As políticas de ações afirmativas e a (des) racialização da universidade: em debate a UFRB e seu projeto de universidade negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64903

Palavras-chave:

Ações afirmativas, Universidade negra, Intelectuais negros

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar as reverberações produzidas pelas políticas de ações afirmativas e o projeto de universidade negra desenvolvidos na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia a partir da atuação implicada e engajada de gestores/as negros/as responsáveis pela Pró-Reitoria de Ações Afirmativas e Assuntos Estudantis (PROPAAE) da universidade. Este artigo é resultado de uma pesquisa qualitativa em que foram realizadas entrevistas semiestruturadas com oito sujeitos envolvidos na gestão da PROPAAE entre os anos de 2009 e 2016. A pesquisa revelou que os programas e propostas encampados por esses sujeitos produziram uma política orientada pelo vislumbre de um projeto de universidade ancorado na perspectiva da igualdade e da equidade racial que pode se materializar por meio das ações afirmativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Natália Silva Colen, Universidade Federal de Minas Gerais - Brasil

Mestre. Universidade Federal de Minas Gerais, doutoranda em Educação, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Rodrigo Ednilson de Jesus, Universidade Federal de Minas Gerais - Brasil

Pós Doutor. Universidade Federal de Minas Gerais, professor da faculdade de educação, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Referências

ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis-RJ: Vozes, 2012.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (Orgs.) Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 4. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2009. p. 25-57.

BRASIL. Lei. n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Lei de Cotas de Ingresso nas Universidades; Lei de Cotas nas Universidades; Lei de Cotas Sociais. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, Seção 1, 30 ago. 2012, p. 1

CARVALHO, José Jorge. Ações afirmativas para negros na pós-graduação, nas bolsas de pesquisa e nos concursos para professores universitários como resposta ao racismo acadêmico. In: SILVA, P.B; SILVÉRIO, V.R. (Orgs). Educação e ações afirmativas: entre a justiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: Instituo Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2003.

CARVALHO, José Jorge. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista USP, São Paulo, n.68, p. 88-103, dezembro/fevereiro 2005-2006.

CARVALHO, José Jorge. Encontro de Saberes e descolonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: COSTA, J. B; TORRES, M; GROSFOGUEL, R. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 79-106.

COSTA, J. B; TORRES, M; GROSFOGUEL, R. (Orgs). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

GROSFOGUEL, R. Para uma visão decolonial da crise civilizatória e dos paradigmas da esquerda ocidentalizada. In: COSTA, J. B; TORRES, M; GROSFOGUEL, R. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 55-78.

GOMES, Nilma Lino; MARTINS. Aracy Alves (Orgs.). Afirmando direitos: Acesso e permanência de jovens negros na universidade. Minas Gerais: Autêntica, 2006.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis-RJ: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: COSTA, J. B; TORRES, M; GROSFOGUEL, R. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 223-246.

JESUS, Rodrigo Ednilson de. Ações afirmativas, educação e relações raciais: Conservação, atualização ou reinvenção do Brasil. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

LABORNE, Ana Amélia de P. Branquitude em foco: análises sobre a construção da identidade branca de intelectuais no Brasil. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

LAROSSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, p. 21-29, n.19. jan/fev/mar/abr. 2002.

MUNANGA, Kabengele. Prefácio. In: CARONE, I.; BENTO, M.A. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 4 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2009. p.9-11.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. Tempo Social, revista de sociologia da USP, p. 287-308, v. 19, n. 1290. nov. 2006.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento. 2017. 112p.

SANTOS, Sales Augusto dos. Movimentos negros, educação e ações afirmativas. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

SILVA, P. V. B; ROSEMBERG, F. Brasil: lugares de brancos e negros na mídia. In: DIJK, V.T. Racismo e Discurso na América Latina. São Paulo: Contexto. 2008. p. x-y.

Downloads

Publicado

2022-03-01

Como Citar

COLEN, N. S. . .; JESUS, R. E. de . As políticas de ações afirmativas e a (des) racialização da universidade: em debate a UFRB e seu projeto de universidade negra. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 101–121, 2022. DOI: 10.14393/REPOD-v11n1a2022-64903. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/64903. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS EM INSTITUIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR (IES): EM DEBATE O ACESSO E A EQUIDADE