A nova rotina escolar e o absenteísmo-doença entre professores da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME/POA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-60574

Palavras-chave:

Educação, Gestão Pública, Saúde docente

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar o absenteísmo-doença entre professores da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME/POA) na série temporal de 2014-2019. Para tanto, foram investigados os afastamentos por problemas de saúde entre docentes, na busca de alterações dos indicadores analisados, desde a implantação de uma nova rotina escolar no ano de 2017. Por meio da Estatística Descritiva, fez-se uma análise quantitativa de indicadores a respeito das Licenças Tratamento de Saúde (LTS), constatando-se um significativo aumento no número delas e de docentes em LTS, bem como a redução do número de dias por licença e de dias de licença por servidor. Esses resultados nos permitem sugerir que as mudanças efetuadas na rotina escolar contribuíram para a elevação do número de afastamentos para tratamento de problemas de saúde e que os gestores necessitam promover mudanças na organização de trabalho visando à promoção de saúde dos professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caroline Pereira Leal, Prefeitura Municipal de Porto Alegre - Brasil

Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME/POA).

Carla Garcia Bottega, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - Brasil

Doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora Adjunta em Saúde Coletiva da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS).

Referências

ABRUCIO, F. Gestão Pública precisa entender as particularidades da educação. Revista Educação, v. 234, nov. 2016. Disponível em: http://www.revistaeducacao.com.br/gestao-publica-precisa-entender-particularidades-da-educacao/. Acesso em: 6 fev. 2019.

ARAÚJO, J. Afastamento do trabalho: absenteísmo e presenteísmo em uma instituição federal de Ensino Superior. 123f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.5327/z16794435201917s1tl098. Acesso em: 30 mar. 2020.

ARAÚJO, T. M. et al. Saúde e trabalho docente: dando visibilidade aos processos de desgaste e adoecimento docente a partir da construção de uma rede de produção coletiva. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 37, p. 183-212, 2003.

ASSUNÇÃO, A.; BARRETO, S.; GASPARINI, S. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1517-97022005000200003. Acesso em: 6 fev. 2019.

ASSUNÇÃO, A.; OLIVEIRA, D. Intensificação do trabalho e a saúde dos professores. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 107, p. 349-372, maio/ago. 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0101-73302009000200003. Acesso em: 6 fev. 2019.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: o capital humano das organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

CODO, W. Educação, carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 1999.

CONTIERO, P. Análise dos Afastamentos Para Tratamento de Saúde dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. 115f. Monografia (Graduação em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.29289/259453942018v28s1059. Acesso em: 12 fev. 2020.

CORTEZ, P. A.; SOUZA, M. V. R.; AMARAL, L. O.; Silva, L. C. A. A saúde docente no trabalho: apontamentos a partir da literatura recente. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 113-122, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1414-62x201700010001. Acesso em: 15 mar. 2020.

COSTA, R. A. Absenteísmo por doenças em docentes do Ensino Fundamental. 80f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Organização da Saúde) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.29381/0103-8559/20203002248-56. Acesso em: 15 mar. 2020.

COUTO, H. A. Absenteísmo: uma visão maior que a simples doença. Ergo, Belo Horizonte, n. 2, jul. 1982.

DAL ROSSO, S. Mais Trabalho! A intensidade do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

DEJOURS, C. Conferências brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. São Paulo: Fundap, 1999.

DEJOURS, C. Trabalho vivo: sexualidade e trabalho – tomo I. Brasília: Paralelo 15, 2012.

DEJOURS, C.; BÈGUE, F. Suicídio e trabalho: o que fazer? Brasília: Paralelo 15, 2010.

ESTEVE, J. M. Mal-estar docente: a sala de aula e a saúde do professor. Bauru: EDUSC, 1999.

FRAGA, A. Relatório sobre as condições precárias das Escolas Municipais de Porto Alegre. Porto Alegre: Câmara Municipal de Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.47749/t/unicamp.2004.324676. Acesso em: 30 mar. 2020.

GAULEJAC, V. A NGP: a nova gestão paradoxal. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo. Atlas, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1415-65552013000100009. Acesso em: 30 mar. 2020.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias & Letras, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0303-76572012000200010. Acesso em: 30 mar. 2020.

GONÇALVEZ, J. P.; DAMLE, M. P.; SZYMANSKY, M. L. O mal-estar docente segundo a percepção de coordenadores pedagógicos da rede pública de Cascavel. In: Congresso Nacional de Educação, 8, 2008, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUC, p. 4597-4606, 2008.

HAIR JR., J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HALMENSCHLAGER, B. Análise Estatística dos Afastamentos dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. 54f. Monografia (Graduação em Estatística) –Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.29289/259453942018v28s1059. Acesso em: 30 mar. 2020.

HELOANI, R. Organização do trabalho e administração: uma visão multidisciplinar. São Paulo: Cortez, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). INEP, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.24109/9788578630652.ceppe. Acesso em: 16 set. 2020.

LANTHEAUME, F. Mal-estar docente ou crise do ofício?: quando o “belo trabalho” desaparece e é preciso “trabalhar de corpo e alma”. Fórum Sociológico, Lisboa, n. 15-16, p. 141-156, 2007.

LEAL, C. P. A nova rotina escolar e a saúde dos professores e professoras da rede municipal de ensino de Porto Alegre. 61f. Monografia (Especialização em Gestão Pública) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: https://repositorio.uergs.edu.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/984/27119_tcc_caroline_pereira_leal_gestaao_paublica.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Acesso em: 30 mar. 2020.

MENDES, R. Medicina do Trabalho e doenças profissionais. São Paulo: Savier, 1980.

NORONHA, M.M.B. Condições do exercício profissional da professora e dos possíveis efeitos sobre a saúde: estudo de casos das professoras do Ensino Fundamental em uma escola pública de Montes Claros, Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABAHO – OIT. Absentismo: causa y control. In: ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABAHO – OIT. Enciclopedia de salud e seguridad en el trabajo. Madri: OIT, 1989. P. 5-12.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE – OPAS. Saúde e ambiente: saúde do trabalhador. Brasília: OPAS, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0103-11042013000100004. Acesso em: 15 mar. 2020.

PORTO ALEGRE. Programa de Metas 2017-2020. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2017. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/smpeo/usu_doc/prometa_poa_2017-2020.pdf. Acesso em: 30 mar. 2020.

PORTO ALEGRE. Secretaria municipal de Educação. Portaria 024/2018. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2018. Disponível em: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/netahtml/sirel/atos/Portaria%20024%202018%20SMED%20retificada. Acesso em: 1 jan. 2020.

PORTO ALEGRE. Secretaria Municipal da Educação. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2019. Disponível em: https://prefeitura.poa.br/smed. Acesso em: 29 dez. 2019.

PORTO ALEGRE. Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão. LTS professores (2019). Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2020.

PRIMO, G.; PINHEIRO, T.; SAKURAI, E. Absenteísmo por doença em trabalhadores de uma organização hospitalar pública e universitária. Rev Med Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, p. 47-58, abr./jun., 2010.

REIS, R., et al. Absenteísmo, doença e enfermagem. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 27, n. 5, p. 616-623, 2003.

SANTANA, F.; NEVES, I. Saúde do trabalhador em educação: a gestão da saúde de professores de escolas públicas brasileiras. Saúde Soc., São Paulo, v. 26, n. 3, p. 786-797, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017167259. Acesso em: 15 mar. 2020.

SCHWAILM, P. H. Saúde docente: possibilidades e limites. PDE – