Por que é tão difícil definir o conhecimento a ser ensinado na escola? Um olhar para a Geografia¹

Autores

  • Cláudia Valentina Assumpção Galian Universidade de São Paulo (USP)
  • Daniel Luiz Stefenon Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v32n64a2018-04

Palavras-chave:

Currículo, Conhecimento Escolar, Geografia, Ensino Fundamental

Resumo

Por que é tão difícil definir o conhecimento a ser ensinado na escola? Um olhar para a Geografia1

Resumo: Este artigo se fundamenta em resultados de uma pesquisa que pretendeu evidenciar as escolhas consubstanciadas em documentos curriculares de produção recente no que se refere à definição da importância do conhecimento escolar de Geografia e do que constitui conhecimento relevante a ser abordado nas aulas dessa disciplina. Da mesma forma, professores universitários e da escola básica, envolvidos com a pesquisa e a produção de conhecimentos na área e/ou com o ensino da disciplina - em cursos de licenciatura e em salas de aula do Ensino Fundamental - foram instados a refletir sobre os mesmos aspectos e a se posicionarem frente a uma seleção de excertos dos documentos antes mencionados. Os resultados são discutidos à luz de referenciais teóricos do campo do currículo e do conhecimento escolar, notadamente Basil Bernstein, na análise do processo de recontextualização do conhecimento especializado na constituição do discurso pedagógico, e Michael Young, em sua ênfase no conhecimento como princípio de organização curricular, na necessária diferenciação entre o conhecimento escolar e aquele que advém da experiência cotidiana dos alunos, e na ideia de conhecimento poderoso. Ressalta-se entre os achados da pesquisa, a sintonia entre as seleções encontradas nos documentos e as suas opções diferenciadas no que se refere ao espaço conferido para as escolhas desenvolvidas na escola. E destaca-se, centralmente, a dificuldade - por parte dos sujeitos entrevistados - para desenvolver reflexões acerca do que constituíria uma base de conhecimentos relevantes a serem ensinados na escola.

Palavras-chave: Currículo; Conhecimento Escolar; Geografia; Ensino Fundamental.

Why is it so difficult to define the knowledge to be taught in school? A look for the Geography

Abstract: This article is based on the results of a research that sought to highlight the choices embodied in curricular documents of recent production regarding the definition of the importance of the school knowledge of Geography and of what constitutes relevant knowledge to be approached in the classes of this discipline. Furthermore, university and elementary school teachers, involved in the research and production of knowledge in the area and/or teaching the discipline - in undergraduate courses and in Elementary School classrooms - were urged to reflect on the same aspects and to analize a selection of excerpts from the aforementioned documents. The results are discussed since the theoretical references in the field of curriculum and school knowledge, specially Basil Bernstein, in the analysis of the recontextualization of specialized knowledge and in the constitution of pedagogical discourse, and Michael Young in his emphasis on knowledge as a principle of curricular organization, in the necessary differentiation between school knowledge and that which comes from students' daily experience, and in the idea of powerful knowledge. Among the results is the coherence between the selections found in the documents and their different options regarding the relevance of the choices of the school. Furthermore, the difficulty - from all the interviewed - to develop reflections about what would constitute the relevant knowledge to be taught in the school.

Keywords: Curriculum; School knowledge; Geography; Elementary school.

¿Por qué es tan difícil definir el conocimiento a ser enseñado en la escuela? Una mirada a la Geografía

Resumen: Este artículo se fundamenta en resultados de una investigación que pretendió evidenciar las elecciones consubstanciadas en documentos curriculares de producción reciente en lo que se refiere a la definición de la importancia del conocimiento escolar de Geografía y de lo que constituye conocimiento relevante a ser abordado en las clases de esa disciplina. De la misma forma, profesores universitarios y de la escuela básica, involucrados con la investigación y la producción de conocimientos en el área y/o con la enseñanza de la disciplina - en cursos de licenciatura y en aulas de la educación primaria - fueron instados a reflexionar sobre los mismos aspectos y se posicionar frente a una selección de extractos de los documentos antes mencionados. Los resultados se discuten a la luz de las referencias teóricas del campo del currículo y del conocimiento escolar, principalmente Basil Bernstein, en el análisis del proceso de recontextualización del conocimiento especializado en la constitución del discurso pedagógico, y Michael Young, en su énfasis en el conocimiento como principio de organización en la necesaria diferenciación entre el conocimiento escolar y el que viene de la experiencia cotidiana de los alumnos, y en la idea de conocimiento poderoso. Se resalta entre los hallazgos de la investigación, la sintonía entre las selecciones encontradas en los documentos y sus opciones diferenciadas en lo que se refiere al espacio conferido para las elecciones desarrolladas en la escuela. Se destaca, centralmente, la dificultad - por parte de los sujetos entrevistados - para desarrollar reflexiones acerca de lo que constituiría una base de conocimientos relevantes a ser enseñados en la escuela.

