O outro lado do currículo oculto: educação como forma de dominação política no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n3a2023-68117

Palavras-chave:

Discurso do Governo Bolsonaro, BNCC, Pedagogia Tecnicista

Resumo

Essa pesquisa, de caráter bibliográfico, apresenta uma análise do currículo escolar e da nova BNCC, no discurso do Governo Bolsonaro, evidenciando pontos que se relacionam com a pedagogia Tecnicista. À luz de autores como Giroux, Apple e Freire, discutimos que se faz necessário que os professores ajam, por meio do currículo oculto, como intelectuais transformadores, desenvolvendo a pedagogia radical, a fim de desnudar os mecanismos de controles subsistentes tanto no discurso do Governo Bolsonaro, quanto na nova BNCC, de que as escolas técnicas seriam mais apropriadas para os jovens oriundos das classes operárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Hugo Barbosa de Paulo, Universidade Estadual de Montes Claros - Brasil

Mestrando em Educação pelo PPGE/Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, Minas Gerais, Brasil.

André Mendes Lafetá, Faculdade de Saúde Ibituruna - Brasil

Especialização em Psicooncologia pela Faculdade de Iguaçu. Psicólogo na Prefeitura Municipal de Coração de Jesus-MG. Coração de Jesus, Minas Gerais, Brasil.

Zilmar Santos Cardoso, Universidade Estadual de Montes Claros - Brasil

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-graduação - Mestrado em Educação da Unimontes. Montes Claros, Minas Gerais, Brasil.

Referências

APPLE, M. W. Educação e poder. Porto: Porto Editora, 2001.

APPLE, M. W. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez. 2003.

ARAÚJO, V. P. C. O conceito de currículo oculto e a formação docente. Revista de Estudos Aplicados em Educação, v. 3, n. 6, jul./dez. 2018. Disponível em: https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_estudos_aplicados/article/view/5341. Acesso em: 22 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.13037/rea-e.vol3n6.5341.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad: Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de Dezembro de 1988. Brasília, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2018-pdf/85121-bncc-ensino-medio/file. Acesso em: 04 dez. 2022.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF: Presidência da República. 2017. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 04 dez. 2022.

CÂNDIDO, R. Governo Bolsonaro: Ensino Técnico para os Pobres e Ensino Superior para a Elite. Agencia Mbrasil. 2019. Disponível em: http://agenciambrasil.com.br/2019/02/governo-bolsonaro-ensino-tecnico-para-os-pobres-e-ensino-superior-para-a-elite. Acesso em: 03 dez. 2022.

DUARTE JUNIOR, J. F. Fundamento estético da educação. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1986.

FILIPE, F. A.; SILVA, D. dos S.; COSTA, Á. de C. Uma Base Comum na Escola: análise do projeto educativo da Base Nacional Comum Curricular. Ensaio: aval. pol. públ. educ. Rio de Janeiro. v. 29, n. 112, p. 783-803. 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/PbZbjrWHzzQ3Yt4LBFzK6NF/?lang=pt. Acesso em: 22 dez. 2022 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40362021002902296.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1967.

GATTI, B. A. Formação de Professores, Diversidade e Trabalho Docente. Revista Diálogo Educacional. Curitiba. v. 17, n. 53, p. 721-737. 2017. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/8429. Acesso em: 22 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.053.AO01.

GUIRRADO, M. Entre discurso e ato, há muito mais do que se imagina. Psicologia USP, v. 30, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pusp/a/nrBNjsLhmnGY9fCDGFXMmqb/?lang=pt. Acesso em: 13 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-6564e190027.

G1 Minas. Ministro da Educação defende ensino superior privado em abertura de congresso do setor em BH. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/06/06/ministro-da-educacao-defende-ensino-superior-privado-em-abertura-de-congresso-do-setor-em-bh.ghtml. Acesso em: 02 dez. 2022.

G1 Minas. Ministro da Educação defende que universidade seja 'para poucos'.2021. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2021/08/10/ministro-da-educacao-defende-que-universidade-seja-para-poucos.ghtml. Acesso em: 04 dez. 2022.

