Trajetória de uma política: cotas étnico-raciais na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia / Trajectory of a policy: Ethnic-racial quotas at the Basic Education School of the Federal University of Uberlândia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v9nEspeciala2020-55604

Palavras-chave:

Cotas étnico-raciais, Educação básica, Relato de experiência

Resumo

Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de implementação de cotas étnico-raciais na Escola de Educação Básica (Eseba) da Universidade Federal de Uberlândia. Instituída em 2019, devido ao trabalho da Comissão para a Diversidade Étnico-Racial e Socioeconômica da Eseba, com o apoio da direção da escola, da Reitoria e da Pró-Reitoria de Graduação e do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab) da universidade, essa política afirmativa promoveu o ingresso, em 2020, de 18 estudantes negros no primeiro período da educação infantil. Essa medida constitui um marco não apenas para a Eseba, mas para outros colégios de aplicação vinculados a universidades federais que, eventualmente, poderão se valer dessa experiência para, também, discutirem medidas de promoção de equidade racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Léa Aureliano de Sousa Machado, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Especialista em educação pela Universidade Federal de Uberlândia, docente na escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia.

Neli Edite dos Santos, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia, docente na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia.

Fernanda Cássia dos Santos, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutora em História pela Universidade Federal do Paraná, docente da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia.

Gabriela Martins Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo, docente na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ALMEIDA, S. L. de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ANDRADE, M. de. Improviso do mal da América. In: De pauliceia desvairada a café (poesias completas). São Paulo: Círculo do Livro, 1986. p. 209–210.

BRASIL. Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012.

BRASILEIRO, J. O congado (a) e a permanência do racismo na cidade de Uberlândia-MG: resistência negra, identidades, memórias, vivências (1978-2018). Tese (Doutorado em História) - Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.609.

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade: estudos de teoria e história literária. 7. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1985.

CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Resolução no 7/2019, 2019. Disponível em: <http://www.reitoria.ufu.br/Resolucoes/resolucaoCONSUN-2019-7.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2020.

DAFLON, V. T.; FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L. A. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 302–327, abr. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742013000100015.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. A violência contra negros e negras no Brasil - Infográfico. Disponível em: <https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/11/infografico-consicencia-negra-2019-FINAL_site.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2020.

GOMES, C. Quem quer ser negrx no Brasil: A afroconveniência nossa de todo dia!Jornalistas Livres, 2016. Disponível em: <https://jornalistaslivres.org/quem-quer-ser-negrx-no-brasil-afroconveniencia-nossa-de-todo-dia/>. Acesso em: 19 jun. 2020

GOMES, N. L.; PETRONILHA, B. G. Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

IBGE. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília: IPEA, 2011.

IBGE. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios contínua: características gerais dos domicílios e dos moradores 2018. Disponível em: <https://static.poder360.com.br/2019/05/ibge-pnad-2019.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2020.

LIMA, D. DA C. B. P.; REGO, T. L. Educação das relações étnico-raciais na educação infantil. Revista Contemporânea de Educação, v. 12, n. 23, p. 175–191, 27 abr. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.609.

MUNANGA, K. Apresentação. In: MUNANGA, K. (Ed.). Superando o racismo na escola. 2 revisada ed. Brasília: Ministério da Educação, secretaria da Educação e Diversidade, 2005.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil : identidade nacional versus identidade negra. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

NOGUERA, R. Denegrindo a educação: Um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação (RESAFE), n. 18, p. 62–73, 2012. DOI: https://doi.org/10.26512/resafe.v0i18.4523.

OBSERVATÓRIO BRASIL DA IGUALDADE DE GÊNERO. Dez anos da Seppir marcam década de institucionalização da promoção da igualdade racial no país. Disponível em: <http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/noticias/dez-anos-da-seppir-marcam-decada-de-institucionalizacao-da-promocao-da-igualdade-racial-no-pais/>. Acesso em: 19 jun. 2020.

PATTO, M. H. S. A família pobre e a escola pública: anotações sobre um desencontro. Psicologia USP, v. 3, n. 1–2, p. 107–121, 1992.

SANTANA, J. V. J. de et al. “Eu tenho vergonha em dizer que sou negra, ninguém gosta, né”? As crianças e as relações étnico-raciais em Itapetinga-BA. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 12, n. 28, p. 323–346, 1 jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v12i28.9982.

SANTOS, N. N. DA S. A voz e a palavra do movimento negro na Assembleia Nacional Constituinte (1987/1988): um estudo das demandas por direitos. Dissertação de Mestrado—São Paulo: Fundação Getúlio Vargas. Escola de Direito de São Paulo, 9 abr. 2015.

SCHWARCZ, L. M. Teorias raciais. In: SCHWARCZ, L. M.; GOMES, F. S. (Eds.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 403–409.

SCHWARCZ, L. M. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

Machado, L. A. de S., Santos, N. E. dos ., Santos, F. C. dos ., & Silva, G. M. . (2020). Trajetória de uma política: cotas étnico-raciais na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia / Trajectory of a policy: Ethnic-racial quotas at the Basic Education School of the Federal University of Uberlândia. Revista Educação E Políticas Em Debate, 9(Especial), 905–920. https://doi.org/10.14393/REPOD-v9nEspeciala2020-55604

Edição

Seção

Dossiê: Políticas educacionais de igualdade racial: práticas e saberes por uma