Palabras clave: Currículum; Conocimiento escolar; Geografía; Educación Primaria.

Data de submissão: 06/11/2017

Data de aceite: 23/05/2018

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Valentina Assumpção Galian, Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Educação pelo Programa de Estudos Pós-graduados em Educação: História, Política, Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Daniel Luiz Stefenon, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). 

Referências

ALBUQUERQUE, Maria Adailza Martins de. Currículos de Geografia: da abertura política aos PCN's. Revista Mercator. Fortaleza, Ano 04, n. 07, 2005.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: Classes, Código e Controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BERNSTEIN, Basil. Pedagogy, symbolic control and identity. Theory, research. critique. London: Taylor & Francis, 2000.

BIESTA, Gert. ¿Medir lo que valoramos o valorar lo que medimos? Globalización, responsabilidad y la noción de propósito de la educación. Pensamiento Educativo. Revista de Investigación Educacional Latinoamericana, v. 5, n. 1, p. 46-57, 2014.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história e geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______ Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Ministério da Educação. Relatório de análise de propostas curriculares de ensino Fundamental e Ensino Médio. Brasília, 2010.

CALLAI, Helena Copetti. Aprendendo a ler o mundo: a Geografia nos anos iniciais do ensino fundamental. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 66, 2005. https://doi.org/10.1590/S0101-32622005000200006

GALIAN, Cláudia V. A. Os PCN e a elaboração de propostas curriculares no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 648-669, jul./set. 2014. https://doi.org/10.1590/198053142768

GIMENO SACRISTÁN, Jose. O que são os conteúdos do ensino? In: GIMENO SACRISTÁN, J., PÉREZ GOMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998, p. 149-195.

______. Jose. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artmed, 1999.

GONÇALVES, Amanda Regina. A Geografia escolar como campo de investigação: História da disciplina e cultura escolar. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. XVI, n. 905, 2011.

KAERCHER, Nestor André. Quando a Geografia crítica pode ser um pastel de vento, Mercator, Fortaleza, v. 3, n. 6, 2004.

______. Geografia escolar: gigante de pés de barro comendo pastel de vento num fast food? Terra Livre, Presidente Prudente, Ano 23, v. 1, n. 28, 2007.

MOORE, R. Social realism and the problem of the problem of knowledge in the sociology of education. British Journal of Sociology of Education, London: Routledge, p. 1-21, 2012.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Geografia e ensino: os Parâmetros Curriculares Nacionais em discussão. In: CARLOS, Ana Fani; OLIVEIRA. Ariovaldo Umbelino (Org.) Reformas no mundo da educação: Parâmetros Curriculares e Geografia. São Paulo: Contexto, 1999.

PEZZATO, João Pedro. Ensino de Geografia - histórias e práticas cotidianas: estudo de caso envolvendo três escolas e três professoras atuando no Ensino de Geografia nas 5ª séries do ensino fundamental de Maringá-PR. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo (SP): USP, 2001.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib. Parâmetros curriculares nacionais: tensão entre o Estado e a escola. In: CARLOS, Ana Fani; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino (Org.). Reformas no mundo da educação: Parâmetros Curriculares e Geografia. São Paulo: Contexto, 1999.

ROCHA Genylton Odilon Rêgo. O ensino de Geografia no Brasil: as prescrições oficiais em tempos neoliberais. Revista Contrapontos. v. 10, n. 1, p. 14-28, jan./abr. 2010.

RONDÔNIA. Secretaria de Estado da Educação. Referencial curricular de Rondônia. Ensino Fundamental. SEDUC/RO, 2013.

SANTA CATARINA. Secretaria de Educação. Proposta curricular. Geografia. SE/SC, 1998.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo. Ciências Humanas e suas Tecnologias. 1º Edição atualizada. SEE/SP, 2011.

SILVA, Tomaz T. Documentos de identidade. Uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

STRAFORINI, Rafael. A totalidade mundo nas primeiras séries do ensino fundamental: um desafio a ser enfrentado. Terra Livre: Mudanças Globais, São Paulo, v. 1, n. 18. 2002.

TONINI, Ivaine Maria. Geografia Escolar: uma história sobre seus discursos pedagógicos. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

YOUNG, Michael F. D. Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, v. 28, n. 101, Campinas, p. 1287-1302, set./dez. 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002

______. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 609-623, set./dez. 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000300005

______. Overcoming the crisis in curriculum theory: a knowledge-based approach. Journal of Curriculum Studies, v. 45, n. 2, p. 101-118, 2013. https://doi.org/10.1080/00220272.2013.764505

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Galian, C. V. A., & Stefenon, D. L. (2018). Por que é tão difícil definir o conhecimento a ser ensinado na escola? Um olhar para a Geografia¹. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 32(64), 59–90. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v32n64a2018-04

Edição

Seção

Dossiê Reinscrever o conhecimento escolar no território do comum: uma introdução