Agenda neoliberal, juventude e trabalho: uma análise discursiva de coleções didáticas do Novo Ensino Médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-64288

Palavras-chave:

Discurso. Juventude, Trabalho. Ensino Médio, Neoliberalismo

Resumo

O artigo analisa coleções didáticas do Novo Ensino Médio aprovadas pelo Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), edição de 2021, levando em consideração os impactos reformistas de matriz neoliberal a incidirem sobre o trabalho e a educação para os jovens no Brasil. O objetivo consiste em investigar como discursos sobre o trabalho em três coleções didáticas de Projeto de Vida articulam-se com a racionalidade neoliberal. Trata-se de uma pesquisa descritivo-interpretativa, de natureza documental e qualitativa. Foi possível observar que a conexão entre o trabalho e o neoliberalismo ocorre por meio de regularidades discursivas relativas às instabilidades do mundo do trabalho e a necessidade de engendrar condutas juvenis flexíveis, proativas e autônomas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Vieira da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido - Brasil

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Caraúbas, Rio Grande do Norte, Brasil.

Edvânia Batista de Morais, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - Brasil

Mestranda em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pau dos Ferros, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

ARAÚJO, I. L. Formação discursiva como conceito chave para a arquegenealogia de Foucault. In: BARONAS, R. L. (org.). Análise de discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. Letraria: Araraquara, 2020. p. 318-336.

BALL, S. J. Educação global S. A: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 05 fev. 2020.

CASTRO, F. Reforma trabalhista e Estado mais forte: mercado critica prospotas do PT, Uol, São Paulo, 08 jan. 22. Disponível em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/01/08/reforma-trabalhista-e-estado-mais-forte-mercado-critica-propostas-do-pt.htm?utm_source=twitter&utm_medium=social-media&utm_content=geral&utm_campaign=noticia. Acesso em: 11 jan. 22.

CONCEIÇÃO, A. Pandemia afeta fatia de jovens nem-nem, Valor Econômico, São Paulo, 29 abr. 2021. Disponível em: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/04/29/pandemia-eleva-fatia-de-jovens-nem-nem.ghtml. Acesso em 12 jan. 2022.

DAYRELL, J.; CARRANO, P. Juventude e ensino médio: quem é esse aluno que chega à escola. In: DAYRELL, J.; CARRANO, P.; MAIA, P. L. (orgs). Juventude e ensino médio: sujeitos e currículos em diálogos. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014. p.101-134.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIAS, A. C. N.; EL-JAICK, A. P. A monumentalização do discurso na arqueologia do saber, de Michel Foucault, Signótica, Goiânia, v. 33, 2021. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sig/article/view/66553. Acesso em: 11 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.5216/sig.v33.66553.

ESTADÃO. O PT não sabe o que é cidadania, Notas e opiniões, 09 jan. 2022. Disponível em: https://opiniao.estadao.com.br/noticias/notas-e-informacoes,o-pt-nao-sabe-o-que-e-cidadania,70003945042. Acesso em: 11 jan. 22.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France: (1978-1979). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FRAIMAN, L. de P.e. Pensar, sentir e agir. São Paulo: FTD, 2020.

GUERRA, M. F. L; CAMARGOS, R. C. M. Reformas trabalhista e previdenciária: o desmonte da regulação das relações de trabalho e de seguridade social. In: AVRITZER, L.; KERCHE, F.; MARONA, M. (orgs.). Governo Bolsonaro: retrocesso democrático e degradação política. Autêntica: Belo Horizonte, 2021, p. 303-316.

HAN, B. C. Sociedade do cansaço. Trad. Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

KNÖPKER, M.; COSTA, M. V. Fazendo o neoliberalismo funcionar “dentro de nós”: pedagogia das organizações sociais sem fins lucrativos e formação docente, Pro-posições, Campinas, v. 32, e20180137, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666800. Acesso em: 11 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2018-0137.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo como ataque ao ensino público. Trad. Maria Luiza M. de Carvalho e Silva. Londrina: Editora Planta, 2004.

LOPES, A. C. Itinerários formativos da BNCC do Ensino Médio: identificações e projetos de vida juvenis, Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 39-58, jan./mai. 2019. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/963. Acesso em: 10 dez. 2021. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.963.

LOPÉZ, M. Gratuidade e promoção. In: LARROSA, J.; RECHIA, K. C.; CUBAS, C. J. (orgs). Elogio do professor. Belo Horizonte: Autêntica, 2021. p. 189-200.

MONTEIRO, B. Planejando a jornada: um guia para seu projeto de vida. São Paulo: Evoluir, 2020.

MOREIRA, M. A. Metodologia da pesquisa em Ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

RAMOS, M. Pedagogia das competências. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. (Orgs). Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008. p. 299-303.

RESENDE, H. A educação por toda a vida como estratégia de biorregulação neoliberal. In: RESENDE, H. (org). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar a educação. São Paulo: Intermeios; Brasília: Capes/CNPq, 2018. p. 77-94.

SAFATLE, V. A economia é a continuação da psicologia por outros meios: sofrimento psíquico e neoliberalismo como economia moral. In: SAFATLE, V.; SILVA JUNIOR, N.; DUNKER, C. (orgs.). Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica, 2021. p. 11-38.

SILVA, R. R. D. Trabalho, educação e juventudes: diálogo com o pensamento social de Christian Laval e Pierre Dardot, Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n.3, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/Djs9qcrZ6GxwzY99FH7Pstj/?lang=pt. Acesso em: 10 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00223.

STANDING, G. O precariado: a nova classe perigosa. Trad. Cristina Antunes. Autêntica: Belo Horizonte, 2020.

TEMER, M. Reforma trabalhista é injustamente atacada, Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 jan. 2022.

VEIGA-NETO, A. Neoliberalismo e educação: a formação do precariado. In: RESENDE, H. (org). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar a educação. São Paulo: Intermeios; Brasília: Capes/CNPq, 2018. p. 33-44.

Downloads

Publicado

2022-04-12

Como Citar

Silva, F. V. da, & Morais, E. B. de. (2022). Agenda neoliberal, juventude e trabalho: uma análise discursiva de coleções didáticas do Novo Ensino Médio . Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(2), 632–651. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-64288

Edição

Seção

DOSSIÊ - ESTADO NEOLIBERAL E RETROCESSOS DEMOCRÁTICOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO