Práticas Socioculturais em Linguagens Matemáticas no Programa Escola da Terra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n1a2023-67494

Palavras-chave:

Escola da Terra, Educação do Campo, Etnomatemática, Linguagem Matemática, Tocantins

Resumo

O objetivo deste artigo é socializar as experiências vivenciadas durante a formação de professores em algumas cidades interioranas do Estado do Tocantins, marcadas pela pandemia (COVID- 19) mas, acima de tudo, por saberes tão diversificado e indissociáveis para a promoção da vida social. Diante disso, foi necessário refletir sobre as práticas pedagógicas para a formação do ensino de matemática, a fim de encontrar estratégias viáveis para poder experimentar e compartilhar aprendizagens, tendo como foco principal a Etnomatemática. O importante foi buscar a realidade vivida como referência, mostrar a matemática presente em vários elementos socioculturais. Tentou-se romper, pela etnomatemática, com uma visão universalista e mostrar a diversidade de saberes socioculturais. O saber deve dialogar com a realidade, ou seja, não existe saber que não seja contextual. A interação com cada aluno/professor da Escola do Campo proporcionou questões e modos diferentes de pensar e dizer o real sem que exista uma hierarquia, um modelo de verdade instaurada pelo eurocentrismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alessandro Pimenta, Universidade Federal do Tocantins - Brasil

Pós-Doutor em Filosofia pela UFRJ. Doutor em Filosofia pela UGF. Universidade Federal do Tocantins, Arraias, Tocantins, Brasil.

Edinho Benésio Santos, Instituto Federal do Tocantins - Brasil

Mestre em Filosofia pela UFT. Instituto Federal Tecnológico do Tocantins, Colinas, Tocantins, Brasil.

Regina Dias Araújo, Secretaria Estadual de Educação do Tocantins - Brasil

Especialista em Ensino de Matemática pela UFT. Escola Família Agrícola José de Deus (EFA), Colinas, Tocantins, Brasil.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): educação é a base. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 23 mar. 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CNE/CEB nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Diário Oficial da União, Brasília, v. 67, Sessão 1, p. 32, 9 abr. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 18 mar. 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CNE/CEB nº 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Diário Oficial da União, Brasília, v. 81, Sessão 1, p. 25, 29 abr. 2008.

BRASIL. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária –PRONERA. Diário Oficial da União, Brasília, Sessão1, 5 nov. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-de-novembro-de-2010/file. Acesso em: 08 fev. 2022.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Portaria nº 579, de 2 de julho de 2013. Institui a Escola da Terra. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/30695064. Acesso em: 05 fev. 2022.

BUSH, W. S. Improving Research on Mathematics Learning and Teaching in Rural Contexts. Journal of Research in Rural Education, v. 20. n. 8, p.1-11, 2005. Disponível em: https://jrre.psu.edu/sites/default/files/2019-08/20-8.pdf. Acesso em: 23 Jul. 2022.

CARVALHO, R. A.; KHIDIR, K. S.; COELHO, R. R. O Programa Escola da Terra na formação continuada de professores e professoras de escolas do campo e quilombolas: práticas socioculturais como temas geradores no ensino da matemática escolar. Revista Brasileira de Educação do Campo, vol. 7, e. 13897. 2020.Disponível em: https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e13897. Acesso em: 23 Jul 2022.

CLARETO, S. M. Conhecimento, inventividade e experiência: potências do pensamento etnomatemática. In: FANTINATO, M. C. C. B. Etnomatemática: novos desafios teóricos e pedagógicos. Niterói: Editora da UFF, 2009.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática e História da Matemática. In: FANTINATO, M. C. C. B. Etnomatemática: novos desafios teóricos e pedagógicos. Niterói: Editora da UFF, 2009.

FERRIER, J. L’école en milieu rural. Revue internationale d’éducation de Sèvres, n. 10. Disponível em: http://journals.openedition.org/ries/3305. Acesso: 10 ago. 2022.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GERDES, P. Etnomatemática e Educação Matemática: Uma panorâmica geral. Quadrante, vol.5, nº2, p. 105-138, 1996. Disponível em: https://quadrante.apm.pt/article/view/22685/16752. Acesso em: 17 mai. 2022.

HERNÁNDEZ, R.; ARACELI B. (Coord.). Enseñar español y matemáticas en aulas multigrado. Compendio de secuencias didácticas. Aguascalientes-San Luis Potosí: CENEJUS-UASLP, 2022.

PIRUS, C. Le parcours et les aspirations des élèves selon les territoires: Des choix différenciés en milieu rural? Éducation & Formations, n° 102, jui, 2021. Disponível em: file:///D:/Downloads/le-parcours-et-les-aspirations-des-l-ves-selon-les-territoires---des-choix-diff-renci-s-en-milieu-rural--90290.pdf. Acesso: 10 ago. 2022.

RICHIT, A.; TOMKELSKI, M. L. A matemática na escola dos Sem-Terra: uma abordagem etnomatemática. BOLETIM GEPEM, nº 52, p. 49-68, Jan./ Jun. 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/343836513_A_Matematica_na_Escola_dos_Sem-Terra_uma_abordagem_Etnomatematica. Acesso: Acesso: 10 ago. 2022.

SALES, S. S.; PIMENTA.; Políticas públicas para a educação do campo e formação de professores no Brasil. Revista Educação E Políticas Em Debate, 7(1), 77–94. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-07. Acesso: 07 jul. 2022.

SANTOS, J. D; LARA, I. C. M. Diferentes modos de olhar a etnomatemática: uma análise dos estudos brasileiros. Canoas: Ed. ULBRA, 2013.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Projeto Aperfeiçoamento Escola da Terra. Palmas: UFT, 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Projeto Aperfeiçoamento Escola da Terra. Palmas: UFT, 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-02

Como Citar

PIMENTA, A.; SANTOS, E. B.; ARAÚJO, R. D. Práticas Socioculturais em Linguagens Matemáticas no Programa Escola da Terra. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 95–114, 2022. DOI: 10.14393/REPOD-v12n1a2023-67494. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/67494. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA PÚBLICA EM CONTEXTO PANDÊMICO EM ESCOLAS RURAIS: O PROGRAMA ESCOLA DA TERRA COMO AFIRMAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO