Alunos com altas habilidades/superdotação no ensino fundamental (5º. ao 9°. ano) de uma escola pública mineira: identificação e encaminhamentos

Autores

  • Maria Isabel de Araújo Prefeitura Municipal de Uberlândia
  • Priscila Moreira Corrêa-Telles Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (ESEBA-UFU)
  • Lavine Rocha Cardoso Ferreira Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (ESEBA-UFU)

Palavras-chave:

Educação Especial, Identificação, Altas habilidades/Superdotação

Resumo

As escolas de ensino regular devem identificar quem são os seus alunos com altas habilidades/superdotação. Este artigo objetiva identificar quais eram os alunos que se destacavam nas classes de 5º ao 9º ano de uma escola pública mineira, quais os seus indicadores de Altas Habilidades/Superdotação e promover os encaminhamentos/atendimentos. Para isso foi utilizado alguns questionários elaborados por pesquisadores da área e a literatura referente ao conceito de inteligência e superdotação para análise dos dados. Foram encontrados 23 alunos que apresentaram Altas Habilidades/Superdotação em alguns dos indicadores, como, nas áreas lógico-matemática, linguagem, interpessoal e intrapessoal, existencialista e cenestésica. Como encaminhamentos foram propostos: a) realizar um trabalho junto aos familiares; b) observação dos alunos nas salas de aulas; c) atendimentos dos alunos pela equipe escolar; d) formação de grupo de estudo na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Isabel de Araújo, Prefeitura Municipal de Uberlândia

Prefeitura Municipal de Uberlândia, Minas Gerais

Priscila Moreira Corrêa-Telles, Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (ESEBA-UFU)

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp-Marília) e Professora de Educação Especial da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia. 

Lavine Rocha Cardoso Ferreira, Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (ESEBA-UFU)

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia e Professora de Educação Especial da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S. Superdotados: Determinantes, Edu-cação e Ajustamento. 2 ed. São Paulo: EPU, 2001.

BARRETO, C. M. P.; METTRAU, M. B. Altas Habilidades: uma questão escolar. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, v.17, n.3, 2011.

BRASIL. Decreto Nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília: MEC/SEESP, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

CHAGAS, J. F.; PINTO, R. R. M; PEREIRA, V. L. P. Modelo de Enriquecimento Escolar. In: FLEITH, D. S. (Org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. v. 2. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

CUPERTINO, C. M. B. Um olhar para as altas habilidades: construindo caminhos. São Paulo: FDE, 2008.

DELPRETTO, B. M. L.; NEGRINI, T.; FREITAS, S. N. A identificação como meio de valorização dos alunos com características de altas habilidades em Santa Maria/RS. 2006. Disponível em: <http://www.unifra.br/eventos/jornadaeducacao2006/2006/pdf/artigos/pedagogia/A%20IDENTIFICA%-C3%83+O%20COMO%20MEIO%20DE%20VALORIZA%C3%83+O%20DOS%20ALUNOS%20COM%20CA%C3%A0.pdf>. Acesso em 20 de outubro de 2016.

FLEITH, D. de S. A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/Superdotação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M. L. S. Desenvolvimento de Talentos e Altas Habilidades – Orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. P. B. Altas habilidades/superdotação: atendimento especializado. Marília: ABPEE, 2012.

FREITAS, S. N.; STOBÄUS, C. D. Olhando as altas habilidades/superdotação sob as lentes dos estudos curriculares. Rev. Educ. Espec. 24(41), Santa Maria, p. 483-500, set./dez. 2011. Disponível em: <http://www.ufsm.br/revistaeducacaoespecial>. Acesso em 12/05/2014.

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GARDNER, H. Frames of mind: the theory of multiple intelligences. New York: Basic Books, 1983.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

HOTZ, E. R. T.; LANGBECKER, F. B.; SANTOS, N. N. M. Enriquecimento curricular: práticas educacionais para altas habilidades/superdotação. 2013. Disponível em: <http://conbrasd.org/wp/wp-content/uploads/2013/03/ENRIQUECIMENTO-CURRICULAR-PR%C2%A6TICAS-EDUCACIONAIS--PARA-ALTAS-HABILIDADE-SSUPERDOTA%C3%87%C2%A6O.pdf>. Acesso em 19 de outubro de 2016.

MAIA-PINTO, R. R.; FLEITH, D. de S. Avaliação das práticas educacionais de um programa de atendimento a alunos superdotados e talentosos. Revista de Psicologia Escolar e Educacional, v. 8, 2004.

PEREIRA, M. S. N. Estratégias de Promoção da Criatividade. In: FLEITH, D. S. (Org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. v. 2. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

PÉREZ, S. G. P. B. Da transparência à consciência: uma evolução neces-sária para a inclusão do aluno com altas habilidades/superdotados. In: SEMINÁRIO DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTADOS,1.; SEMINÁRIO DE INCLUSÃO DA PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS NO MERCADO DE TRABALHO, 2.; SEMINÁRIO CAPIXABA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 6., setembro, 2002, Vitória/ES. Anais... Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2002.

PURCELL, J. H.; RENZULLI, J. S. Total talent portfolio. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 1998.

RENZULLI, J. S. O que é esta coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação. Porto Alegre, ano XXVII, n. 1, p. 75-121, jan./abr. 2004. [Tradução de Susana Graciela Pérez Barrera Pérez].

RENZULLI, J.; REIS, S. The schoolwide enrichment model. In: HELLER, K. A. et al. (Orgs.). International handbook of giftedness and talent. 2 ed. Oxford: Elsevier Science. 2000.

SABATELLA, M. L; CUPERTINO, C. M. B. Práticas Educacionais de Atendimento ao Aluno com altas habilidades /superdotação. In: FLEITH, D.S. (Org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. Vol. 1: Orientação a professores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2007.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas Habilidades/Superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Especial, 2007.

VIRGOLIM, A. M. R. Enriquecimento Escolar em Salas de Aula Regular e de Recursos para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação: uma perspectiva inclusiva. In: MEC. SEESP. Ensaios pedagógicos. III Seminário Nacional de Formação de Gestores e Educadores – Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: MEC/ SEESP, 2006. 146 p.

WINNER, E. Crianças superdotadas: mitos e realidades. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

Downloads

Publicado

2016-12-20

Como Citar

Araújo, M. I. de, Corrêa-Telles, P. M., & Ferreira, L. R. C. (2016). Alunos com altas habilidades/superdotação no ensino fundamental (5º. ao 9°. ano) de uma escola pública mineira: identificação e encaminhamentos. Revista Educação E Políticas Em Debate, 5(2), 198–209. Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/45389

Edição

Seção

Artigos