A territorialização dos movimentos sociais na Região Tocantina no estado do Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT195471654

Palavras-chave:

Geografia, movimentos sociais, Amazônia, Região Tocantina

Resumo

O presente trabalho propõe-se a análise das expressivas dinâmicas de territorialização de movimentos sociais na Região Tocantina, estado do Pará, a partir do enfrentamento de problemáticas ambientais e sociais ocorridas especialmente a partir da construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí (UHT), na década de 1970. O objetivo central está associado à compreensão das motivações que levaram à emergência dos movimentos sociais e suas lutas na região, entender ainda esse histórico de territorialização e resistência. Nossa base teórica passou pela abordagem da temática dos movimentos sociais na Geografia e na discussão sobre a geopolítica que cerceia esta região amazônica. Os procedimentos metodológicos empregados consistiram em levantamento documental e bibliográfico, entrevistas semiestruturadas, análise de imagens de satélite, confecção de mapas, trabalho de campo e análise e sistematização de dados por meio de uma perspectiva dialética e qualitativa. O estudo comprovou a ocorrência de uma mesma e reiterada lógica econômica, logística e geopolítica secular na região, com potencial de desestruturação social e ambiental, contradições do modo de produção que motivaram processos de enfrentamento e resistência em defesa de modos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário Júnior de Carvalho Arnaud, Universidade Federal do Pará

Possui Graduação em Geografia, Licenciatura e Bacharelado. É Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Pará. Doutorado em Geografia, pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG). Atualmente é lotado como Docente da Universidade Federal do Pará (UFPA), no Campus Universitário do Tocantins - Cametá (CUNTINS), na Faculdade de Geografia (FAGEO), da qual foi Diretor. Foi Coordenador Adjunto de Extensão, atuando na Divisão de Arte e cultura do Campus de Cametá (UFPA). Atualmente é Coordenador de Extensão do Campus de Cametá (UFPA). Foi Professor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) de 2010 a 2015, lotado no Instituto de Ciências da Educação (ICED), Programa de Ciências Humanas, no Curso de Geografia, de onde foi coordenador. Foi coordenador do PARFOR/área da Geografia. Atua na área da Geografia Humana, subárea Geografia Agrária e Geografia Regional e Cultural. Pesquisa sobre Movimentos socioterritoriais rurais, territorialidades, Comunidades tradicionais, Populações e dinâmicas socioterritoriais ribeirinhas, movimentos socioambientais. Pesquisa e realiza atividade extensionista em: culturas e heranças afro-brasileiras em áreas quilombolas do Baixo Tocantins e Marajó, história da música regional, aparelhagens sonoras em áreas ribeirinhas, festas religiosas e cultura. É coordenador do GEAT - Grupo de estudo e pesquisa sobre Geografia Agrária e território na Amazônia, da FAGEO/Cametá. Coordenador do Projeto de Extensão: CULTURAS TERRITORIALIZADAS NO BAIXO TOCANTINS e MARAJÓ. Coordena o PIBID de Geografia Campus de Cametá da UFPA.

Fabiano de Oliveira Bringel, Universidade do Estado do Pará

Possui graduação em Geografia, licenciatura e bacharelado pela Universidade Federal do Pará (2001). Fez mestrado em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável pela UFPA/Embrapa (2006). Doutor em Geografia pela UFPE (2015) na área de concentração Regionalização e Análise Regional. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agraria e Agricultura Familiar Camponesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Amazônia, campesinato, assentamentos rurais, questão agrária e conflitos territoriais. É professor do Curso de Geografia da UEPA. Pesquisador ligado ao ITHA - Instituto de Teoria e História do Anarquismo e a Rede de Pesquisadores em Geografia (Socio)Ambiental RP-G(S)A. Coordena o Grupo de Pesquisa Territorialização Camponesa na Amazônia - GPTECA/UEPA e o Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Espaço e Campesinato - LEPEC/UFPE. Integra o GT Pensamento Crítico em Geografia da CLACSO - Conselho Latino Americano de Ciências Sociais. Atua também como docente da pós graduação lato sensu em ensino de geografia da amazônia e no programa de pós graduação em geografia - PPGG da Universidade do Estado do Pará. Atual coordenador do PPGG/UEPA.

Downloads

Publicado

12-04-2024

Como Citar

MARQUES, W. de S.; ARNAUD, M. J. de C.; BRINGEL, F. de O. A territorialização dos movimentos sociais na Região Tocantina no estado do Pará. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 19, n. 54, p. 19–38, 2024. DOI: 10.14393/RCT195471654. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/71654. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos