Os contornos da resistência

agricultura camponesa familiar no limite da expansão do monocultivo de eucalipto no território rural do Bolsão/MS

Autores

  • Mariele de Oliveira Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Rosemeire Aparecida de Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT122608

Resumo

A atual mobilidade do agronegócio do eucalipto tem ocasionado profundas transformações territoriais e ambientais no Território Rural do Bolsão/MS, em especial nas áreas de reforma agrária circunvizinhas às empresas Fibria e Eldorado Brasil. Nessa perspectiva, objetivamos com esta pesquisa: aprender as relações de reprodução camponesa frente a expansão do complexo de Eucalipto/Celulose/Papel, junto às famílias assentadas em dois municípios do Território Rural do Bolsão/MS, a saber: Três Lagoas e Selvíria. Como metodologia de análise: revisão bibliográfica; ao uso de fontes orais; aplicação de entrevistas aleatórias. Não há dúvidas que a implantação das empresas de celulose e papel, materializada nos municípios de Três Lagoas e Selvíria/MS, por meio da expansão da agricultura empresarial, tem provocado nova reorganização do território, e exigindo novas articulações da agricultura camponesa familiar para permanecer na terra. Dentre as novas articulações camponesas que destacam-se no Território Rural do Bolsão/MS, especialmente no que diz respeito a comercialização da produção, podemos citar a participação de grande parte dos camponeses assentados nas feiras locais e nos mercados institucionais PAA e PNAE. Fatores, que mesmo ante á política de Governo altamente comprometida com a expansão do Complexo Eucalipto/Celulose/Papel, tem permitido a recriação camponesa nesse Território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariele de Oliveira Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ UFMS/Campus de Três Lagoas. Mestra em Geografia pela mesma instituição na linha de Pesquisa: Dinâmicas Territoriais na Cidade e no Campo. Membro do GETT -  Grupo de Estudos Terra-Território. Extencionista do Projeto "A práxis da função social acadêmica pela educação no/do campo", "Formação socioambiental de jovens no meio rural: Assentamento São Joaquim - Selvíria (MS)". Atua como 1° Secretária da Associação de Geógrafos Brasileiros/AGB, Seção Local Três Lagoas (Gestão 2012-2014). Participa da Rede Pro-Centro-Oeste integrando a equipe do projeto de pesquisa, intitulado: ?Questão Agrária e Transformações Socioterritoriais nas microrregiões do Alto Pantanal e Tangará da Serra/MT na última década censitária" (apoio do MCT/CNPq e do FNDCT), atua como colaborado da pesquisa "Rede urbana, rede geográfica e localidades centrais: perspectivas em Dourados - MS". Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agrária, atuando nos seguintes temas: dinâmicas territoriais do agronegócio da celulose, reforma agrária e resistência camponesa, soberania alimentar.

Downloads

Publicado

08-06-2018

Como Citar

SILVA, M. de O.; ALMEIDA, R. A. de. Os contornos da resistência: agricultura camponesa familiar no limite da expansão do monocultivo de eucalipto no território rural do Bolsão/MS. Revista Campo-Território, Uberlândia-MG, v. 12, n. 26 Abr., 2018. DOI: 10.14393/RCT122608. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/33052. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos