"TEMOS UM PROBLEMA EM NOSSA ESCOLA: UM GAROTO AFEMINADO DEMAIS". PEDAGOGIA DO ARMÁRIO E CURRÍCULO EM AÇÃO

Autores

  • Rogério Diniz Junqueira Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Palavras-chave:

Currículo, Cotidiano escolar, Heteronormatividade, Heterosseximo, Homofobia

Resumo

O artigo explora a relação entre currículo e heteronormatividade no cotidiano escolar, ao fazer problematizações a partir de relatos de docentes que evidenciam experiências curriculares imbricadas a processos de (re)produção das normas de gênero e da matriz heterossexual. Apresenta a noção de "pedagogia do armário", entendida como conjunto de práticas, relações de poder, classificações, construções de saberes, sujeitos e diferenças que o currículo empreende e articula sob a égide da heteronormatividade. Considera a heteronormatividade como elemento que atua na estruturação do espaço escolar e das práticas curriculares, produzindo efeitos sobre todas as pessoas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rogério Diniz Junqueira, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Doutor em Sociologia das Instituições Jurídicas e Políticas pelas Università Degli Studi di Milano e Macerata.
Integra o quadro permanente de Pesquisadores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
Teixeira (Inep).

Referências

ARONSON, Elliot. O animal social. São Paulo: Ibrasa, 1979.

BORGES, Lenise. Visibilidade lésbica: um comentário a partir de textos da mídia. Sexualidade, Rio de Janeiro, n. 23/24/25, p. 20-24, out. 2005.

BORRILLO, Daniel. Homofobia. Barcellona: Bellaterra, 2001.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. INEP. Pesquisa sobre preconceito e discriminação no ambiente escolar. Brasília: Inep, 2009.

BRITZMAN, Deborah. O que é essa coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 71-96, jan./jul. 1996.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira L. (Org.). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 151-172.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Ana M. de; MARIGUELLA, Márcio. Cotidiano escolar. Piracicaba: Jacintha, 2007.

CARVALHO, Marília P. de. Avaliação escolar, gênero e raça. Campinas: Papirus, 2009.

CONNELL, Robert [Raewyn]. Masculinities. Cambridge: Polity, 1995.

COSTA, Jurandir F. A ética democrática e seus inimigos. In: NASCIMENTO, Elimar P. do (Org.). Ética. Brasília: Garamond, 1997. p. 67-86.

CRENSHAW, Kimberlé W. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color. Stanford Law Review, Stanford, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, 1991.

DA MATTA, Roberto; SOARES, Elena. Águias, burros e borboletas. Rio de Janeiro: Rocco,1999.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano, I. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

ÉRIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Cia de Freud, 2008.

FONSECA, Márcio da. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: Educ, 1995.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

GERALDI, Corinta. Currículo em ação: buscando a compreensão do cotidiano da escola básica. Proposições, Campinas, v. 5, n. 3 [15], p. 111-132, nov. 1994.

HEREK, Gregory. Beyond homophobia: thinking about sexual prejudice and stigma in the Twenty-First Century. Sexuality Research & Social Policy, San Francisco, v. 1, n. 2, p. 6-24, abr. 2004.

HOOKS, Bell. Talking Black. Boston: South End, 1989.

HUDSON, Walter; RICKETTS, Wendell. A strategy for the measurement of homophobia. Journal of Homosexuality, Philadelphia, v. 5, n. 4, p. 357-372, 1980.

INTERNATIONAL COMMISSION OF JURISTS. Yogyakarta Principles, 2007. Disponível em: <http://bit.ly/1yUfEAc>. Acesso em: 30 dez. 2007.

JULIANO, Dolores; OSBORNE, Raquel. Prólogo. Las estrategias de la negación: desentenderse de las entendidas. In: PLATERO, Raquel (Coord.). Lesbianas. Barcelona: Melusina, 2008. p. 7-16.

JUNQUEIRA, Rogério D. Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. Bagoas, Natal, v. 1, n. 1, p. 145-165, jul./dez. 2007.

JUNQUEIRA, Rogério D.. Introdução. Homofobia na escola: um problema de todos. In: ______. (Org.). Diversidade sexual na educação. Brasília: MEC, Unesco, 2009a. p. 13-51.

JUNQUEIRA, Rogério D.. Educação e homofobia: o reconhecimento da diversidade sexual para além do multiculturalismo liberal. In: ______. (Org.). Diversidade sexual na educação. Brasília: MEC, Unesco, 2009b. p. 367-444.

JUNQUEIRA, Rogério D.; CHAMUSCA, Maria A.; HENRIQUES, Ricardo. Gênero e diversidade sexual na escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

LOGAN, Colleene. Homophobia? No, homoprejudice. Journal of Homosexuality, Philadelphia, v. 31, n. 3, p. 31-53, 1996.

LOPES, Alice; MACEDO, Elizabeth (Orgs.). Currículo: debates contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LOURO, Guacira L. (Org.). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

LOURO, Guacira L.. Gênero, sexualidade e educação. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2004a.

LOURO, Guacira L.. Um corpo estranho. Belo Horizonte: Autêntica, 2004b.

LOURO, Guacira L.. Heteronormatividade e homofobia. In: JUNQUEIRA, Rogério D. (Org.). Diversidade sexual na educação. Brasília: MEC, Unesco, 2009. p. 85-93.

MORGADE, Graciela; ALONSO, Graciela (Comp.). Cuerpos y sexualidades en la escuela. Buenos Aires: Paidós, 2008.

MORIN, Stephen. Heterosexual bias in psychological research on lesbianism and male homosexuality. American Psychologist, Washington, v. 32, p. 629-637, jan. 1977.

PERES, Wiliam. Cenas de exclusões anunciadas: travestis, transexuais e transgêneros e a escola brasileira. In: JUNQUEIRA, Rogério D. (Org.). Diversidade sexual na educação. Brasília: MEC, Unesco, 2009. p. 235-263.

PLATERO, Raquel/Lucas (Ed.). Intersecciones. Barcelona: Bellaterra, 2012.

RUBIN, Gayle. Pensando sobre sexo: notas para uma teoria radical da política da sexualidade. Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, p. 1-88, 2003.

SEDGWICK, Eve K. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, jan./jun. 2007.

SHARMA, Jaya. Reflexões sobre a linguagem dos direitos de uma perspectiva queer. In: CORNWALL, Andrea; JOLLY, Susie (Org.). Questões de sexualidade. Rio de Janeiro: Abia, 2008. p. 111-120.

SILVA, Tomaz da (Org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.

SILVA, Tomaz da. Documento de identidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

SOUSA FILHO, Alípio. A política do conceito: subversiva ou conservadora? Crítica à essencialização do conceito de orientação sexual. Bagoas, Natal, v. 3, n. 4, p. 59-77, jan./jun. 2009.

WARNER, Michael (Ed.). Fear of a queer planet. Minneapolis: University of Minnesota, 1993.

Downloads

Publicado

2016-05-30

Como Citar

Junqueira, R. D. (2016). "TEMOS UM PROBLEMA EM NOSSA ESCOLA: UM GAROTO AFEMINADO DEMAIS". PEDAGOGIA DO ARMÁRIO E CURRÍCULO EM AÇÃO. Revista Educação E Políticas Em Debate, 4(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/34495

Edição

Seção

Artigos