A religião de Rousseau

Autores

  • Wilson Alves de Paiva PUC-GO - Pontifícia Universidade Católica de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v28n55a2014-p395-421

Palavras-chave:

Religião. Religião e Filosofia. Rousseau. Cultura. Natureza.

Resumo

*Doutor em Filosofia da Educação pela USP. Professor da FUG e da PUC-GO na graduação, com Filosofia da Educação, e no Programa de Pós-Graduação stricto sensu (mestrado e doutorado).

A religião de Rousseau

Resumo: O presente artigo tem o objetivo de discutir o conceito de religião na obra do pensador genebrino Jean-Jacques Rousseau, a qual oferece um conjunto de reflexões morais, educacionais, políticas e filosóficas que não tem muito a ver com a teologia, mas que contempla uma visão peculiar do fenômeno religioso. Refletindo sobre o "estado de natureza", sob as condições dadas pelo "Autor das coisas" e o estado original "sem nenhum traço de cultura", Rousseau deixa transparecer, sobretudo no texto da Profissão de fé do vigário saboiano, um sentido quase metafísico ou teofísico do termo Natureza, aproximando-se das reflexões de Spinoza e Santo Agostinho. Mas, em Rousseau, é a própria natureza a manifestação da divindade e, portanto, fonte de inspiração para os sentimentos humanos e o constructo da moralidade.

Palavras-chave: Religião. Religião e Filosofia. Rousseau. Cultura. Natureza.  

A religião de Rousseau

Abstract: This article aims to discuss the concept of religion in the work of the Genevan thinker Jean-Jacques Rousseau, which offers a set of moral, educational, political and philosophical reflections that has little to do with theology, but includes a peculiar view of religious phenomena. Reflecting on the "state of nature" under the conditions given by the "Author of things" and the original state "without a trace of culture", Rousseau makes clear, especially in the text of the Profession of Faith of the Savoyard Vicar, an almost metaphysical or teophysical sense of the term, approaching the reflections of Spinoza and St. Augustine. But for Rousseau, nature itself is the manifestation of divinity and therefore a source of inspiration for human feelings and the construct of morality.

Keywords: Religion. Religion and Philosophy. Rousseau. Culture. Nature.

Data de registro: 15/09/2012

Data de aceite: 01/03/2013

Referências:

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia.Tradução, 1. ed. brasileira, coordenação e revisão Alfredo Bosi. Revisão da tradução e tradução dos novos textos Ivone Castilho Benedetti. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARROS, Roque Spencer Maciel de. Meditações sobre Rousseau. São Paulo: Centro Regional de Pesquisas Educacionais de São Paulo, dezembro de (Separata do volume 6), 1963.

BENICHOU, P. et al. Pensée Rousseau.Paris: Éditions du Seuil, 1984.

BURGELIN, Pierre. Jean-Jacques Rousseau et la religion de Genève. Genève: Editions Labor et Fides, 1962.

CASSIRER, Ernst. Antropologia filosófica: Ensaio sobre o homem. Introdução a uma filosofia da cultura humana. Tradução Vicente Felix de Queiroz. 2. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuella Galhardo. Lisboa: DIFEL; Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1988.

DENT. Nicholas John Henry. Dicionário Rousseau.Tradução Ãlvaro Cabral. Revisão técnica Renato Lessa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1996.

DERATHÉ, Robert. Morale et religion chez Jean-Jacques Rousseau. Revue Philosophique et de Morale, Paris: PUF, p. 143-173, 1949.

_________. L'homme selon Rousseau. In: BENICHOU, P. et al. Pensée Rousseau.Paris: Éditions du Seuil, 1984.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2006. (Estudos, 16).

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Tradução Sandra Castello Branco. Revisão técnica Cezar Mortari. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

EHRARD, Jean. L'idée de nature em France dans la première maitié du XVIIIe siècle. Paris: Albin Michel, 1994.

GEERTZ, Clifford. The interpretations of cultures.Princeton/USA: Basic Books, 1973.

GOUHIER, Henri. Les méditations métaphysiques de Jean-Jacques Rousseau. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1970.

_________. La "perfectibilité" selon Jean-Jacques Rousseau. Revue de Théologie et de Philosophie, Paris, n. 110, p. 321-339, 1978.

