A interpretação de textos e a formação da pessoa reflexiva

sobre a concepção deweyana da leitura.

Autores

  • José Claudio Matos Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v27n53a2013-p579a596

Palavras-chave:

leitura, Dewey, reflexão, comunicação

Resumo

A interpretação de textos e a formação da pessoa reflexiva - sobre a concepção deweyana da leitura.

Resumo: Por meio do exame do pensamento de John Dewey, sobretudo das obras Democracia e Educação (1916) e Como Pensamos (1910-1933), discute-se uma concepção acerca da leitura e interpretação de textos. O papel educacional da leitura é destacado por meio de uma identificação desta atividade com o que Dewey denomina de "nsamento reflexivo". Assim, não haveria oposição entre a pedagogia da experiência de Dewey, e uma forte tonalidade pedagógica atribuída à leitura. O resultado da prática da leitura é a formação de hábitos mentais mais integrados, maior aproveitamento da energia dispensada, e aumento das chances do comportamento bem sucedido, de acordo com os objetivos que os próprios agentes estabelecem. A leitura é compreendida como investigação, direcionada a apreender o significado do texto. Este último é compreendido como um artefato, ou utensílio, constituído a partir dos símbolos escritos. Por ser um utensílio, se presta a um uso individual e social. No ambiente social em que a linguagem escrita ocupa papel determinante na conduta bem sucedida dos indivíduos, a leitura é fundamental instrumento de comunicação por meio do qual as crenças, conhecimentos, modos de agir são transmitidos e modificados.

Palavras-chave: Leitura. Dewey. Reflexão. Comunicação.

Abstract: By an examination of John Dewey´s thought, especially of the works Democracy and education (1916) and How we think (1910-1933), is discussed a conception about reading and interpretation of texts. The educational role of reading is remarked by an identification of this activity with what Dewey names "reflective thought". So, there is no opposition between Dewey's pedagogy of experience and a strong pedagogic shade attributed by him to reading. The result of the practice of reading is the formation of more integrated mental habits, better use of dispended energy, and increasing of ways to well succeeded behavior, in accord to the aims established by the agent himself. The reading is understood as investigation, directed to apprehend the meaning of the text. This is understood as an artifact or utensil, constituted from wrote signs. Being a utensil, it is able to an individual and social use. In an environment in wich written language occupies a determinant role in the individual's successful conduct reading is a fundamental instrument of communication, by means of wich beliefs, knowledge and ways of acting are passed on and modified.

Keywords: Reading. Dewey. Reflection. Communication.

Data de registro:13/10/2011

Data de aceite:03/10/2012

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Claudio Matos, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor de Filosofia da Educação na Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Referências

BIESTA, Gert. 'Of all affairs, communication is the most wonderfull': the communicative turn in Dewey's Democracy and education. In: BIESTA, Gert. John Dewey and our educational prospect - a critical Engagement with Dewey's democracy and education. Albany: State of New York University Press, 2006.

DENNETT, Daniel. The interpretation of texts, people and other artifacts. Philosophy and phenomenological research, v. 50, p. 177-194, SupplementFall, 1990. https://doi.org/10.2307/2108038

DEWEY, John. Democracia e educação:introdução à filosofia da educação. São Paulo: Nacional, 1959.

______. How we think. New York: Dover, 1997 (1910, 1. ed.). https://doi.org/10.1037/10903-000 PMid:17744061

______. Como Pensamos.São Paulo: Cia Editora Nacional, 1979. (1933, 2. ed.).

KILPATRICK, William. Educação para uma civilização em mudança. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

MATOS, José Claudio. Educação como adaptação: A experiência segundo John Dewey. Filosofia e Educação,Campinas, v. 3, n. 2, p. 481-501, Out. 2010. https://doi.org/10.20396/rfe.v2i2.8635517

MORAIS, José. A Arte de ler.Lisboa: Edições 70, 2002.

Downloads

Publicado

2013-07-16

Como Citar

MATOS, J. C. A interpretação de textos e a formação da pessoa reflexiva : sobre a concepção deweyana da leitura. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 27, n. 54, p. 579–596, 2013. DOI: 10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v27n53a2013-p579a596. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/13781. Acesso em: 24 jul. 2024.