Sobre alguns aspectos da "tradutibilidade" 'nos cadernos do cárcere' de Antonio Gramsci e algumas das suas implicações

Autores

  • Rocco Lacorte Universidade Federal Fluminense (UFF) Rio de Janeiro, RJ, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v28n55a2014-p59-98

Palavras-chave:

Tradutibilidade. Linguagem. Filosofia. Política. Práxis.

Resumo

*Ph.D. pela University of Chicago (Illinois, EUA). Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Política e Educação (NuFiPE) da UFF.

Sobre alguns aspectos da "tradutibilidade" nos cadernos do cárcere de Antonio Gramsci e algumas das suas implicações

Resumo: A questão sintetizada no título deste ensaio é de grande atualidade pelo fato que o conceito expresso pela palavra "tradutibilidade" não implica apenas uma "tradução" entre linguagens em sentido estrito, mas, acima de tudo, um conceito revolucionário: aquele original e inovador de tradução entre "teoria" e "prática", filosofia e política, entendidas como "linguagens", embora em um sentido mais forte e amplo (por isso, coloquei - e o próprio Gramsci frequentemente coloca - estas palavras entre aspas). É minha intenção explicar as razões disso ao longo desta exposição. Por agora, pode-se antecipar que a tradutibilidade é a teoria da tradução entendida de uma forma que incorpora criticamente o velho no novo significado, mais amplo e forte, sendo, ao mesmo tempo, a condição (historicamente dada) para pensar de forma nova na possibilidade de construir política e historicamente uma "igualdade real" entre seres humanos, de modo a superar a atávica separação entre dominantes e subalternos, dirigentes e dirigidos, na medida em que pensa contemporaneamente na realidade do novo conceito de equivalência entre "teoria" e "prática" como elemento de hegemonia política - elemento que é ele mesmo político e, por isso, histórico. É isto que revela o coração da filosofia da práxis de Gramsci e permite entendê-la em profundidade. Desta "tradutibilidade" deriva uma série de critérios para interpretar a realidade. Portanto, a tradutibilidade expressa não só um jeito novo de ver o mundo e de construção do pensamento, mas implica também uma nova consciência. Isto é, a tradutibilidade é o conceito por meio do qual pensa-se na teoria como algo que muda (ou pode mudar) o mundo; e na prática como algo que mudando o mundo muda (ou pode mudar) também a teoria. Iluminada com o conceito de tradutibilidade, entende-se porque a filosofia da práxis se põe como objetivo fundamental realizar uma grande reforma intelectual e moral das massas populares, por meio de um trabalho político-pedagógico-cultural, de modo a traduzir suas lutas e aspirações em uma nova e revolucionária filosofia e realidade.

Palavras-chave: Tradutibilidade. Linguagem. Filosofia. Política. Práxis.

Sobre alguns aspectos da "tradutibilidade" nos cadernos do cárcere de Antonio Gramsci e algumas das suas implicações

Abstract: "Translatability" is a concept in Gramsci's work that has been largely unexplored and has only recently gained the attention of some scholars for its centrality to Gramsci's thought. So far, almost all the studies on Gramsci have essentially ignored the importance of this concept to the interpretation of his thought, work and biography on the whole. According to him, translatability is the theory of the concrete unification of practice and theory, that is, of how to radically change world; it theorizes both on the "practical power" and effectiveness of theory (i.e. on the impossibility of its transcendence) and on the "knowledge power" of practice. In other words, translatability means that practice and theory, as activities that belong to the same "world-view" or "express" the same culture, are not in contradiction one to the other (as, on the contrary, the main Western tradition of thought holds) and therefore are translatable. And indeed this is an innovative way of positing the conditions for thinking reality and praxis that we are going to explore in this brief essay.

Keywords: Translatability. Language. Philosophy. Politics. Praxis.

Data de registro: 06/03/2014

Data de aceite:23/04/2014

Referências: 

BOOTHMAN, D. Traducibilità e processi traduttivi. Un caso:A. Gramsci linguista. Perugia: Guerra Edizioni, 2004.

CROCE, B. Estetica come scienza dell'espressione e linguistica generale. Bari: Laterza, 1922.

FROSINI, F. La religione dell'uomo moderno. Roma: Carocci, 2010.

________. Gramsci e la filosofia. Roma: Carocci, 2003.

GRAMSCI, A. Quaderni del carcere. Org. V. Gerratana. Torino: Einaudi, 1975.

________. Lettere dal carcere. Org. S. Caprioglio; E. Fubini. Torino: Einaudi, 1965.

________. Cadernos do cárcere, Volume 1.Edição e Tradução C. N. Coutinho (co-edição); L. S. Henriques; M. A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

________. Cadernos do cárcere, Volume 2. Edição e Tradução C. N. Coutinho (co-edição); L. S. Henriques; M. A. Nogueira. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

________. Cadernos do cárcere, Volume 3. Edição e Tradução C. N. Coutinho (co-edição); L. S. Henriques; M. A. Nogueira. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

IVES, P. Gramsci's politics of language: engaging the bakhtin circle and the frankfurt school. Toronto: University of Toronto Press, 2004.

________. Language and hegemony in Gramsci. London and Ann Arbor (MI): Pluto Press, 2004.

KANOUSSI, D. Introducción a "los Cuadernos de la cárcel" de Antonio Gramsci. Mexico: Plaza y Valdés, 2000.

LACORTE, R. Sulla presenza dei concetti di "traducibilità", "lingua" e "rivoluzione passiva" di Antonio Gramsci in Petrolio di Pier Paolo Pasolini. In: MAGGI, A.; WEST, R. (Org.). Scrittori inconvenienti. Ravenna: Longo Editore, 2009.

________. Translatability, language and freedom in Gramsci's prison notebooks. In: IVES, P.; LACORTE, R. (Org.). In: Gramsci, language, and translation. Lanham: Lexington Books, 2010.

________. Espressione e traducibilità nei quaderni del carcere. In: DURANTE, L.; LIGUORI, G. (Org.). Domande dal presente:studi su Grasmci. Roma: Carocci, 2012.

________. et al. Sobre a "tradutibilidade" de Gramsci e algumas transformações sociais na Itália e no Brasil. In: D'ANGELO, M.; SEMERARO, G. (Org.). Encontros com a filosofia (En-fil.net). Niterói. Dezembro 2013.

LIGUORI, G.; VOZA, P. (Org.). Dizionario gramsciano 1926-1937. Roma: Carocci, 2009.

LO PIPARO, F. Lingua intellettuali egemonia in Gramsci. Roma-Bari: Laterza, 1979.

________. Gramsci and Wittgenstein. An intriguing connection. In: CAPONE, A. (Org.). Perspectives on language use and pragmatics. Mnchen: Lincom, 2010, p. 285-320.

LOSURDO, D. Gramsci, Gentile, Marx e le filosofie della prassi. In: MUSCATELLO, B. (Org.). Gramsci e il marxismo contemporâneo. Roma: Editori Riuniti, 1990.

SANGUINETI, F. Gramsci e Machiavelli. Bari: Laterza, 1981.

SCHIRRU, G. Egemonia e prestigio linguistico. In: Egemonia: usi e abusi di uma parola controversa. Atti del Convegno tenutosi a Napoli - Salerno: 27-28 ottobre 2005.

SEMERARO, G. Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. Aparecida: Ideias e Letras, 2006.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rocco Lacorte, Universidade Federal Fluminense (UFF) Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Ph.D. pela University of Chicago (Illinois, EUA). Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Política e Educação (NuFiPE) da UFF.

 

Downloads

Publicado

2014-09-22

Como Citar

Lacorte, R. (2014). Sobre alguns aspectos da "tradutibilidade" ’nos cadernos do cárcere’ de Antonio Gramsci e algumas das suas implicações. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 28(55), 59–98. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v28n55a2014-p59-98

Edição

Seção

Dossiê: Filosofia da Educação - Atualidade de Marx e Gramsci