GIROUX, H. A. Teoria Crítica e resistência em Educação. Petrópolis: Vozes. 1986.

GIROUX, H. A. Os Professores como Intelectuais: Rumo a uma Pedagogia Crítica da Aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas. 1997.

MARQUES, A. A Pedagogia Tecnicista: Um Breve Panorama. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia do Campus de Jataí-UFG. v.1, n. 12, p. 1-10. 2012. Disponível em: https://revistas.ufg.br/rir/article/view/20378. Acesso em: 22 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.5216/rir.v1i12.1313.

MALANCHEN, J.; DUARTE, R. de C.. Políticas Públicas para Formação de Professores no Brasil: formação ou conformação ao ideário do capital?. Momento: Diálogos em Educação. v.27, p. 15-34. 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8068. Acesso em: 22 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.8068.

MALANCHEN, J.; SANTOS, S. A. dos. Políticas e Reformas Curriculares no Brasil: Perspectiva do Currículo a partir da Pedagogia Histórico-Críticas Versus a Base Nacional Curricular Comum e a Pedagogia das Competências. Revista Histerdbr On-Line. v. 20. 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656967. Acesso em: 22 dez. 2022. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656967.

MALANCHEN, J. Currículo Escolar e Pedagogia Histórico-Crítica: Formação Emancipadora e Resistência ao Capital. Colóquio Humanarum. v. 18, p. 123-132. 2021. Disponível em: https://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/4115. Acesso em: 23 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.5747/ch.2021.v18.h514.

MOREIRA, A.F. (Org.). Currículo: questões atuais. 10 ed. Campinas: Papirus.2004.

MOURA, R. D.; OLIVEIRA, M. D. de. Tendência Pedagógica Tecnicista e sua Relação com o Currículo do Novo Ensino Médio Regular. In: 4o CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2020. Maceió. Anais do CONEDU: Educação como (re)Existência: Mudanças, conscientização e conhecimento. Centro Cultura de Exposições Ruth Cardoso. 2020. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/69590. Acesso em: 04 jan. 2023.

PACHECO, E. F. H. Aspectos Históricos das teorias do Currículo. In: 8o CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO. 2017. Paraná. Anais do EDUCERE: Formação de Professores; contextos, sentidos e práticas. PUC. 2017. p. 2795-2808. Disponível em: https://docplayer.com.br/83783996-Aspectos-historicos-das-teorias-do-curriculo.html. Acesso em: 04 jan. 2023.

REZERA, D. do N.; D’ ALEXANDRE, R. G. D. Os desafios da educação: intolerância e inconstitucionalidade do manifesto à nação (FPE) do programa de governo de Jair Bolsonaro. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Vol. 5. 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/44854/30399. Acesso em: 23 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.44854.

SACRISTAN, J. G. O Currículo: Uma Reflexão sobre a Prática. 3 ed. Porto Alegre: Artmed. 2000.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 42. ed., Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SILVA, A. V. M. da. Neotecnicismo: A Retomada do Tecnicismo em Novas Bases. Revista Ensino Educação Ciências Humanas. Londrina. v. 19, n.1, p. 10-16, 2018. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/ensino/article/view/3720. Acesso em: 23 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.17921/2447-8733.2018v19n1p10-16.

SILVA, M. R. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2 ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2005.

SILVESTRE, A.L; ÁVILA, G. F; SANTOS, F.O; PEREIRA, C.C.Q. Cortes orçamentários na educação: uma ameaça à expansão e consolidação da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Revista Educação e Políticas em Debate. v. 11, n. 2. p. 669-687. 2022. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/64816. Acesso em: 25 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-64816.

Downloads

Publicado

2023-07-12

Como Citar

PAULO, H. B. de; LAFETÁ, A. M.; CARDOSO, Z. S. O outro lado do currículo oculto: educação como forma de dominação política no Brasil . Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1338–1354, 2023. DOI: 10.14393/REPOD-v12n3a2023-68117. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/68117. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

DEMANDA CONTÍNUA