Formação de Professores de Língua Brasileira de Sinais: reflexões sobre o impacto desta ação para a educação

Autores

  • Ana Claudia Balieiro Lodi Universidade de São Paulo
  • Cristina Broglia Feitosa de Lacerda Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v29nEspeciala2015-p279a299

Palavras-chave:

Formação de professores. Língua Brasileira de Sinais. Educação Básica. Educação Superior.

Resumo

*Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora nos Cursos de Licenciatura e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Departamento de Educação, Informação e Comunicação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (DEDIC/FFCLRP/USP). 

**Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Curso de Licenciatura em Educação Especial e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial do Departamento de Psicologia do Centro de Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos (DPsi/CECH/UFSCar).

Formação de Professores de Língua Brasileira de Sinais: reflexões sobre o impacto desta ação para a educação

Resumo: Este artigo tem como objetivo problematizar aspectos envolvidos na formação de professores de Libras para os diferentes níveis de ensino e as tensões decorrentes para a educação de surdos/educação inclusiva. Em diálogo com os processos históricos/ conceituais relativos à formação de professores, reconhecemos pouco investimento na formação do pedagogo bilíngue; em contrapartida, grande esforço na formação de professores para atuação nos anos finais do ensino fundamental, médio e na educação superior. Questionamos, no entanto, os efeitos desta formação, que enfatiza os conteúdos linguísticos em detrimento dos didático-pedagógicos. Na educação superior, as diferentes leituras quanto aos objetivos da disciplina Libras indicam ser este o espaço privilegiado para a formação dos licenciandos que, futuramente, atuarão com alunos surdos. Conclui-se, neste contexto, que a lógica predominante nas políticas atuais privilegia os princípios da educação inclusiva e não da educação bilíngue para surdos.

Palavras-chave: Formação de professores. Língua Brasileira de Sinais. Educação Básica. Educação Superior.

Training of Brazilian Sign Language (LIBRAS) Teachers: reflections on its impact on education

Abstract: This article aims to discuss aspects related to training LIBRAS teachers for diffe­rent levels of education and the tensions resulting from deaf education/inclusive education. When analyzing the historical/conceptual processes related to teacher training, we find little investment in the training of bilingual educators; on the other hand, there is a great effort to train teachers to work in the final years of elementary and high school and in higher education. However, we question the effects of this training, which emphasizes linguistic contents rather than didactic and pedagogical contents. In higher education, the different ways of understanding the objectives of LIBRAS as a subject matter indicate this is a privileged space for training teachers who will work with deaf students. In conclusion, in this context, the prevailing logic in the implementation of current policies favors the principles of inclusive education and not the bilingual education for deaf people.

Keywords: Teacher Training. Brazilian Sign Language. Basic Education. Higher Education.

Data de registro: 13/04/2015

Data de aceite: 26/08/2015

Referências:

ALBRES, N. A. Relações dialógicas entre professores surdos sobre o ensino de Libras. 2013. 236f. Tese (Doutorado em Educação Especial). Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

BRASIL. Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436. htm>. Acesso em: 10 Abr. 2012. 298

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_ 03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 10 abr. 2012.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. 15 p. Disponível em: <http:// portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2012.

BRASIL. Decreto n. 7.612 de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite.

Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7612.htm>. Acesso em: 10 jul. 2014.

DEIMLING, N. N. N. A educação especial nos cursos de pedagogia: considerações sobre a formação de professores para a inclusão escolar. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 17, n. 3, p. 238 - 249, set./dez. 2013. Disponível em <http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/viewFile/ du.2013.173.08/3815>. Acesso em: 10 Fev. 2014.

FERREIRA, M. C. C.; ZAMPIERI, M. A. Atuação do professor ouvinte na relação com o aluno surdo: relato de experiência nas séries iniciais do ensino fundamental. In: LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. de (Org.). Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 99 - 112.

LACERDA, C. B. F de. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação/FAPESP, 2009.

LODI, A. C. B. A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: Oficinas com surdos. 2004. 282 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

LODI, A. C. B. Desenvolvimento de linguagem e apropriação da Libras como primeira língua por crianças surdas e práticas de letramento. In: GIROTO, C. R. M.; MARTINS, S. E. S.de O.; BERBERIAN, A. P. (Org.). Surdez e educação inclusiva. São Paulo: Cultura Acadêmica/ Marília: Oficina Universitária, 2012. p. 13 - 35.

LODI, A.C. B. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educ. Pesqui.,São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49 - 63, 2013.

LODI, A. C. B.; ROSA, A. L. M.; ALMEIDA, E. B.de. Apropriação da Libras e o constituir-se surdo: a relação professor surdo-alunos surdos em um contexto educacional bilíngue. ReVEL, v. 10, n. 19, p. 1 - 20, 2012. Disponível em: <http://www.revel.inf.br/files/0cfd4d051631c1ba66ec76d- 39d537ac8.pdf>. Acesso em: 12 set. de 2014.

MOURA, M. C. de. Surdez e linguagem. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. dos. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. v. 1. São Carlos: EdUFSCar, 2013. p. 13 - 26.

NEVES, S.L.G. Análise da eficácia e aplicabilidade de dinâmicas para ensino de língua brasileira de sinais para alunos ouvintes. 2011. 89f. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. 2011.

PIRES, V. de O. D. O processo de construção do letramento acadêmico em língua portuguesa por surdos universitários. 2014. 174f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada), Escola de Indústria Criativa: Comunicação, Design e Linguagens. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31., 2008, Caxambu. [Anais eletrônicos...]. Disponível em:<http://31reuniao.anped.org.br/5trabalhos_encomendados/trabalho%20encomendado%20-%20gt15%20-%20dermeval%20saviani.pdf>. Acesso em: 10 jul. de 2014.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Claudia Balieiro Lodi, Universidade de São Paulo

Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora nos Cursos de Licenciatura e do Programa de Pós- Graduação em Educação do Departamento de Educação, Informação e Comunicação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (DEDIC/FFCLRP/USP). E-mail: analodi@ffclrp.usp.br

 

 

Cristina Broglia Feitosa de Lacerda, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Curso de Licenciatura em Educação Especial e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial do Departamento de Psicologia do Centro de Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos (DPsi/CECH/UFSCar). E-mail: clacerda@ufscar.br

Downloads

Publicado

2016-05-10

Como Citar

LODI, A. C. B.; FEITOSA DE LACERDA, C. B. Formação de Professores de Língua Brasileira de Sinais: reflexões sobre o impacto desta ação para a educação. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 29, n. n.ESP, p. 279–299, 2016. DOI: 10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v29nEspeciala2015-p279a299. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/29983. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê LIBRAS