‘Land Grabbing’ e ‘Green Grabbing’

uma leitura da ‘corrida na produção acadêmica’ sobre a apropriação global de terras

Autores

  • Sérgio Sauer UnB
  • Saturnino (Jun) Borras Jr International Institute of Social Science

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT112301

Resumo

A partir de 2008, houve uma extensa produção e publicação de artigos acadêmicos, basicamente em inglês, sobre um fenômeno denominado corrida mundial por terras ou land grabbing (apropriação de terras). Depois de cinco ou seis anos, essa produção se mantém, mas com construções teórico-empíricas mais elaboradas - inclusive com a reformulação de conceitos e criação de outros como green grabbing (apropriação verde) e water grabbing (apropriação da água) -, especialmente porque as primeiras reflexões eram excessivamente centradas em dados quantitativos e escala (quantidade de hectares transacionados), em grandes investimentos estrangeiros em terras agrícolas e voltados para estudos de casos sobre a compra de terras no Continente Africano. O objetivo deste artigo é retomar os termos do debate, relendo argumentos e discutindo formulações teóricas (inclusive o próprio conceito de land grabbing), procurando construir diálogos teóricos e agendas de pesquisas acadêmicas no Brasil, pois o mesmo - além ser um país com históricos problemas agrários como a concentração da terra - é marcado por investimentos externos, mas também incentiva a apropriação privada de terras em outros lugares e países, o que resulta na expansão das fronteiras agrícolas e gera conflitos e disputas territoriais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-09-2016

Como Citar

SAUER, S.; BORRAS JR, S. (Jun). ‘Land Grabbing’ e ‘Green Grabbing’: uma leitura da ‘corrida na produção acadêmica’ sobre a apropriação global de terras. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 11, n. 23 Jul., 2016. DOI: 10.14393/RCT112301. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/35799. Acesso em: 16 jul. 2024.