Formação de estudantes surdos para a docência nas séries iniciais da Educação Básica: o que dizem os professores universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v13n2a2024-68671

Palavras-chave:

Educação, Surdos, Flexibilização curricular, Inclusão, Formação inicial de professores

Resumo

Este artigo analisou os discursos de professores a respeito da formação inicial e qualificação de universitários surdos para o exercício da docência, nas séries iniciais da Educação Básica. Participaram da pesquisa docentes do curso de Pedagogia de uma faculdade privada. Em investigação de cunho metodológico qualitativo, os dados foram produzidos com o uso de questionário e um roteiro semiestruturado de entrevista. À luz dos estudos dos núcleos de significação, os resultados evidenciaram ausência de práticas pedagógicas sobre a flexibilização do currículo para a formação de universitários surdos, no curso em questão. Ao serem indagados se os universitários surdos poderiam assumir uma sala de aula comum, ao fim da formação, notaram-se atitudes capacitistas a respeito de que o intérprete poderia ser requisito à escolarização das crianças não surdas. Portanto, subverter a materialidade da lógica, nesse caso, foi considerado um caminho promissor para compreender que essa condição não se restringe a determinados corpos, sujeitos e/ou grupos, mas se estende sobretudo a todos os que desejarem atuar nas séries iniciais da Educação Básica, em uma perspectiva inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vanessa Aparecida Palermo Campos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Brasil

Mestre em Educação. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” UNESP, Marília, São Paulo, Brasil.

Sandra Eli Sartoreto de Oliveira Martins, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Brasil

Doutora em Educação. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” UNESP, Marília, São Paulo, Brasil.

Referências

AGAPITO, F. M. Formação de professores surdos que atuam no munícipio de Imperatriz-MA. 2015. 150 f. Orientadora: Dr.ª Andréia A. Guimarães Strohschoen. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Centro Universitário UNIVATES, Lajeado, 2015.

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Apreensão dos sentidos: aprimorando a propostas dos núcleos de significação. R. bras. Est. Pedag, Brasília, v. 94, n. 236, p. 299-322, jan./abr., 2013.

BAKHTIN, M. M. (Volochinov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. de M. Lahud e Y. F. Vieira. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRASIL. Lei nº 10436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -Libras. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/documentos/Lei_n__10_436__de_24_de_abril_de_2002_15226896225947_7091.pdf. Acesso em: 14 nov. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais-Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. 2005a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 14 nov. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 09 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 2012.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 07 jul. 2015, Seção 1.

COSTA, M. A. C. da. Relação pedagógica professor, intérprete de língua brasileira de sinais e o aluno surdo do curso de Pedagogia da UERN. Orientadora: Dr.ª Ana Lúcia Oliveira Aguiar. 2014. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2014.

FALCÃO, L. A. B. Educação de Surdos: ensaios pedagógicos. Recife: Ed. do Autor, 2012.

FREIRE, P. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

GIROTO, C. R. M. M.; PINHO, G. G.; MARTINS, S. E. S. de O. A disciplina de Libras na pedagogia: em análise a formação do formador. In: POKER, R. B.; MARTINS, S. E. S. de O.; GIROTO, C. R. M. (org.). Educação Inclusiva: em foco a formação de professores. Marília: Cultura Acadêmica, 2016.

GÓES, M. C. R. de. Linguagem, surdez e educação. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

GOMES, V. da S. Docente surdo: o discurso sobre sua prática. 2015. 144 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

MACHADO, L. M. da C. V. (Per)cursos na Formação de Professores de Surdos Capixabas: a constituição da educação bilíngue no estado do Espírito Santo. Orientadora: Dr.ª Sonia Lopes Victor. 2012. 219 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 2012.

MARTINS, E. Cultura surda, educação e novas tecnologias em Santa Catarina. 2005. 204 f Dissertação (Mestrado em...) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PAIVA, G. X. dos S. Português para surdos: uma via de mão dupla. Orientador: Dr. Agostinho Potenciano de Souza. 2014. 108 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Goiás, 2014.

PERLIN, G. Identidades Surdas. In: SKLIAR, C. B. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 51-73.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999. p. 15-34.

REIS, F. Professor surdo: a política e a poética da transgressão pedagógica. 2006. 120f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SÁ, N. R. L. de. Cultura, poder e educação de surdos. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2010.

SANTOS, B. de. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SKLIAR, C. B. A localização política da educação bilíngue para surdos. In: SKLIAR, C. B. Atualidade da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999. p. 7-14.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 5. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2006.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre as necessidades educativas especiais. Brasília, CORDE, 1994. Disponível em: http://portal.mec. gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2024-07-09

Como Citar

CAMPOS, V. A. P.; MARTINS, S. E. S. de O. Formação de estudantes surdos para a docência nas séries iniciais da Educação Básica: o que dizem os professores universitários. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 1–15, 2024. DOI: 10.14393/REPOD-v13n2a2024-68671. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/68671. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

DEMANDA CONTÍNUA