Qual é o lugar da Base?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v8n1a2019-48794

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Currículo, Capitalismo, Paulo Freire

Resumo

Este trabalho pretende trazer como a lógica do capital se faz presente sem qualquer pudor no período vivido pós-golpe de 2016, tendo a Base Nacional Comum Curricular como pano de fundo de políticas públicas educacionais que se propõem a intensificar às desigualdades responsabilizando escolas públicas, professores/as e estudantes pela (má) qualidade da educação brasileira. Através de referências comprometidas com o desvelamento da desigualdade, inerente ao capitalismo e fundados na tese marxiana contra Feuerbach, adotamos a teoria crítica como fundamento não só para interpretar o contexto atual, mas, também, para colaborar com ações que potencializem o papel de transformação social da educação inspirado especialmente em Paulo Freire. Problematizar a proposta de Base Nacional Comum Curricular, sua concepção curricular e como o/a professor/a comprometido com a emancipação e transformação social é, portanto, o objetivo desse ensaio que deseja colocar esse documento em seu lugar quando falamos de Educação para a transformação social.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Teodoro Adriano Costa Zanardi, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG) - Minas Gerais - Brasil

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor Adjunto do Programa de Pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG). Líder do Grupo de Pesquisa: Currículo crítico, educação transformadora: políticas e práticas.

Referências

ANPED. Exposição de motivos sobre a Base Nacional Comum Curricular. Disponível em <http://www.anped.org.br/sites/default/files/resources/Of_cio_01_2015_CNE_BNCC.pdf> Acesso em 18 mar. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm?TSPD_101_RO=aa9302582cfb739a66547890a36b7866cJf000000000000000000000d6fa48bbffff00000000000000000000000000005aaee221006ad35760>. Acesso em 18 mar. 2018.

BRASIL. Medida provisória n. 746, de 2016. Disponível em: <https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992>. Acesso em 18 mar. 2018.

ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO. A quem interessa a BNCC? Disponível em < http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/a-quem-interessa-a-bncc> Acesso em 16 mar. 2018.

FREIRE, Paulo. SHOR, Ira. Medo e Ousadia – O Cotidiano do Professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 33.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação . Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2016.

LÓWY, Michael. A teoria da revolução no jovem Marx. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo, 2007.

MEC. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192> Acesso em 16 mar. 2018.

MEC. Dia D: Dia Nacional de discussão sobre a BNCC. Disponível em <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/2-roteiro-para-atividades.pdf> Acesso em 19 mar. 2018a.

MEC. Base Nacional Comum Curricular é aprovada no CNE e segue para homologação do ministro da Educação. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/58541-base-nacional-comum-curricular-e-aprovada-no-cne-e-segue-para-homologacao-do-ministro-da-educacao> Acesso em 20 abr. 2018.

SACRISTÁN, José Gimeno. O que significa currículo? In: SACRISTÁN, José Gimeno (org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. A educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre: Artmed, 2003.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Mantenedores e apoiadores. Disponível em <https://www.todospelaeducacao.org.br/quem-somos/mantenedores-e-apoiadores/> Acesso em 18 mar. 2018.

TYLER, Ralph W. Princípios básicos de currículos e ensino. 7. ed. Rio de Janeiro: Globo, 1983.

YOUNG, Michael F. D. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, vol. 28, n. 101. Campinas: set./dez. 2007.

SALES, Tainah. Aspectos jurídicos do impeachment, dos crimes de responsabilidade e das “pedaladas ficais”. Revista de Direito Brasileira. V. 16. n. 7. São Paulo, jan./abr., 2017

Downloads

Publicado

2019-05-20

Como Citar

Zanardi, T. A. C. . (2019). Qual é o lugar da Base?. Revista Educação E Políticas Em Debate, 8(1), 5–18. https://doi.org/10.14393/REPOD-v8n1a2019-48794

Edição

Seção

Artigos