A concepção de trabalho escolar e a (des)politização dos sujeitos sociais a partir de Maurício Tragtenberg

Autores

  • Simone Vieira Melo Shimamoto Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n2a2017-07

Palavras-chave:

Trabalho, Trabalho Escolar, Controle, Autonomia, Autogestão

Resumo

O presente artigo visa trazer ao debate, numa perspectiva dialética, à luz dos estudos de Tragtenberg, a concepção de sujeito do trabalho escolar. Consideramos que a organização e a complexidade do contexto escolar possui matriz burocrática e hierárquica vinculada aos interesses articulados/articuladores da classe socioeconômica dominante e, nesse sentido, pressupomos que os trabalhadores da educação têm no trabalho escolar um frágil campo de politização e superação do modelo instalado, assumindo-se executores com dificuldades de auto-organização, distanciados da participação, autonomia e autogestão efetivas. Acreditamos convidar ao olhar investigativo, a estudos, reflexões e discussões problematizadores e propositores, fortalecendo debates, desconstruindo naturalizações e contribuindo com o processo de politização dos sujeitos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Simone Vieira Melo Shimamoto, Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Educação

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Pesquisadora do Curso de Pedagogia a Distância da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ANTUNES. Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980.

CARVALHO, Olgamir Francisco de. A escola como mercado de trabalho. Os bastidores da divisão do trabalho no âmbito escolar. São Paulo: Iglu, 1989.

ENGUITA, Mariano F. Trabalho, Escola e Ideologia: Marx e a crítica da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GURVITCH, Georges. La ideia del Derecho Social. Granada: Editorial Comares, S.L., 2005.

GUTIÉRREZ, Francisco. Educação como práxis política. Tradução de Antonio Negrino. São Paulo: Summus, 1988.

LIMA, Antonio Bosco (Org.). Estado e controle social no Brasil.Uberlândia: Composer; Fapemig; GPEDE, 2009.

LIMA, Antonio Bosco(Org.). Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, 2004.

LIMA, Antonio Bosco; PRADO, Jeovandir C.; SHIMAMOTO, Simone V. de Melo. Gestão democrática, gestão gerencial e gestão compartilhada: novos nomes velhos rumos. Anais XXV Simpósio Brasileiro; II Congresso Ibero-americano de Política e Administração da Educação, São Paulo/ SP, 2011.

LIPIANSKY, Edmond Marc. A Pedagogia Libertária. São Paulo: Imaginário: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica.10. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. v. 12, n. 34, p. 152-165, jan./abr. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf>. Acesso: 10 ago. 2011.

SHIMAMOTO, Simone V. M. Gestão Escolar Democrática: discursos de transformação ou conservação? Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG, 2011.

SHIMAMOTO, Simone V. M. A concepção de trabalho escolar a partir de Maurício Tragtenberg: fios e tramas de debate na (des)politização dos sujeitos sociais. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MG, 2016.

TRAGTENBERG, Maurício. O conhecimento expropriado e reapropriado pela classe operária – Espanha 80. In: Educação & Sociedade, n. 7. São Paulo: Cortez e Autores Associados, 1980, p. 53-62, 1980.

TRAGTENBERG, Maurício. Kropotkin. Textos escolhidos. Porto Alegre: L & PM Editores, 1987.

TRAGTENBERG, Maurício. Memorial. Revista Espaço Acadêmico, n.30, Nov. 2003. Disponível em http://espacoacademico.com.br/030/30mt_memorial.htm.

TRAGTENBERG, Maurício. Sobre educação, política e sindicalismo. 3.ed. rev. São Paulo: UNESP, 2004. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2004.

TRAGTENBERG, Maurício. Administração, poder e ideologia. 3.ed. rev. São Paulo: UNESP, 2005. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2005.

TRAGTENBERG, Maurício. O capitalismo no século XX. 2.ed. rev. e ampliada. São Paulo: UNESP, 2010. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2010.

TRAGTENBERG, Maurício. Teoria e Ação Libertárias. São Paulo: Ed. Unesp, 2011. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2011.

TRAGTENBERG, Maurício. Autonomia Operária. São Paulo: Ed. Unesp, 2011a. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2011.

TRAGTENBERG, Maurício. Educação e Burocracia. São Paulo: Ed. Unesp, 2012. (Coleção Maurício Tragtenberg), 2012.

UHLE, Agueda B. A Administração Educacional: suas transformações e o perigo da corrupção da linguagem. In: FONSECA, D. M. (Org.). Administração Educacional: um compromisso democrático. Campinas, SP: Papirus, 1994, p. 53-65, 1994.

Downloads

Publicado

2019-02-18

Como Citar

Shimamoto, S. V. M. (2019). A concepção de trabalho escolar e a (des)politização dos sujeitos sociais a partir de Maurício Tragtenberg. Revista Educação E Políticas Em Debate, 6(2). https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n2a2017-07

Edição

Seção

Artigos