto, 2009.

DUARTE JUNIOR, João-Francisco. Por que arte-educação? 22ª edição. Campinas-SP: Papirus, 2011.

DUARTE JUNIOR, João-Francisco. A montanha e o videogame: escritos sobre educação. Campinas-SP: Papirus, 2010.

FERRAÇO, Carlos Eduardo (org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. São Paulo: Cortez, 2008.

LOPES, A. Casimiro; MACEDO Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MORAES, Ana Cristina. Educação Estética na Universidade: Antropofagias e Repertórios Artístico-culturais de Estudantes. 1. ed. Curitiba: CRV/EDUECE, 2016.

MORAES, Ana Cristina. A Defesa do Ensino de Artes a Partir das Relações Entre o Movimento de Artistas e Arte-educadores e as Instituições Educativas de Itapipoca-Ce. In: Moraes, A, Cristina; Xerez, A. S. Pinheiro; Costa, Frederico Jorge Ferreira; Lima, Daniel Cassiano. (Org.). Vozes da FACEDI: Reflexões, Experiências e Perspectivas em Educação. 1ed.Fortaleza: EdUECE, 2010, v. 1, p. 08-20.

SCHILLER, Friedrich. A Educação Estética do Homem. São Paulo: EPU, 2011.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SUASSUNA, Ariano. Iniciação à Estética. 4ª edição. Recife: EdUFPE, 2004.

UECE/FACEDI. Projeto Político-Pedagógico (Curso de Pedagogia). Itapipoca, Mimeo, 2008.

UECE/FACEDI. Projeto Político-Pedagógico (Curso de Pedagogia). Itapipoca, Mimeo, 2013.

Downloads

Publicado

2021-01-04

Como Citar

Moraes, A. C., & Ribeiro, L. T. F. (2021). O campo de saber artístico nos currículos de formação de pedagogos e seu eco nas escolas. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 33(69), 1373–1400. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v33n69a2019-47001