A educação a distância e o ensino emergencial em tempos de pandemia: a alternativa do ensino remoto e outras variantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-61690

Palavras-chave:

Educação a distância, Ensino remoto, Trabalho docente

Resumo

Neste artigo, resultado de um estudo bibliográfico, propomos discutir a Educação a Distância (EaD) e o ensino emergencial remoto no Ensino Superior, diante do contexto da pandemia do Novo Coronavírus (Sars-CoV-2/COVID-19). Para isso, abordamos a atuação e a formação do professor na atual conjuntura de políticas educacionais. Nesse sentido, pretendemos discutir as políticas de EaD e suas relações com as mudanças no âmbito educacional, além de analisarmos a atuação docente nessa modalidade educativa e no ensino emergencial a distância. Ademais, observamos variantes entre eles em uma nova configuração do trabalho, que se utiliza de plataformas e ferramentas digitais e se intensifica para “amenizar” os danos no processo educacional.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Inayá Maria Sampaio, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), pesquisadora na Rede Universitas Brasil e professora adjunta na Universidade Paulista (UNIP).

Referências

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva – ensaios de sociologia do trabalho. Londrina: Praxis, 2007.

BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 2009.

BRASIL. Portaria n.55, 16 de junho de 2000. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020. Disponível em: http: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-544-de-16-de-junho-de-2020-261924872. Acesso em 14/05/2021

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. Tradução: Silvana Finzi Foá. São Paulo: Xamã, 1996.

CORTELAZZO, I. B. C. Prática pedagógica, aprendizagem e avaliação em educação a distância. Curitiba: InterSaberes, 2013.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, [São Paulo], v. 14, n. 2, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9782.pdf. Acesso em: ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-88392000000200002.

GONZÁLEZ, J. L. C.; SALLES, F. C. Trabalho docente na era das incertezas. In: TUMOLO, P. S; BATISTA, R. L. (Org.). Trabalho, economia e educação: perspectivas do capitalismo global. Maringá: Práxis; Massoni, 2008.

IANNI, Octavio. Globalização: novo paradigma das ciências sociais. Estudos Avançados, [São Paulo], v. 28, n.21, p. 147-163, maio/ago. 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v8n21/09.pdf. Acesso em: set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40141994000200009.

KENSKI, V. M. Tecnologias e tempo docente. Campinas: Papirus, 2013.

LITWIN, E. Tecnologia educacional: política, histórias e propostas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LITWIN, E. (org.). Educação a Distância: Temas para Debate de uma Nova Agenda Educativa. Porto Alegre, Artmed, 2001.

LOUREIRO, A.; RODRIGUES, E. da P.; MATTAR, J. Educação online em tempos de pandemia – desafios e oportunidades para uma escola inclusiva. In: Revista Interacções, n. 54, p 1-7 (2020). Santarém, Portugal.

MACHADO, L. D.; MACHADO, E. C. O papel da tutoria em ambientes de EAD. [s.l.:s.n.], 2004. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/022-TC-A2.htm. Acesso em: jan. 2015.

MELLO, A. F. Capitalismo e mundialização em Marx. São Paulo: Perspectiva; Belém: SECTAM, 2000.

MORAN, J. M.; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Maria Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MORAES, R. Almeida. Institucionalização da EaD nas IES públicas: uma perspectiva histórico-crítica e emancipadora. In: MILL, Daniel R. Silva; PIMENTEL, Nara Maria. (Org.). Educação a distância: desafios contemporâneos. São Carlos: UFSCar, 2013.

PAIANO, V. C. Investigando ferramentas síncronas e assíncronas na interação em educação a distância. Dissertação (Mestrado Profissional em Tecnologia da Informação e Comunicação na Formação em EAD) – Universidade Federal do Ceará e Universidade Norte do Paraná, Londrina, 2007.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SÁ, I. M. A. Educação a distância: processo contínuo de inclusão social. Fortaleza: CEC, 1998.

SACRISTÁN, J. G. Reformas educacionais: utopia, retórica e prática. In: SILVA, T.T. da; GENTILI, P. (Org.). Escola S. A. – quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, 1996, p. 50-74.

SAMPAIO, I. M. Trabalho e educação: um estudo sobre as nuances da formação do trabalhador perante a reestruturação produtiva do capital no Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego (PNPE). 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.

SARAIVA, K. Educação a distância: outros tempos, outros espaços. Ponta Grossa: UEPG, 2010.

SARAIVA, K.; TRAVERSINI, C; LOCKMANN, K. A educação em tempos de COVID-19; ensino remoto e exaustão docente. In: Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.15, e. 2016289, p.1-24, 2020. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 12/06/2021. DOI: https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.15.16289.094.

SARAIVA, K.; VEIGA-NETO, A. Modernidade líquida, capitalismo cognitivo e educação contemporânea. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 187-201, maio/ago. 2009.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Sampaio, I. M. . (2021). A educação a distância e o ensino emergencial em tempos de pandemia: a alternativa do ensino remoto e outras variantes. Revista Educação E Políticas Em Debate, 10(3), 1037–1053. https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-61690

Edição

Seção

DOSSIÊ: Direito à educação básica e superior em tempos de pandemia