As políticas educacionais e os adultos que regressam ao ensino superior na Bélgica francófona: quais modelos? Quais motivações? Quais obstáculos e quais os tipos de recursos utilizados?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v13n2a2024-73340

Palavras-chave:

Políticas educacionais, Andragogia, Motivações para aprender, Formação de adultos, Ensino superior

Resumo

Este artigo pretende discutir a problemática dos adultos em mudança profissional. Quais políticas educativas podem permitir uma integração harmoniosa desses adultos com pouca ou nenhuma formação acadêmica e, sobretudo, quais as motivações, obstáculos e recursos destes adultos que regressam aos estudos (Carré, 2020)? Existe aqui um verdadeiro desafio na luta contra o determinismo social e uma possibilidade de assumir plenamente o papel social emancipatório do ensino superior. Por meio de uma série de entrevistas e questionários com mais de sessenta adultos que regressam ao ensino superior na Bélgica francófona, iremos destacar as ocorrências e as recorrências nos discursos, assim como dados para entender os tipos de recursos utilizados, as motivações, os obstáculos e a importância das políticas educacionais para esse público específico devido à sua alteridade e às suas particularidades. Por fim, destacamos o modelo de formação mais adequado às necessidades e expectativas dos adultos que regressam ao ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Raehda Kabir, Haute Ecole Francisco Ferrer - Bélgica

Mestrado em educação/Mestrado em ciências políticas, doutorando em educação (Universidade Livre de Bruxelas). Haute Ecole Francisco Ferrer (Professor em pedagogia e sociologia da educação), Bruxelas, Bélgica.

Joiciane Aparecida de Souza, Haute Ecole Francisco Ferrer - Bélgica

Doutorado em educação. Haute Ecole Francisco Ferrer (Professora em pedagogia e sociologia da educação), Bruxelas, Bélgica.

Referências

AEF-Europe, 2019. La validation des acquis en Belgique francophone. Bruxelles: AEF-Europe.

Albarello L., 2003. Devenir praticien-chercheur. Bruxelles : De boeck Supérieur.

Bourdieu P., 1980. Le sens pratique. Paris: Editions de Minuit.

Bourgeois E., 2006. (Se) motiver à apprendre. Paris: Presse universitaire de France.

Bourgeois E., 2018. Le désire d’apprendre. Paris: Presse universitaire de France.

Boutinet J-P., 2009. L’ABC de la VAE. Paris: Eres.

Canals V., 2020. La reprise d’études: l’université face à la diversité de ses publics. In: Céreq Essentiels, vol.1, n° 3, pp. 105-112.

Carré P., 2020. Pourquoi et comment les adultes apprennent. Paris: Dunod.

Carré P., 2009. Traité de psychologie de la motivation. Paris: Dunod.

Deci E.L., Ryan R.M., 1985. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press.

Doray P., Kamanzi P-C., Laplante B., Constanza Street M., 2012. Les retours aux études postsecondaires : une expression de l’éducation tout au long de la vie ? In: Formation emploi v.4, n° 120, pages 75 à 100. Éditions Céreq DOI 10.4000/formationemploi.3807

Forem, 2021. Financer sa formation. Consulté le 18 août 2022 sur https://www.leforem.be/particuliers/financer-sa-formation.html.

Legendre R., 2005. Dictionnaire actuel de l’éducation. Montreal: Guérin

OCDE, 2019. Education at a Glance 2019: OECD Indicators. Paris: OCDE.

Van Zanten A., 2021. Les politiques d’éducation. Paris: Presse universitaires de France.

Publicado

2024-04-29

Como Citar

KABIR, R.; SOUZA, J. A. de. As políticas educacionais e os adultos que regressam ao ensino superior na Bélgica francófona: quais modelos? Quais motivações? Quais obstáculos e quais os tipos de recursos utilizados?. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 1–15, 2024. DOI: 10.14393/REPOD-v13n2a2024-73340. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/73340. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - “INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO: TENDÊNCIAS GLOBAIS E DESAFIOS NACIONAIS”