Da política pública de educação do campo à prática acadêmica para a formação de professores

Autores

  • Luiz Henrique Magnani Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil https://orcid.org/0000-0001-7128-9604
  • Carlos Henrique Silva de Castro Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil
  • Luiz Otávio Costa Marques Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil https://orcid.org/0000-0001-7139-3137

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-06

Palavras-chave:

Políticas públicas, Formação de professores, Educação do Campo, Linguística Aplicada, Letramentos

Resumo

Este artigo discute aspectos da proposta teórico-metodológica da área de línguas da Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM, com o intuito de contribuir com a reflexão sobre a realidade da implementação, consolidação e manutenção dessa política pública no ensino superior brasileiro. A graduação, instituída em 2013, objetiva formar professores com habilitação em Ciências da Natureza ou Linguagens e Códigos para lecionar nos anos finais do ensino fundamental e no ensino médio de escolas do meio rural. A proposta em pauta resulta de um diálogo entre os pressupostos teóricos da Educação do Campo, que reconfiguram o ensino em escolas que atendem às populações campesinas; da linguística aplicada (LA), de perspectiva interdisciplinar; e de estudos de letramentos, que reconhecem e problematizam os novos usos da linguagem.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiz Henrique Magnani, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil

Doutor em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Curso de Licenciatura em Educação do Campo na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Carlos Henrique Silva de Castro, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil

Doutor em Linguística Aplicada (Linguagem e tecnologia) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor do Curso de Licenciatura em Educação do Campo e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPG-CH) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). 

Luiz Otávio Costa Marques, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM - Minas Gerais - Brasil

Mestre em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (USP) e doutorando  Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). 

Referências

ANDRADE, L. A. M. O desafio da parceria na implementação do PRONERA: o caso do Projeto Alfabetização Cidadã no Nordeste Paraense. Dissertação (Mestrado) – Mestrado em Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 186 f. 2009.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. 6. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. (VOLOCHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem.12. ed, São Paulo: Hucitec, 2006.

BARTON, D. Literacy: An introduction to the ecology of written language. Oxford: Blackwell, 1994.

BOURDIEU, P.A economia das trocas linguísticas.São Paulo: Edusp, 1996.

BRASIL. Edital de Seleção no. 02/2012 -SESU/SETEC/SECADI/MEC de 31 de agosto de 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13300-edital-02-2012-sesu-setec-secadi-31-agosto-2012-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em:28 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso: 28 mar. 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC/SEF, 1998.Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf>.Acesso em: 28 mar. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2016. Disponível em:<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2018.

EVENSEN, L. S. A Lingüística Aplicada a partir de um arcabouço com princípios caracterizadores de disciplinas e transdisciplinas. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Org.) Lingüística Aplicada e Transdisciplinaridade. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p. 81-98.

FABRÍCIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L.P. da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 15-66.

FREIRE, P. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. 41. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28a ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

LIMA, A. V. Educação do Campo e Pedagogia da Alternância: algumas considerações metodológicas. Entrelaçando,Cruz das Almas, UFRB, v. 2, n.7, ano III,p.46-60,2012.

MOITA LOPES, L. P. da. (Org). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOITA LOPES, L. P. da. (Org).Da aplicação de Linguística à Linguística Aplicada Indisciplinar. In: PEREIRA, R. C. M; ROCA, M. P. (Org.). Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009, p.11-24.

MOLINA, M. C.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Educação do Campo: história, práticas e desafios no âmbito das políticas de formação de educadores – reflexões sobre o PRONERA e o PROCAMPO. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.22, n.2, p.220-253, jul./dez.2014. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/5252 >. Acesso em: 23 abr. 2018.

RIBEIRO, M. Educação Rural. In: CALDART, R.S; PEREIRA, I.B; ALENTEJANO, P; FRIGOTO, G. (Orgs). Dicionário de Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio,

Expressão Popular, 2012.

SANTOS, B. S.; MENEZES, M. P.; NUNES, J. A. Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, B. S. (Org.). Semear outras soluções. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 21-122.

SEMINÁRIO NACIONAL POR UMA EDUCAÇÃO DO CAMPO. Declaração –2002. In: KOLLING, E. J.; CERIOLLI, P. R.; CALDART, R; S. (Org.). Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília, DF: articulação nacional Por Uma Educação do Campo, 2002. Coleção Por Uma Educação do Campo, no. 4. Disponível em: <http://www.forumeja.org.br/ec/files/Vol%204%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20B%C3%A1sica%20do%20Campo.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2018.

SIGNORINI, I. Do residual ao múltiplo e ao complexo: o objeto da pesquisa em Lingüística Aplicada. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Org.). Lingüística Aplicada e Transdisciplinaridade. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p. 99-110.

STREET, B. V. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI – UFVJM. Projeto Pedagógico de Curso da Licenciatura em Educação do Campo. Diamantina, MG, 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI – UFVJM.Projeto Pedagógico de Curso da Licenciatura em Educação do Campo. Diamantina, MG, 2018.

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Magnani, L. H., Castro, C. H. S. de, & Marques, L. O. C. (2018). Da política pública de educação do campo à prática acadêmica para a formação de professores. Revista Educação E Políticas Em Debate, 7(1), 58–76. https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-06

Edição

Seção

Dossiê: Políticas de Educação do Campo