PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGEM HYPERESPECTRAL DO SENSOR HYPERION

Conteúdo do artigo principal

Elizabeth Maria Feitosa da Rocha de Souza
Raul Sanchez Vicens
Carla Bernadete Madureira Cruz

Resumo

O presente artigo busca contribuir para esclarecer os métodos de processamento digital de imagens hiperespectrais do sensor Hyperion, por meio da análise e indicação de padrões para a correção dessas imagens. Foram realizados procedimentos para minimização dos ruídos stripe, correção atmosférica e ortorretificação de uma cena localizada na região Serrana, do estado do Rio de Janeiro. O procedimento de correção dos ruídos stripes demonstrou um bom resultado pela eliminação das faixas defeituosas nas bandas com problemas, sem perda de informação dos pixels anômalos. Esse procedimento foi realizado utilizando o módulo Hyperion Tools para uso no software ENVI. Os pixels defeituosos foram substituídos pela média indicada nos pixels vizinhos. A análise foi feita por inspeção visual. A correção atmosférica permitiu atribuir a informação de reflectância esperada para as curvas de alvos representativos da vegetação nas amostras selecionadas. Essa etapa foi realizada utilizando o módulo FLAASH do software ENVI e possibilitou minimizar os efeitos da atmosfera na reflectância dos alvos. Dentre os parâmetros avaliados o modelo atmosférico "Mid-Latitude Summer", o modelo de aerossol rural e o algoritmo de espalhamento Modtran - ISAACS apresentaram os melhores resultados após inspeção visual das curvas espectrais. Com relação à ortorretificação há pouca literatura nacional discutindo o processo aplicado às imagens hiperespectrais com uso de Modelos Digitais de Elevação - MDE. O que se observa é a indicação de procedimentos para correção geométrica com uso de pontos de controle apenas. Buscou-se utilizar um MDE para corrigir a imagem hiperespectral considerando os efeitos da topografia durante o processo. Dessa forma foram utilizados MDE's fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e ortofotos para coleta de pontos de controle e pontos de check. O produto final disponibilizado atende a classe C na escala 1:50.000 ou a classe A na escala 1:100.000 segundo o Padrão de Exatidão Cartográfico (PEC) do Mapeamento Topográfico Sistemático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
DE SOUZA, E. M. F. da R.; VICENS, R. S.; CRUZ, C. B. M. PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGEM HYPERESPECTRAL DO SENSOR HYPERION. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 65, n. 5, 2013. DOI: 10.14393/rbcv65n5-43869. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43869. Acesso em: 23 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Elizabeth Maria Feitosa da Rocha de Souza, Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense

Raul Sanchez Vicens, Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense

Carla Bernadete Madureira Cruz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)