CONTAMINAÇÃO DO QUEIJO COLONIAL DE PRODUÇÃO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM MERCADOS VAREJISTAS DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

  • Clederson Idenio Schimitt Universidade de Cruz Alta
  • Natacha Deboni Cereser Universidade Federal de Pelotas - UFPel
  • Daniela de Ávila Silva Bohrz Prefeitura Municipal de Quinze de Novembro-RS
  • Ludmila Noskoski Universidade de Cruz Alta

Palavras-chave:

Staphylococcus coagulase positiva, leite, coliformes

Resumo

O queijo de produção artesanal, denominado no Sul do Brasil como colonial, é um produto de grande aceitação, consumo e produção em quase todo o país. Rotineiramente, o leite utilizado para sua produção não recebe tratamento térmico (pasteurização), o produto final apresenta alto teor de umidade e não ocorre o processo de maturação, fatores estes que favorecem sua contaminação, oferecendo risco ao consumidor. Com objetivo de verificar a qualidade higiênico-sanitária do queijo colonial produzido de forma artesanal, 30 amostras foram avaliadas e constatou-se que 100% destas estavam impróprias para o consumo humano por apresentarem contagens de Staphylococcus coagulase positiva e coliformes termotolerantes/45ºC superiores aos padrões microbiológicos estabelecidos pela legislação vigente. A presença de microrganismos indicadores de contaminação fecal e de qualidade higiênico-sanitária revelaram condições insatisfatórias do produto. Os resultados obtidos demonstraram que o queijo colonial, fabricado de maneira artesanal, sem inspeção sanitária e controle higiênico-sanitário, comercializado em feiras livres e mercados da região noroeste do Rio Grande do Sul, apresentou alto índice de contaminação, representando risco para a veiculação das doenças transmitidas por alimentos (DTA).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clederson Idenio Schimitt, Universidade de Cruz Alta

Acadêmico do Curso de Medicina Veterinária, Bolsista PIBIC/UNICRUZ

Natacha Deboni Cereser, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Professora Adjunta, Laboratório de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Faculdade de Veterinária

Daniela de Ávila Silva Bohrz, Prefeitura Municipal de Quinze de Novembro-RS

Médica Veterinária responsável pelo Serviço de Inspeção Municipal de Quinze de Novembro-RS.

Ludmila Noskoski, Universidade de Cruz Alta

Professora do Curso de Medicina Veterinária, Centro de Ciências da Saúde, Universidade de Cruz Alta-RS.

Downloads

Publicado

2013-05-23

Como Citar

Schimitt, C. I., Cereser, N. D., Bohrz, D. de Ávila S., & Noskoski, L. (2013). CONTAMINAÇÃO DO QUEIJO COLONIAL DE PRODUÇÃO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM MERCADOS VAREJISTAS DO RIO GRANDE DO SUL. Veterinária Notícias, 17(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/19787