A Base Nacional Comum Curricular e as formas de subjetivação do professor de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n1a2021-55011

Palavras-chave:

Política educacional, Currículo e poder, Formação Matemática

Resumo

O artigo propõe um debate acerca das proposições da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e os seus impactos na formação de professores que ensinam Matemática. Para tanto, destaca-se como problemática: “Qual perfil de professor que ensina Matemática no ensino fundamental é desejado pela BNCC?”. A análise discursiva foi utilizada na compreensão das relações de poder que emergem do discurso da Base. No que concerne ao currículo, ao conhecimento escolar e às subjetivações, Apple (2001 e 2006) e Silva (1999) subsidiaram as discussões, possibilitando a percepção de que a BNCC, como documento norteador, sugere a Matemática como uma ciência humana — produzida por diferentes grupos sociais — contudo, apresenta um discurso hegemônico, priorizando certos saberes e competências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Letiane Oliveira da Fonseca, Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Mestra em Educação Matemática pela Universidade Federal de Pelotas. Professora de Matemática na rede municipal de Pelotas.

Márcia Souza da Fonseca, Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Docente do Instituto Física e Matemática da Universidade Federal de Pelotas.

Jaíne Telles Quevedo, Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Acadêmica do Mestrado em Educação Matemática da Universidade Federal de Pelotas. Professora alfabetizadora na Escola de Ensino Fundamental Castro Alves.

Mônica Roxo Correa, Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Especialista em Orientação Educacional pela Faculdade Dom Bosco. Professora de Educação Infantil na rede municipal de Pelotas.

Referências

ANPED e a BNCC: luta, resistência e negação. ANPEd, 2020. Disponível em: https://anped.org.br/content/anped-e-bncc-luta-resistencia-e-negacao. Acesso em: 24 set. 2020.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3.ed. Porto Alegre: Artmed,2006.

APPLE, M. W. Reestruturação Educativa e Curricular e as agendas neoliberal e neoconservadora: entrevista com Michael Apple. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.1, p. 5‐33, 2001.

APPLE, M. W.; BEANE, J. A. O argumento por escolas democráticas. In: APPLE, M. W.; BEANE, J. A. (orgs). Escolas Democráticas. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 09 out. 2019.

FELIX, A. M. ; FONSECA, M. S. da . Práticas curriculares no RS: as (poli)técnicas de governamento. In: Loreto, A.B.; Fonseca, M.S.; Gil, R. L. (Org.). Escritas de professores - experiências de formação. 1ed.Pelotas: Editora UFPel, 2016, v. 1, p. 11-28.

FONSECA, M. S.; RIOS, D. F. O livro didático como dispositivo pedagógico na formação de professores. In: MACHADO, C.C.; PINHO, D.S.; PEREIRA, E.C.; MAURELL, J.R.P.;

SAGGIOMO, L.S.; ANTIQUEIRA, L.S. (Org.). Formação de professores e práticas educativas: olhares e reflexões. 1ed.Porto Alegre: Editora Casaletras, 2018.

FREIRE, P. Professoras sim, tia não; cartas para quem ousa ensinar. São Paulo – SP: Olho d’ Água, 1997.

KNIJNIK, G. et al. Etnomatemática em movimento. 2a edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2013 (Coleção Tendências em Educação Matemática, 25).

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre o conhecimento de fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.02, p. 45-67, Abr-Jun. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698153052.

SACRISTÁN, J. G. Saberes e incertezas sobre o currículo. São Paulo: Penso, 2013.

SILVA, T. T. da. Documento de identidade - uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 1999.

VIEIRA, J.S., HYPÓLITO, A.L.M. Políticas curriculares, estandartização do conhecimento e ressignificação da aprendizagem. In: TURA, M.L.R., GARCIA, M.M.A. Currículo, Políticas e Ação Docente. 1ed.Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013, v. 1, p. 127-135.

Downloads

Publicado

2021-01-27

Como Citar

Fonseca, L. O. da ., Fonseca, M. S. da ., Quevedo, J. T. ., & Correa, M. R. (2021). A Base Nacional Comum Curricular e as formas de subjetivação do professor de Matemática. Revista Educação E Políticas Em Debate, 10(1), 469–481. https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n1a2021-55011

Edição

Seção

Artigos de Demanda Contínua