Entender para consentir

Uma proposta de tradução intralingual em Termos de Consentimento Informado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-04

Palavras-chave:

Consentimento Informado, Linguagem simples, Tradução intralingual, Linguística de Corpus, Assistência à saúde

Resumo

O Termo de Consentimento Informado (TCI) descreve os procedimentos médicos aos quais os pacientes serão submetidos mediante concordância e assinatura. Pesquisas afirmam que existe um problema crônico de adequação dos TCIs para o leitor médio brasileiro, já que esses textos são compostos de terminologia especializada das áreas médica e jurídica. Baseando-se na Linguística de Corpus, este estudo tem por objetivo investigar os elementos lexicais que dificultam a compreensão dos TCIs. Para tanto, compilamos um corpus de estudo com 282 textos, analisados semiautomaticamente. A partir da comparação com um corpus de referência de textos de divulgação da área médica, levantamos as palavras-chave do corpus de estudo, que foram cotejadas com a lista de palavras do CorPop, composto de textos destinados ao leitor médio brasileiro. Concluímos que os TCIs não são acessíveis para a maior parcela da sociedade. A partir dos textos populares, levantamos propostas de tradução intralingual, adequando termos dos TCIs para uma linguagem mais simples.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rozane Rodrigues Rebechi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora Doutora. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

BERBER SARDINHA, T. Lingüística de Corpus. Barueri: Manole, 2004.

BERWANGER, L. P. Textos de divulgação sobre depressão: uma análise de definições inteligíveis com o aporte da linguística de corpus. 2021. 79 f. Trabalho de conclusão de graduação (Bacharelado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/230603. Acesso em: 23 jun. 2022.

BIREME. Descritores em Ciências da Saúde: DeCS. 2022. ed. rev. e ampl. São Paulo: BIREME / OPAS / OMS, 2017. Disponível em: http://decs.bvsalud.org. Acesso em: 21 ago. 2022.

CABRÉ, M. T. La terminología: representación y comunicación: elementos para una teoría de base comunicativa y otros artículos. Barcelona: Institut Universitari de Lingüística Aplicada, 1999.

CARVALHO, Y. S.; REBECHI, R. R. Inteligibilidade e convencionalidade em textos de divulgação da área médica em português brasileiro. Revista Estudos da Linguagem, v. 29, n. 2, p. 959–998, 2021. DOI: https://doi.org/10.17851/2237-2083.29.2.959-998

CASTRO, C. F. et al. Termo de consentimento livre e esclarecido na assistência à saúde. Revista Bioética [online], v. 28, n. 3, p. 522-530, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422020283416

CORTINA SILVA, A. D. Textos de divulgação para leigos sobre o transtorno do estresse pós-traumático em português: alternativas para a acessibilidade textual e terminológica. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Letras, PPG em Letras, UFRGS, 2018.

DUBAY, W. H. The Principles of Readability. Costa Mesa, CA: Impact Information, 2004.

FERNANDES, N. C. A redação do termo de consentimento livre e esclarecido em linguagem acessível: dificuldades. Rev. Col. Bras. Cir. [online], v. 42, n. 3, p. 197-199, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-69912015003013.

FINATTO, M. J. B. Acessibilidade Textual e Terminológica: um novo tópico de pesquisas em Terminologia no Brasil. In: RAZKY, A.; OLIVEIRA, M. B.; LIMA, A. F.. (org.). Estudos Geossociolinguísticos do Português Brasileiro. Campinas: Pontes Editores, 2020. p. 139-168.

FINATTO, M. J. B.; PONOMARENKO, G. L.; BERWANGER, L. P. Não basta ler, tem que entender: simplificando textos. Revista Roseta – ABRALIN, v. 2, n. 1, 2019. Disponível em: www.roseta.org.br. Acesso: 1 set. 2022.

FINATTO, M. J. B.; TCACENCO, L. M. Tradução intralinguística, estratégias de equivalência e acessibilidade textual e terminológica. Tradterm, v. 37, n. 1, p. 30-63, 2021. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v37p30-63.

FULGÊNCIO, L.; LIBERATO, Y. É possível facilitar a leitura: um guia para escrever claro. São Paulo: Contexto, 2007.

GLOCK, R. S. Utilização e adequação do processo de consentimento informado em pesquisas com idosos. 2002. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) – PUCRS, Porto Alegre, 2002.

GOLDIM, J. R. Consentimento e informação: a importância da qualidade do texto utilizado. Rev. HCPA, Porto Alegre, v. 26, n. 3, p. 117-122, 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/view/99986. Acesso em: 18 ago. 2022.

INAF – AÇÃO EDUCATIVA; INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador de Alfabetismo Funcional (INAF BRASIL 2018): resultados preliminares. São Paulo: Ação Educativa; IPM, 2018. Disponível em: acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2018/08/Inaf2018_Relat%C3%B3rio-Re

sultados-Preliminares_v08Ago2018.pdf. Acesso: 21 Set. 2020.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução [1959]. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. 22. ed. São Paulo: Cultrix, 2010.

KILGARRIFF, A. et al. The Sketch Engine. Proceedings of the 11th EURALEX International Congress, p. 105-116, 2004. Disponível em: http://www.sketchengine.eu. Acesso em: 25 jul. 2022.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

MCENERY, T.; HARDIE, A. Corpus linguistics: method, theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511981395

MIRANDA, V. C. et al. Como consentir sem entender?. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 55, n. 3, p. 328-334, 2009. DOI: dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000300028.

PARAGUASSU, L. B. Professor-tradutor? Como traduzir textos complexos para seus alunos. In: FINATTO, M. J. B.; PARAGUASSU, L. B. (org.). Acessibilidade Textual e Terminológica. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia: EDUFU, 2022. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/35193. Acesso em: 5 set. 2022.

PASQUALINI, B. F. CorPop: um corpus de referência do português popular escrito do Brasil. 2018. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

PONOMARENKO, G. L.; EVERS, A. Leiturabilidade e Ensino: autores-base e seus trabalhos. In: FINATTO, M. J. B.; PARAGUASSU, L. B. (org.). Acessibilidade Textual e Terminológica. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia: EDUFU, 2022. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/35193. Acesso em: 5 set. 2022.

ZETHSEN, K. K. Intralingual translation: an attempt at description. Meta, v. 54, n. 4, p. 795-812, 2009. DOI: https://doi.org/10.7202/038904ar

ZETHSEN, K. K.; HILL-MADSEN, A. Intralingual translation and its place within translation studies. meta: Translators' Journal, v. 61, n. 3, p. 692-708, 2016. DOI: https://doi.org/10.7202/1039225ar

Downloads

Publicado

2023-05-03

Como Citar

PONOMARENKO, G. L.; REBECHI, R. R. Entender para consentir: Uma proposta de tradução intralingual em Termos de Consentimento Informado. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3904 | p. 1–27, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-04. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/68971. Acesso em: 18 maio. 2024.