Política de avaliação externa: o discurso da qualidade ou a qualidade do discurso?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-61083

Palavras-chave:

Políticas Públicas de avaliação externa, Qualidade do desempenho escolar, Performatividade

Resumo

Este artigo aborda o discurso da qualidade da política de avaliação externa e a qualidade do discurso da escola com base no que se entende por qualidade da educação na Constituição Federal de 1988, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 e no texto da política de avaliação externa. As peculiaridades de cada escola tendem a dificultar a interpretação do texto da política, sobretudo em relação à qualidade, por ser um conceito relacional, de modo que traduzir políticas em práticas implica sua recriação em face de contextos distintos e por diferentes sujeitos. Assim, o discurso de qualidade nem sempre ganha forma e poder naquilo que o texto enuncia, mas na representação discursiva dos que atuam na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rozemeiry dos Santos Marques Moreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Brasil

Doutora de Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Curso de Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campus de Três Lagoas-Mato Grosso do Sul. Brasil.

Waléria Andrade Martins, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Brasil

Doutora de Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Curso de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campus de Três Lagoas-Mato Grosso do Sul. Brasil.

Referências

BALL, Stephen J. Mercados educacionais, escolha e classe social: o mercado como estratégia de classe. In: GENTILI, Pablo (org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 196-227.

BALL, Stephen J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, S.l., v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001. Disponível em: http://www.currículosemfronteiras.org. Acesso em: 19 maio 2021.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002. Disponível em: DOI: https://www.redalyc.org/pdf/374/37415201.pdf. Acesso em: 19 maio 2021.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002.

BALL, Stephen J. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, ago./set. 2010.

BALL, Stephen J. Entrevista. In: AVELAR, Marina. Entrevista com Stephen J. Ball: uma análise de sua contribuição para a pesquisa em política educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, Tempe (AZ), v. 24, n. 24, p. 1-16, 2016. DOI: https://doi.org/10.14507/epaa.24.2368.

BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson (orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BOWE, Richard; BALL, Stephen J.; GOLD, Anne. Reforming education and changing schools: case studies in Policy Sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Portaria ministerial nº 931, de 21 de março de 2005. Institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB, que será composto por dois processos de avaliação: a Avaliação Nacional da Educação Básica – ANEB, e a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar – ANRESC. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 mar. 2005. Seção 1, p. 17.

BRASIL. Portaria INEP nº 47, de 3 de maio de 2007. Estabelece a sistemática para a realização da Prova Brasil e da Avaliação Nacional da Educação Básica no ano de 2007. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 maio 2007.

DIAS SOBRINHO, José. Campo e caminhos da avaliação: a avaliação da educação superior no Brasil. In: FREITAS, Luiz Carlos de (org.). Avaliação construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Insular, 2002. p. 13-61.

DOURADO, Luiz Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira de. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cadernos CEDES, Campinas, v. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622009000200004.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no College d’e France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. O poder simbólico. In: ______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 16. ed. Petrópolis: Vozes,1997. p. 22.

FOUCAULT, Michel. Por uma genealogia do poder. In: ______. Microfísica do poder. Intr., org. e rev. téc. Roberto Machado. 25. ed. São Paulo: Graal, 2012. p. 43.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

HORTA NETO, João Luiz. Avaliação externa de escolas e sistemas: questões presentes no debate sobre o tema. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 227, p. 84-104, jan./abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.91i227.604.

MAGUIRE, Meg; BALL, Stephen J. Discursos da reforma educacional no Reino Unido e nos Estados Unidos e o trabalho dos professores. In: BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson (orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011. p. 175-192.

SORDI, Mara Regina Lemes de. Entendendo as lógicas da avaliação institucional para dar sentido ao contexto interpretativo. In: VILLAS BOAS, Benigna M. F. (org.). Avaliação: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 2002.

SORDI, Maria Regina Lemes de. A avaliação da qualidade da escola pública: a titularidade dos atores no processo e as consequências do descarte de seus saberes. In: FREITAS, Luiz Carlos de et al. Avaliação e políticas públicas educacionais: ensaios contrarregulatórios em debate. Campinas: Edições Leitura Crítica, 2012. p. 157-169.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Relatório de monitoramento de Educação para Todos Brasil 2008. Educação para Todos em 2015: alcançaremos a meta? Brasília: UNESCO, 2008. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001592/159294por.pdf. Acesso: 19 maio 2021.

VIANNA, Heraldo Marelim. Avaliações nacionais em larga escala: análises e propostas. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 27, p. 41-76, jan./jun. 2003. DOI: https://doi.org/10.18222/eae02720032177.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Moreira, R. dos S. M. ., & Martins, W. A. . (2021). Política de avaliação externa: o discurso da qualidade ou a qualidade do discurso?. Revista Educação E Políticas Em Debate, 10(3), 1263–1277. https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-61083

Edição

Seção

Artigos de Demanda Contínua