JIMACK, Peter. La génese et la rédation de l'Émile de J.-J. Rousseau.Genève: Institut et musée Voltaire, 1960.

LE GOFF, Jacques & SCHMIDT, Jean-Claude. Dicionário temático do ocidente medieval. V. 2. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração (EDUSC); São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, s/d.

LÉVI-STRAUSS, Claude. et al. Presencia de Rousseau. Selección José Sazbón. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1972.

MARQUES, José Oscar de Almeida (Org.). Verdades e mentiras: 30 ensaios em torno de Jean-Jacques Rousseau. Ijuí: Editora Unijuí, 2005. (Coleção Filosofia, 15).

MASSON, Pierre-Maurice. La religion de Jean-Jacques Rousseau. Genève: Slatkine Reprints, 1970.

MELLO, Luiz G. Antropologia cultural.Petrópolis: Vozes, 1995.

MILLET, Louis. La pensée de Rousseau. Paris: Bordas, 1966. (Col. Pour Connaitre la Pensée)

PISSARRA, Maria Constança Peres Pissarra. História e ética no pensamento de Jean-Jacques Rousseau.1996. 231 f. Tese (Doutorado) -Universidade de São Paulo, SãoPaulo, 1996.

PUENTE, Fernando Rey. Confissões: a verdade e as mentiras: notas para um confronto entre Agostinho e Rousseau. In: Verdades e mentiras: 30 ensaios em torno de Jean-Jacques Rousseau. Ijuí: Editora Unijuí, 2005. (Coleção Filosofia, 15).

RIEU, Alain-Marc. La nature de Jean-Jacques Rousseau. Revue de Métaphysique et moral, PUF: Paris, n. 4, p. 438-451, out.-dez. 1980.

PAIVA, Wilson Alves de. O Emílio de Rousseau e a formação do cidadão do mundo moderno. Trindade/GO: CEODO, 2007.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. As confissões(2 vol.). Tradução Rachel de Queiroz. 2. ed. São Paulo: Atena Editora, 1959.

_________. Oeuvres complètes(4 vol.). Paris: Gallimard, 1964. (Bibliothéque de la Plêiade).

_________. Émile ou de l'éducation. Paris: GF Flammarion, 1966.

_________. Emílio ou da educação. 2. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

_________. Os devaneios do caminhante solitário. Organização e tradução Fúlvia Maria Luíza Moretto. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1991.

_________. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Tradução Lourdes Santos Machado. Introduções e notas Paul Arbousse-Bastide e Lourival Gomes Machado. São Paulo: Nova Cultural, 1999a. (Coleção Os Pensadores, v. II).

_________. Ensaio sobre a origem das línguas.Tradução Lourdes Santos Machado. Introduções e notas Paul Arbousse-Bastide e Lourival Gomes Machado. São Paulo: Nova Cultural, 1999b. (Coleção Os Pensadores, v. I).

_________. Do contrato social.Tradução Lourdes Santos Machado. Introduções e notas Paul Arbousse-Bastide e Lourival Gomes Machado. São Paulo: Nova Cultural, 1999c. (Coleção Os Pensadores, v. I).

_________. Carta a Christophe de Beaumont e outros escritos sobre a religião e a moral. Organização e apresentação José Oscar de Almeida Marques. Tradução J. O. Q. M. et al. São Paulo: Estação Liberdade, 2005.

_________. Júlia ou a Nova Heloísa.Tradução Fúlvia M. L. Moretto. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

STAROBINSKI, Jean. Jean-Jacques Rousseau: a transparência e o obstáculo. Seguido de sete ensaios sobre Rousseau. Tradução Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras,1991.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Alves de Paiva, PUC-GO - Pontifícia Universidade Católica de Goiás

* Doutor em Filosofia da Educação pela USP. Professor da FUG e da PUC-GO na graduação, com Filosofia da Educação, e no Programa de Pós-Graduação stricto sensu (mestrado e doutorado). E-mail: wap@usp.br

Downloads

Publicado

2014-09-23

Como Citar

de Paiva, W. A. (2014). A religião de Rousseau. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 28(55), 395–421. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v28n55a2014-p395-421