Políticas públicas de ações afirmativas: desafios enfrentados por indígenas discentes na graduação da Universidade Federal do Pará

Autores

  • Gabriel Silva Braga Universidade Federal do Pará - Brasil https://orcid.org/0000-0003-4159-4688
  • Denise Machado Cardoso Universidade Federal do Pará - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64005

Palavras-chave:

Movimento Indígena, Políticas Públicas, Ações afirmativas, Ensino superior

Resumo

A luta dos povos indígenas ganhou destaque em atuações conjuntas com outros movimentos sociais no período da Ditadura Militar (1964-1985). Dentre as pautas reivindicadas, o acesso às universidades é uma das principais. Na Universidade Federal do Pará (UFPA), essa medida se concretizou em 2010, com o Processo Seletivo Especial (PSE). Neste artigo, pretende-se identificar quais são os desafios enfrentados na UFPA pelos indígenas discentes durante a graduação. Para realizar esta pesquisa, entrevistaram-se cinco graduandos. Assim, observou-se que a discriminação vivenciada nos espaços de sala de aula (tanto por discentes, quanto por docentes), a falta de preparo dos funcionários da universidade e a burocracia de editais para assistência estudantil são problemas enfrentados durante a graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriel Silva Braga, Universidade Federal do Pará - Brasil

Discente de graduação em Licenciatura em Ciências Sociais. Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil. Bolsista PIBIC-AF/UFPA 2021-2022, orientado da Prof.ª Dr.ª Denise Machado Cardoso.

Denise Machado Cardoso, Universidade Federal do Pará - Brasil

Doutora. Docente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/UFPA). Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Referências

ACOSTA, A. O Bem Viver: Uma Oportunidade para Imaginar Outros Mundos. Tradução: Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016.

ASSIS, W. F. T. Do Colonialismo à Colonialidade: Expropriação Territorial na Periferia do Capitalismo. Caderno CRH, 2014, v. 27, n. 72, pp. 613-627. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-49792014000300011. Acesso em: 03 set. 2021.

BANIWA, G. D. S. L. Índio Brasileiro: O Que Você Precisa Saber sobre Os Povos Indígenas no Brasil de Hoje. Brasília: MEC/LACED/Museu Nacional, 2006.

BRAGA, G. S.; CARDOSO, D. M. Resistir para Existir: Estratégias de Indígenas Discentes para Concluir o Ensino Superior em Cursos de Graduação. In: IX Seminário Povos Indígenas e Sustentabilidade: etnocídio e as estratégias de resistência, 2021, Campo Grande. Anais do 9. Seminário Povos Indígenas e Sustentabilidade: etnocídio e as estratégias de resistência. Campo Grande, MS: UCDB, 2021. p. 285-294.

BRAGA, S. B.; SANTOS, T. F. A. M. D. A Permanência dos Estudantes no Ensino Superior em Tempos de Pandemia: Uma Análise A Partir das Ações de Assistência Estudantil da Universidade Federal do Pará. REPOD – Revista Educação e Políticas em Debate, v. 10, n. 3, p. 1090-1106, set./dez. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-62374. Acesso em: 17 dez. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012. Seção 1, p. 1-2.

BRITO, C. A. G. A História da Saúde Indígena no Brasil e Os Desafios da Pandemia de Covid-19. In: Dominichi Miranda de Sá; Gisele Sanglard; Gilberto Hochman; Kaori Kodama. (Org.). Diário da pandemia: o olhar dos historiadores. 1.ed. Rio de Janeiro: HICITEC, 2020, v. 1, p. 111-120. Disponível em: https://shortest.link/saudeindigena. Acesso em: 13 set. 2021.

CARDOSO, D. M; OLIVEIRA, A. M. A. D. Desafios no Ingresso e Permanência de Indígenas na Graduação da Universidade Federal do Pará (UFPA): 10 Anos de uma Política de Ação Afirmativa. In: 20º Congresso Brasileiro de Sociologia, Anais Eletrônicos [...]. n. 20, CP21 – Sociedade e Universidade, 2021, Belém. Disponível em: https://shortest.link/sbssociologia. Acesso em 17 dez. 2021.

CAVALCANTI, M. A.; FERRAZ DE SIQUEIRA, V. H.; DA SILVA, A. C. Políticas Públicas em Educação A Emergência do Dispositivo das Cotas Raciais. Revista Valore, v. 5, p. e-5014, jan. 2021. Disponível em: https://revistavalore.emnuvens.com.br/valore/article/view/426. Acesso em: 04 fev. 2022.

DEUS, Z. A. D. Caminhos Trilhados na Luta Antirracista. 1ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L. A.; DAFLON, V. T.; VENTURINI, A. Ação Afirmativa: História, Conceito e Debates. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018.

FERNANDES, E. A. Políticas Afirmativas para Povos Indígenas: Sob O Olhar dos Protagonistas. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Jane Beltrão. 2018. 216f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

FREITAS, J. B. D; PORTELA, P. E.; FERES JÚNIOR, J.; SÁ, I.; LIMA, L.; FLOR, J. As Políticas de Ação Afirmativa nas Universidades Federais e Estaduais (2013-2019). Levantamento das políticas de ação afirmativa (GEMAA), IESP-UERJ, 2021, p. 1-33.

GOHN, M. D. G. Movimentos Sociais na Contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, 2011, v. 16, n. 47, pp. 333-361. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000200005. Acesso em: 03 set. 2021.

KYRILLOS, G. M. Uma Análise Crítica sobre os Antecedentes da Interseccionalidade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 1, e56509, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n156509. Acesso em: 24 jan. 2022.

LIMA, A. C. D. S. A Educação Superior de Indígenas no Brasil Contemporâneo: Reflexões sobre Ações do Projeto Trilhas do Conhecimento. Revista História, v.1, n.2, p.169-193, 2012. Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/46. Acesso em: 13 set. 2021.

MACHADO, T. L. “NÃO SOMOS OBJETOS DE PESQUISA”: Em Busca de Uma Antropologia em Colaboração. Revista FAEEBA, v. 28, n.56, p. 44-55, set./dez. 2019. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7849. Acesso em: 13 set. 2021.

MENDONÇA, D. Espiral do Tempo: Tsitsina Xavante, Mário Juruna e A Luta dos Povos Indígenas no Brasil. Le Monde Diplomatique Brasil, 02 mai. 2018. Disponível em: https://diplomatique.org.br/a-luta-dos-povos-indigenas-no-brasil/. Acesso em: 04 fev. 2022.

MUNDURUKU, D. O Caráter Educativo do Movimento Indígena Brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

PIMENTEL, A. C. V. Ações Afirmativas e os Desafios de Estudantes Quilombolas para sua Permanência na Universidade Federal do Pará: O que dizem os protagonistas. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Denise Machado Cardoso. 2019. 188f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades, Universidade Federal do Pará, Abaetetuba, 2019.

SANTOS, E. S. D.; GOMES, N. L.; SILVA, G. M. D.; BARROS, R. C. S. Racismo Institucional e Contratação de Docentes nas Universidades Federais Brasileiras. Educação & Sociedade, v. 42, p. 1-21, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ES.253647. Acesso em: 04 fev. 2022.

STF pode julgar neste 4º marco temporal para demarcação de terras indígenas. ISTOÉ, 25 ago. 2021. Disponível em: https://istoe.com.br/stf-pode-julgar-nesta-4a-marco-temporal-para-demarcacao-de-terras-indigenas/. Acesso em: 04 fev. 2022.

VALENTE, R. Os fuzis e as flechas: história de sangue e resistência indígena na ditadura. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Downloads

Publicado

2022-03-01

Como Citar

Braga, G. S. ., & Cardoso, D. M. . (2022). Políticas públicas de ações afirmativas: desafios enfrentados por indígenas discentes na graduação da Universidade Federal do Pará. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(1), 362–382. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64005

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS EM INSTITUIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR (IES): EM DEBATE O ACESSO E A EQUIDADE