A TEORIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E O PROEJA: POR UMA ANÁLISE ESCOLAR

Autores

  • Cristiana Barcelos da Silva Secretaria Municipal de Educação de Campo dos Goytac

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v4n2a2015-34561

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Educação Profissional, Representação Social

Resumo

Objetivou-se, com esta pesquisa, compreender as representações sociais dos docentes que atuavam em uma instituição federal pública, localizada no interior norte do estado do Rio de Janeiro, sobre a proposta de Educação para Jovens e Adultos integrada à  Educação Profissional (PROEJA). Em um primeiro momento, foi feita uma reflexão histórica sobre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil, bem como acerca das políticas para essa modalidade. Em seguida, fez-se referência ao PROEJA e, por último, foram analisados os dados obtidos por meio da aplicação de um instrumento de geração de dados, a fim de alcançar o objetivo da pesquisa.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristiana Barcelos da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Campo dos Goytac

Graduação em Pedagogia, Pós-graduação lato sensu em Educação Profissional e Mestrado em Cognição e
Linguagem na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. E-mail: cristianabarcelos@yahoo.
com.br.

Referências

ARRUDA.A. Teoria das representações sociais e gênero. Cadernos de Pesquisa, n.117, p.127-147, nov. 2002.

ARROYO, M. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares? In: 67ª Plenária do Fórum Mineiro de Educação de Jovens e Adultos, FAE-UFMG, 29 de junho de 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 9394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília : Senado, 1996.

BRASIL. Decreto nº 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que define as diretrizes e bases da educação nacional. Brasilia: Senado, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Portal do Instituto Federal Fluminense. Disponível em: <http://portal.iff.edu.br/campus/guarus>. Acesso em: 10 out. 2010.

BRASIL. Proeja – Concepções, experiências, problemas e propostas. Documento-base. In: Seminário Nacional de Educação Profissional. Brasília: Ministério da Educação, 16 a 18 de junho de 2003.

BRASIL. Proeja – Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Ensino Fundamental – Documento- -Base. 2. ed., Brasília: MEC, agosto de 2007a.

BRASIL. Proeja – Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Educação Profissional Técnica de Nível Médio / Ensino Médio. Documento Base. 2a ed., Brasília: MEC, agosto de 2007b.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação brasileira: projetos em disputa. São Paulo: Cortez, 1995.

FILHO, A. B; MELLO, M. S. M. Implantação do Proeja (curso de Turismo e Hospitalidade) no núcleo avançado do CEFET Campus em Arraial do Cabo: perspectiva de resgate da autoestima do trabalhador. In: GUIMARÃES, C.; VALDEZ, G. (Org.). Dialogando PROEJA: algumas contribuições – Campos dos Goytacazes (RJ): Essentia Editora, 2009.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Globalização e crise do emprego: mistificações e perspectivas da formação técnico-profissional. Boletim Informativo do Senac, vol. 25, nº 2, maio/agosto 1999.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2003.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. A gênese do Decreto nº.154/2004: um debate no contexto controverso da democracia restrita. In: ______. (Org.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GOODSON, I. F . Dar a voz ao professor: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, Antônio (Org.). Vida de professores. Porto: Porto, 1992.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, vol. 2, 2000/v. 3, 2000.

IRELAND, T. Escolarização de trabalhadores: aprendendo as ferramentas básicas para a luta cotidiana. In: OLIVEIRA, Inês B., PAIVA, Jane (Org.). Educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

JODELET, Denise. As Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2002, p.17-44.

JODELET, Denise. Representações Sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações Sociais. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2001.

KUENZER, A. Competência como práxis. Boletim Técnico do Senac, v. 30, n. 3, setembro/dezembro, 2004.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MOSCOVICI, Serge; GUARESCHI, Pedrinho A. Representações Sociais: investigações em Psicologia Social. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

PETERROSSI, H. G.; ARAÚJO, M. Políticas Públicas: uma reforma em construção no sistema de escolas técnicas em São Paulo. In: SEVERINO, Antônio Joaquim; FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (Org.). Políticas educacionais: O ensino nacional em questão. Campinas, SP: Papirus, 2003.

SILVA, C. B. O Proeja no Instituto Federal Fluminense Campus-Guarus: o olhar dos docentes (2006-2010). In: ARAÚJO, J. M. D; VALDEZ, G. R. B. In: PROEJA: refletindo o cotidiano. v.1. Campos dos Goytacazes (RJ): Essentia Editora, 2012.

SOUZA, J. dos S. Concepções e Propostas da CUT e da Força Sindical para a Educação Brasileira – Anos 90. In: NEVES, L. M. W. (Org.). Educação e política no limiar do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2000. p. 79-102.

Downloads

Publicado

2016-05-30

Como Citar

da Silva, C. B. (2016). A TEORIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E O PROEJA: POR UMA ANÁLISE ESCOLAR. Revista Educação E Políticas Em Debate, 4(2). https://doi.org/10.14393/REPOD-v4n2a2015-34561

Edição

Seção

Artigos