A Teoria do Design Inteligente: uma análise sob a ótica da Teoria da Ação Comunicativa e implicações para a Educação Científica

Autores

  • Hernani Luiz Azevedo Universidade Federal de Mato Grosso
  • Lizete Maria Orquiza de Carvalho Programa de Pós-graduação da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v37n81a2023-67472

Palavras-chave:

Teoria do Design Inteligente, Teoria da Ação Comunicativa, Educação Científica, Natureza da Ciência, Naturalismo Metodológico

Resumo

Resumo: Neste artigo desenvolvemos uma análise teórica sobre a Teoria do Design Inteligente e as polêmicas a ela associadas. Para tanto, tomamos por base princípios da Teoria da Ação Comunicativa de Jürgen Habermas. Realizamos uma distinção entre a teoria e o movimento do Design Inteligente, discorrendo sobre algumas das recorrentes críticas das quais estes têm sido alvos. Como conclusões, identificamos a importância de argumentações não serem de antemão excluídas das discussões científicas apenas por terem origem em ideias religiosas. Também apontamos que, embora muitas ações do movimento do Design Inteligente possam alinhar-se com uma racionalidade sistêmica, argumentos presentes na teoria do Design Inteligente poderiam contribuir (dentro de discussões sobre a Natureza da Ciência guiadas por uma racionalidade comunicativa) para problematizar a adoção do naturalismo metodológico, tendo em vista ser a referida teoria incompatível com um naturalismo metodológico irrestrito, mas compatível com um naturalismo metodológico mitigado. Ao final, tratamos da polêmica acerca das tentativas de inserção desta teoria em aulas de ciências.

Palavras-Chave: Teoria do Design Inteligente; Teoria da Ação Comunicativa; Educação Científica; Natureza da Ciência; Naturalismo Metodológico

The Theory of Intelligent Design: an analysis from the perspective of the Theory of Communicative Action and implications for Science Education

Abstract: In this article we develop a theoretical analysis on the Theory of Intelligent Design and the controversies associated with it. We take as basis the principles of Jürgen Habermas Theory of Communicative Action. We made a distinction between the theory and movement of Intelligent Design, talking about some of the recurring criticisms of which they have been the target. As conclusions, we identified the importance of arguments do not being exclude in advance from scientific discussions just because they originated in religious ideas. We also point out that many actions of the Intelligent Design movement can be align with a systemic rationality. But arguments present in the Intelligent Design theory could contribute (within discussions about the Nature of Science guided by a communicative rationality) to problematize the adoption of methodological naturalism, in view of the fact that the theory is incompatible with an unrestricted methodological naturalism, but compatible with a mitigated methodological naturalism. In the end, we deal with the controversy about the attempts to insert this theory in science classes.

Key words: Theory of Intelligent Design; Theory of Communicative Action; Science Education; Nature of Science; Methodological Naturalism

La Teoría del Diseño Inteligente: un análisis desde la perspectiva de la Teoría de la Acción Comunicativa e implicaciones para la Educación en Ciencias 

Resumen: En este artículo desarrollamos un análisis teórico de la Teoría del Diseño Inteligente y las polémicas asociadas a ella. Para ello, nos basamos en los principios de la Teoría de la Acción Comunicativa de Jürgen Habermas. Hacemos una distinción entre la teoría y el movimiento del Diseño Inteligente, discutiendo algunas de las críticas recurrentes de las que han sido blanco. Como conclusiones, identificamos la importancia de que los argumentos no sean excluidos de antemano de las discusiones científicas solo porque se originan en ideas religiosas. También señalamos que, si bien muchas acciones del movimiento del Diseño Inteligente pueden alinearse con una racionalidad sistémica, los argumentos presentes en la teoría del Diseño Inteligente podrían contribuir (dentro de las discusiones sobre la Naturaleza de la Ciencia guiada por una racionalidad comunicativa) para problematizar la adopción del naturalismo metodológico, en vista de que la referida teoría es incompatible con un naturalismo metodológico irrestricto, pero compatible con un naturalismo metodológico mitigado. Al final, tratamos la controversia sobre los intentos de insertar esta teoría en las clases de ciencias. 

