Experiências de estudantes com deficiência em atividades extracurriculares na educação superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n3a2023-70011

Palavras-chave:

Educação Especial, Atividades extracurriculares, Educação superior, Revisão sistemática

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa de mestrado que visou analisar o panorama das produções acadêmicas brasileiras sobre a experiência de estudantes com deficiência matriculados na Educação Superior, em atividades extracurriculares. Nesse escopo, foi realizada uma Revisão Sistemática de Literatura, entre outubro e novembro de 2022, nas plataformas Capes e BDTD. Por meio dos resultados obtidos, foi possível perceber a interferência que as atividades extracurriculares tiveram em suas trajetórias, tanto no desenvolvimento pessoal quanto no desenvolvimento acadêmico. Foram perceptíveis, ainda, os relatos sobre capacitismo, em que a capacidade dos estudantes foi, mesmo que não diretamente, questionada, fosse em processos seletivos ou até mesmo em exercício das tarefas das AE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciléia Bechmann Saldanha, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Licenciada em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria. Universidade Federal de São Carlos (mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial). São Carlos, SP, Brasil.

Rosimeire Maria Orlando, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Universidade Federal de São Carlos (Professora adjunta IV, na Universidade Federal de São Carlos, licenciatura em Educação Especial e no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial), São Carlos, SP, Brasil.

Clarissa Bengtson, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Universidade Federal de São Carlos (Professora no Curso de Especialização em Educação e Tecnologias), São Carlos, SP, Brasil.

Referências

AKOBENG, A. Understanding systematic reviews and meta-analysis. Archives of Disease in Childhood, v. 90, p. 845-848, 2005.

ALMEIDA NETO, M. Novos atores no ensino superior brasileiro: impactos do perfil socioeconômico e das condições pós-acesso sobre o fluxo escolar e inserção profissional de estudantes de Ciências Sociais de uma instituição privada. 2015. 196 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

ALVES, S. A inclusão de alunos com deficiência no instituto de artes e design da Universidade Federal de Juiz de Fora: desafios e perspectivas. 171 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019.

AMARAL, L. Conhecendo a deficiência: em companhia de Hércules. São Paulo: Robe Editorial, 1995.

ARNAIS, M. Alteridade e reconhecimento acadêmico no Atendimento Educacional Especializado no ensino superior. 310 p. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 5 out. 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 2, 7 out. 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. PARECER CNE/CES 583/2001. Orientação para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0583.pdf. Acesso em: 28 de mar. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. PARECER CNE/CES nº 67/2003. Referencial para as Diretrizes Curriculares Nacionais – DCN dos Cursos de Graduação. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_pces06703.pdf?query=CURRICULARES. Acesso em: 28 de mar. 2023.

BUENO, J.G.S.; MELETTI, S.M.F. Educação infantil e educação especial: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros. Contrapontos (Online), v. 11, p. 65-80, 2011.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo Escolar 2020. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-escolar. Acesso em: 13 mar. 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior. Acesso em: 13 mar. 2020.

BRIZOLA, J.; FANTIN, N. Revisão da Literatura e Revisão Sistemática da Literatura. Revista de Educação do Vale do Arinos, v. 3, n. 2, 2017. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/1738. Acesso em: 10 set. 2022.

CABRAL, V.; ORLANDO, R.; MELETTI, S. O Retrato da Exclusão nas Universidades

Brasileiras: os limites da inclusão. Educação & Realidade, v. 45, n. 4, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2175-6236105412. Acesso em: 28 fev. 2023.

CASTANHO, D. Política para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais: um estudo em universidades e centro universitário de Santa Maria/RS. 127 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

COSTA, A.; ZOLTOWSKI, A. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S.; COUTO, M.; HOHENDORFF, J. (org.). Manual de Produção Científica. Porto Alegre: Penso, 2014. p. 55-70.

DUARTE, N. O “aprender a aprender”: crítica às apropriações pós-modernas e neoliberais da teoria Vigotskiana. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2001.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. Revisão Sistemática da Literatura: conceituação, produção e publicação. Logeion: Filosofia da Informação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 57-73, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.21728/logeion.2019v6n1.p57-73. Acesso em: 10 set. 2022.

KASSAR, M. Percursos da constituição de uma política brasileira de educação especial inclusiva. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 17, p. 41-58, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-65382011000400005. Acesso em: 28 fev. 2023.

KITCHENHAM, B. Procedures for Performing Systematic Reviews. Keele University Technical Report TR/SE-0401, jul. 2004. ISSN:1353-7776. Disponível em: https://www.inf.ufsc.br/~aldo.vw/kitchenham.pdf. Acesso em 10 set. 2022.

LANNA JÚNIOR, M. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos/Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

MELLO, A. Gênero, deficiência, cuidado e capacitismo: uma análise antropológica de experiências, narrativas e observações sobre violências contra mulheres com deficiência. 2014. 262 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

OLIVEIRA, C.; SANTOS, A.; DIAS, A. Percepções de Estudantes Universitários sobre a Realização de Atividades Extracurriculares na Graduação. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 36, n. 4, p. 13, out./dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-3703003052015. Acesso em: 31 ago. 2021.

OLIVEIRA, E. Acessibilidade na Universidade Estadual de Londrina: o ponto de vista do estudante com deficiência. 197 p. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2003.

RAMOS, A.; FARIA, P. M.; FARIA, Á. Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em ciências da educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 17-36, abr. 2014. Disponível em:

https://www.redalyc.org/pdf/1891/189130424002.pdf. Acesso em: 10 set. 2022.

RIBEIRO, S. S. Estratégias pedagógicas para a permanência de estudantes surdos na Educação Superior. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política! 32. ed. Campinas: Autores Associados, 1999.

SAVIANI, D. O paradoxo da educação escolar: análise crítica das expectativas contraditórias depositadas na escola. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, v. 5, n. 10, p. 13-28, ago. 2010. Disponível em: https://app.utp.br/cadernosdepesquisa/pdfs/cad_pesq10/2_o_paradoxo_cp10.pdf. Acesso em: 10 fev. 2023.

SILVA, J. Acessibilidade, barreiras e superação: estudo de caso de experiências de estudantes com deficiência na educação superior. 242 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014.

SILVA, M. Processo de inclusão no ensino superior: O caso de estudantes com deficiência na Universidade Federal de Ouro Preto. 253 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2016.

SOUSA, H. Para lembrar que você existe: um estudo de caso sobre as políticas de inclusão para os estudantes com deficiência na Universidade Federal do Espírito Santo. 150 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

ZAMPAR, J. Integração à universidade na percepção de estudantes com deficiência. 106p. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

Publicado

2023-07-12

Como Citar

SALDANHA, L. B.; ORLANDO, R. M.; BENGTSON, C. Experiências de estudantes com deficiência em atividades extracurriculares na educação superior . Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1264–1282, 2023. DOI: 10.14393/REPOD-v12n3a2023-70011. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/70011. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICAS PÚBLICAS LUSO-BRASILEIRAS DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA PESSORAS COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR