Cotas para pessoas com deficiência na Universidade Federal de Uberlândia (UFU): política de inclusão no ensino superior

Autores

  • Viviane Prado Buiatti Universidade Federal de Uberlândia - Brasil https://orcid.org/0000-0002-6639-5135
  • Liliane dos Guimarães Alvim Nunes Colégio de Aplicação/Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64911

Palavras-chave:

Estudantes com Deficiência, Inclusão Escolar, Cotas, Ensino Superior

Resumo

A lei de Cotas para pessoas com deficiência foi publicada em 2016. Desde então, universidades brasileiras têm-se organizado para realização de alguns procedimentos, como aplicação das provas, estruturação de comissões para atuar nos processos de avaliação e acompanhamento dos cotistas e possibilitar a sua permanência. Neste artigo, explanamos sobre o processo de escolarização destas pessoas e a política de cotas enquanto ação afirmativa de ingresso no ensino superior. Discorremos acerca de nossa experiência no trabalho com a comissão de validação das condições de deficiência dos/as candidatos/as e o acompanhamento destes/as na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Concluímos que as ações para o ingresso desta população são emergentes reafirmando a inclusão e a equidade no espaço escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Viviane Prado Buiatti, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutora, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil.

Liliane dos Guimarães Alvim Nunes, Colégio de Aplicação/Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutora, Colégio de Aplicação/Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil.

Referências

ANGELUCCI, C. B. Inclusão escolar de pessoas com necessidades especiais na rede estadual de São Paulo: a dissimulação da exclusão. In: VIÉGAS, L. S.; ANGELUCCI, C. B. (org.). Políticas Públicas em Educação: uma análise crítica a partir da Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. p. 187-225.

BARROCO, S. M. S.; LEONARDO, N. S. T. A periodização histórico-cultural do desenvolvimento na educação especial: o problema da idade. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES, A. A.; FACCI, M. G. D. (org.). Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico. Do nascimento à velhice. Campinas: Autores Associados, 2016. p. 321-342.

BARROCO, S. M. S.; TAVARES, A. P. P. Pessoas com deficiências na educação superior: teorização vygotskiana para o enfrentamento às queixas. In: LEONARDO, N. S. T.; SILVA, S. M. C.; LEAL, Z. F. R. G.; NEGREIROS, F. (org.) A queixa escolar na perspectiva histórico-cultural. Da educação infantil ao ensino superior. Curitiba: Editora CRV, 2020. p. 165-186

BRASIL. Lei nº 12.171/2012, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2012.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008.

BUIATTI. V. P. Atendimento Educacional Especializado: dimensão política, formação docente e concepção dos profissionais. 2013. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação. Universidade Federal de Uberlândia, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13659. Acesso em: 15 nov. 2020.

CARRIERI, S. Sistema de cotas para pessoas com deficiência: ação afirmativa para promoção do acesso à universidade. XII Colóquio Internacional de Gestión Universitaria na Américas, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/97855. Acesso em: 18 dez. 2021.

CARVALHO, S. R. de.; MARTINS, L. M. A sociedade capitalista e a inclusão/exclusão. In: FACCI, M. G. D., MEIRA M. E. M.; TULESKI, S. C. (org.). A exclusão dos “incluídos”. Uma crítica da Psicologia da Educação à patologização e medicalização dos processos educativos. Maringá: Eduem, 2012. p. 19-32.

CASTRO, B. G. M. M; AMARAL, S. C. S; SILVA, G. R. A política de cotas para pessoas com deficiência nas universidades estaduais do Rio de Janeiro: a legislação em questão. O Social em Questão. Ano XX, n. 37, p. 55-70, jan./abr. 2017.

COSTA, V. B; NAVES, R. M. A Implementação da lei de Cotas 13.409/2016 para as pessoas com deficiência na universidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 1, p. 966-982, maio 2020. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp.1.13511. Acesso em: 18 dez. 2021.

LEMES, M. J.; TAVARES, A. P.; CAIADO, K. R. M. Educação Especial no Ensino Superior: reflexões a partir de relatos de acadêmicos com necessidades educativas especiais, egressos de uma universidade estadual. In: LEONARDO, N.S.T.; BARROCO, S. M. S.; ROSSATO, S. P. M. (org.) Educação Especial e Teoria Histórico-Cultural. Contribuições para o Desenvolvimento Humano. Curitiba: Appris, 2017. p. 167-188.

MARTINS, S. E. S. O.; GOMEZ, A. J. V.; FERNANDES, Y. Z.; BENETTI, C. S. Inclusão de universitários com deficiência na educação superior: o que dizem as pesquisas no Brasil e Uruguai. Jornal Políticas Educacionais. v. 11, n. 18 nov. 2017.

MOREIRA, L. C.; BOLSANELLO, M. A.; SEGUER, R. G. Ingresso e permanência na universidade: alunos com deficiência em foco. Educar em Revista. n. 41, p. 125-143, jul./set.2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000300009. Acesso em 15 dez. 2021.

NUNES, L. G. A. Psicologia Escolar e Desenvolvimento Profissional Docente: tecendo diálogos com professores sobre educação inclusiva. 2020. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/T.47.2020.tde-19102020-172548.

PATTO, M. H. S. Políticas atuais de inclusão escolar: reflexão a partir de um recorte conceitual. In: Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin. Brasília, DF: CAPES, 2008. p. 25-42.

RODRIGUES, D. Os desafios da Equidade e da Inclusão na formação de professores. Revista nacional e internacional de educación inclusiva. v. 7, n. 2, p. 5-21, jun. 2014. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4773176. Acesso em: 18 dez.2021.

RODRIGUES, T. S.; SILVA; S. M. C.; MARINHO, F. S. Concepções de estudantes sobre ações afirmativas na universidade: algumas contribuições da Psicologia Escolar. In: SILVA,

F. D. A.; SOUZA, V. A.; BUIATTI, V. P. (org.). Educação para todos: das políticas públicas ao cotidiano escolar. Curitiba: CRV, 2017. p. 47-69.

ROSSATO, S. P. M; LEONARDO, N. S. T.; LEAL, Z. F. R. G. A exclusão social e a educação escolar: aspectos relevantes para a educação especial. In: LEONARDO, N. S. T.;

BARROCO, S. M. S; ROSSATO, S. P. M. (org.). Educação Especial e Teoria Histórico-Cultural. Contribuições para o desenvolvimento humano. Curitiba: Appris Editora, 2017. p. 47-62.

SAWAIA, B. B. O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: SAWAIA, B. B. (org.). As artimanhas da exclusão. Análise Psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Editora Vozes, 2001. p. 97-118.

SILVA, L. C. da. Políticas públicas e formação de professores: vozes e vieses da educação inclusiva. 2009. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

SIMIONATO, M. A. W.; FACCI, M. G. D.; LEMES, M. J. O ingresso de alunos com deficiência no ensino superior e a construção de uma política de inclusão na universidade Estadual de Maringá-UEM- alguns apontamentos. In: NEGREIROS, F.; ZIBETTI, M. L.T.; BARROCO, S. M. S. (org.). Pesquisas em Psicologia e Políticas Educacionais. Desafios para enfrentamentos à exclusão. Curitiba: CRV, 2018. p, 191-206.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Conselho de Graduação. Resolução nº 05/2019, de 12 de abril de 2019. Dispõe sobre a criação da Comissão de Averiguação das Condições de Ingresso da Pessoa com Deficiência e da Comissão de Acompanhamento da Pessoa com Deficiência. Uberlândia: Conselho de Graduação, 2019.

VEIGA-NETO, A. Incluir para excluir. In: LARROSA, J; SKLIAR, C. (orgs.) Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 105-118.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas – V Fundamentos de defectologia. Machado Nuevo Aprendizaje: Boadilla Del Monte/Madrid, 2012. [Trabalho original publicado entre 1924-1931]

Downloads

Publicado

2022-03-01

Como Citar

Buiatti, V. P. ., & Nunes, L. dos G. A. . (2022). Cotas para pessoas com deficiência na Universidade Federal de Uberlândia (UFU): política de inclusão no ensino superior. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(1), 325–345. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64911

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS EM INSTITUIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR (IES): EM DEBATE O ACESSO E A EQUIDADE