Palabras-clave: Teoría del Diseño Inteligente; Teoría de la Acción Comunicativa; Educación Científica; Naturaleza de la Ciencia; Naturalismo Metodológico

Data de registro: 09/11/2022

Data de aceite: 17/05/2023

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hernani Luiz Azevedo, Universidade Federal de Mato Grosso

DDoutor em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Professor Adjunto em Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). E-mail: hernaniazevedo@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/6649540914748537. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6065-7053

Lizete Maria Orquiza de Carvalho, Programa de Pós-graduação da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC)

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora Adjunta pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). E-mail: lemaorc@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/2571977671030681. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8866-3751.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALMEIDA, Ronnie Jorge Tavares. Religião, ciência, darwinismo e materialismo na Bahia imperial: Domingos Guedes Cabral e a recusa da tese inaugural “Funcções do Cerebro” (1875). 2005. 190f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2005.

ALTERS, Brian J. Whose nature of science? Journal of Research in Science Teaching, 34, p. 39-55, 1997. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-2736(199701)34:1<39::AID-TEA4>3.0.CO;2-P.

ALVES, Everton Fernando. Teoria do Design Inteligente: evidências científicas no campo das ciências biológicas e da Saúde. Maringá: Editora Numar, 2017.

AMERICAN ASSOCIATION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE. AAAS Board Resolution on Intelligent Design Theory. 2002. Disponível em: https://www.aaas.org/news/aaas-board-resolution-intelligent-design-theory. Acesso em: 1 set. 2022.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. APA Council of Representatives Resolution Rejecting Intelligent Design as Scientific and Reaffirming Support for Evolutionary Theory. 2007. Disponível em: https://www.apa.org/about/policy/intelligent-design.aspx. Acesso em: 1 set. 2022.

AMERICAN SOCIETY FOR BIOCHEMISTRY AND MOLECULAR BIOLOGY. ASBMB President Writes to President Bush on "Intelligent Design". 2005. Disponível em: https://web.archive.org/web/20080605054239/http://www.asbmb.org/ASBMB/site.nsf/web/D4AFF85E256FB0FB85257053006BDB10. Acesso em: 1 set. 2022.

AXE, Douglas. Estimating the Prevalence of Protein Sequences Adopting Functional Enzyme Folds. Journal of Molecular Biology, v. 341, n. 5, p. 1295-1315, 2004. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jmb.2004.06.058. PMid:15321723

AZEVEDO, Hernani Luiz; CARVALHO, Lizete Maria Orquiza. A Teoria do Design Inteligente nas teses e dissertações nacionais de Ensino de Ciências. In: AZEVEDO, Elisabeth Quirino et al. (Orgs.). Ciências da Natureza e Matemática: relatos de ensino, pesquisa e extensão, v. 2. Cuiabá: MT Ciência, 2020. p. 224-233

AZEVEDO, Nathália Helena; SCARPA, Daniela Lopes. Revisão Sistemática de Trabalhos sobre Concepções de Natureza da Ciência no Ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências, v. 17, n. 2, p. 579–619, 2017. DOI: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172579.

BAGDONAS, Alexandre. Discutindo a natureza da ciência a partir de episódios da história da cosmologia. 2011. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

BARBOUR, Ian Graeme. Quando a ciência encontra a religião. São Paulo: Cutrix, 2004.

BEHE, Michael Joseph. Darwin's black box: the biochemical challenge to evolution. New York: Free Press, 1996.

BIZZO, Nelio Marco Vincenzo. Ensino de evolução e história do darwinismo. 1991. Tese de doutorado (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

BORTOLETTO, Adriana Pacheco de Carvalho. Formação continuada de professores: a experiência de uma temática sociocientífica na perspectiva do Agir Comunicativo. 2013. 237f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência). Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2013.

CHALMERS, Alan Francis. O que é ciência, afinal? São Paulo: Editora brasiliense, 1993.

CHAPANI, Daisi Teresinha. Políticas públicas e história de formação de professores de Ciências: uma análise a partir da teoria social de Habermas. 2010. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência). Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2010.

COMMITTEE ON CULTURE, SCIENCE AND EDUCATION. The dangers of creationism in education, 2007. Comitê para Cultura, Ciência e Educação. Disponível em: http://assembly.coe.int/nw/xml/XRef/X2H-Xref-ViewHTML.asp?FileID=11751. Acesso em: 5 jun. 2022.

COBERN, William W. Worldview theory and conceptual change in science education. Science Education, 80 (5), p. 579-610, 1996. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(199609)80:5<579::AID-SCE5>3.0.CO;2-8.

DAWKINS, Richard. O Relojoeiro Cego: a teoria da evolução contra o desígnio divino. São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

DEMBSKI, William Albert. The Design Inference: eliminating chance through small probabilities. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511570643. PMid:9540427

DEMBSKI, William Albert. Intelligent Design: the bridge between science and theology. Downers Grove: InterVasity Press, 1999.

DEMBSKI, William Albert. The Design Revolution. Downers Grove: Intervarsity, 2004.

DEMBSKI, William Albert.; WITT, Jonathan. Design Inteligente sem censura: um guia claro e prático para o debate. São Paulo: Cultura Cristã, 2012.

DENTON, Michael. Evolution: a theory in crisis. Bethesda: Adler & Adler, 1986.

DISCOVERY INSTITUTE. Frequently Asked question, 2022. Disponível em: https://www.discovery.org/id/faqs/. Acesso em: 5 set 2022.

DISCOVERY INSTITUTE. The Wedge Strategy, 1998. Disponível em: http://www.antievolution.org/features/wedge.pdf. Acesso em: 7 jan. 2022.

DORVILLÉ, Luís Fernando Marques. Religião, escola e ciência: conflitos e tensões nas visões de mundo de alunos de uma licenciatura em ciências biológicas. 2010. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

EBERLIN, Marcos Nogueira. Fomos planejados: a maior descoberta científica de todos os tempos. São Paulo: Editora Mackenzie, 2019.

EL-HANI, Charbel Niño; MORTIMER, Eduardo Fleury. Multicultural education, pragmatism, and the goals of science teaching. Cultural Studies of Science Education, 2 (3): p. 657-687, 2007. https://doi.org/10.1007/s11422-007-9064-y

FERM, Vergilius. Varieties of Naturalism. In: FERM, V. A history of philosophical systems. Londres: Rider and Company, 1950.

FERREIRA, Nilson Cândido. Simulacros da criação: aspectos da polêmica evolucionismo versus criacionismo. 2002. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

FISHMAN, Yonatan I. Can science test supernatural worldviews? Science & Education, 18(6), p. 813-837, 2009. DOI: https://doi.org/10.1007/s11191-007-9108-4.

FISHMAN, Yonatan I.; BOUDRY, Maarten. Does Science Presuppose Naturalism (or Anything at All)? Science & Education, vol. 22, p. 921–949, 2013. DOI: https://doi.org/10.1007/s11191-012-9574-1.

FORREST, Barbara. The wedge at work: how Intelligent Design creationism is wedging its way into the cultural and academic. In: PENNOCK, Robert. (Org.). Intelligent Design creationism and its critics: philosophical, theological, and scientific perspectives, (p. 5-53). Massachusetts: MIT Press, 2001.

FORREST, Barbara; GROSS, Paul R. Creationism's trojan horse: the wedge of intelligent design. Oxford: Oxford University Press, 2007.

GOULD, Stephen Jay. Pilares do tempo: ciência e religião na plenitude da vida. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

GROTO, Sílvia Regina. O debate Evolução versus Design Inteligente e o ensino da evolução biológica: contribuições da epistemologia de Ludwik Fleck. 2016. Tese de doutorado (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

HABERMAS, Jürgen. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa: complementos y estudios prévios. Madri: Ed. Cátedra, 1997.

HABERMAS, Jürgen. Racionalidade e comunicação. Lisboa: Edições 70, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70, 2007(a).

HABERMAS, Jürgen. Entre naturalismo e religião. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007(b).

HABERMAS, Jürgen. Teoria do Agir Comunicativo: Racionalidade da ação e racionalização social. Vol. 1. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

LACEY, Hugh Matthew. On relations between science and religion. Science and Education, 5(2), p. 143-153, 1996. DOI: https://doi.org/10.1007/BF00428614.

LAKATOS, Imre. O falseamento e a metodologia dos programas de pesquisa. In: LAKATOS, Irme.; MUSGRAVE, Alan. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Editora Cultrix, 1979. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2447-9799.cienciaefilosofi.1980.107354.

LONGHI, Armindo José. A ação educativa na perspectiva da teoria do agir comunicativo de Jurgen Habermas: uma abordagem reflexiva. 2005. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

LOURENÇO, Adalto. Como tudo começou. São José dos Campos: Editora Fiel, 2007.

MACHADO, Márcio Fraiberg. (Im)possibilidade de narrar Deus numa sociedade pós-metafísica: plausibilidade de um discurso alternativo a origem da vida. 2013. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MAHNER, Martin; BUNGE, Mario. Is religious education compatible with science education? Science & Education, v.5, n. 2, 1996. DOI: https://doi.org/10.1007/BF00428612.

MARTINS, Roberto de Andrade. O que é ciência, do ponto de vista da epistemologia? Caderno de Metodologia e Técnica de Pesquisa, (9), p. 5-20, 1999.

MATTHEWS, Michael Robert. Science Teaching: the role of History and Philosophy of Science. New York: Routledge, 1994. DOI: https://doi.org/10.1002/tea.3660310406.

MEDEIROS, José Washington de Morais. A racionalidade comunicativa como ágora de processos educativos emancipatórios. 2008. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

MEYER, Stephen C. Signature in the cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design. Sydney: HarperCollins Publishers, 2009.

MILLER, Kenneth Raymond. Finding Darwin's God: a scientist's search for common ground between God and evolution. New York: HarperCollins Publishers, 1999.

MOURA, Breno Arsioli. O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, 7(1), p. 32-46, 2014. DOI: https://doi.org/10.53727/rbhc.v7i1.237.

MÜHL, Eldon Henrique. Habermas e a educação: ação pedagógica como agir comunicativo. Passo Fundo: EdiUPF, 2003.

PESSOA JR., Osvaldo. O dogmatismo científico de tradição materialista. In: C. C. Silva (org.) Estudos de História e Filosofia das Ciências: Subsídios para a aplicação no Ensino, (pp. 41-57). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2006.

PETERS, Mike. Comics and cartoons about classrooms. Mike Peters' Editorial Cartoons, 2005. Disponível em: https://www.cartoonistgroup.com/store/add.php?iid=10680. Acesso em: 1 set 2022.

PETERS, Carlos Eduardo Marotta. A cadeira de rodas de Stephen Hawking: religião, representação do outro e da ciência em escolas públicas de Penápolis na virada do século XX para o XXI (1990-2008). 2010. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual Paulista, Assis, 2010.

POPPER, Karl Raimund. O realismo e o objectivo da ciência. Lisboa: D. Quixote, 1987.

BRASIL. Projeto de lei n° 8099 de 13 de novembro de 2014. Ficam inseridos na grade curricular das Redes Pública e Privada de Ensino, conteúdos sobre Criacionismo. Brasília: DF. Câmara Deputados, 2014. Disponível: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=777616. Acesso em: 1 set. 2022.

REES, Martin. Just six numbers: The deep forces that shape the universe. New York: Basic books, 2000. DOI: https://doi.org/10.1063/1.1341923.

SANTOS, Frederik Moreira; EL-HANI, Charbel Niño. Criacionismos, naturalismos e a prática da ciência. Filosofia e História da Biologia, 8(2), p. 223-252, 2013.

SEPULVEDA, Cláudia; El-Hani, Charbel Niño. Quando visões de mundo se encontram: religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma licenciatura em ciências biológicas. Investigações em Ensino de Ciências, 9(2), p. 137-175, 2004.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE GENÉTICA. Ciência e Criacionismo. 2012. Disponível em: https://www.sbg.org.br/pt-br/noticias/ciencia-e-criacionismo. Acesso em: 1 set. 2022.

SOCIEDADE BRASILEIRA DO DESIGN INTELIGENTE. O que é a TDI? 2022. Disponível em: http://www.tdibrasil.com/conheca.php. Acesso em: 1 set. 2022.

SOUZA, Sandro José de. A goleada de Darwin: sobre o debate criacionismo/darwinismo. Rio de Janeiro: Record, 2009.

TRIBUNAL DISTRITAL DA PENSILVÂNIA. Decisão final do julgamento Kitzmiller vs. Dover Area Scholl District, 400 f. Supp. 2d 707, Pensilvânia, EUA, 2005. Disponível em: https://law.justia.com/cases/federal/district-courts/FSupp2/400/707/2414073/. Acesso em: 1 set. 2022.

TUFFANI, Mauricio. Design Inteligente rejeita criacionismo em aulas de ciência. Folha de São Paulo, 16 nov. 2014. Disponível em: https://mauriciotuffani.blogfolha.uol.com.br/2014/11/16/design-inteligente-rejeita-criacionismo-em-aulas-de-ciencia/. Acesso em: 1 set 2022.

VERA, Andres. Deus fora da Unicamp. Revista Istoé, 25 de outubro de 2013. Disponível em: https://istoe.com.br/331557_DEUS+FORA+DA+UNICAMP/. Acesso em: 1 set. 2022.

Downloads

Publicado

2024-02-09

Como Citar

AZEVEDO, H. L.; ORQUIZA DE CARVALHO, L. M. A Teoria do Design Inteligente: uma análise sob a ótica da Teoria da Ação Comunicativa e implicações para a Educação Científica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 37, n. 81, p. 1303–1348, 2024. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v37n81a2023-67472. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/67472. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos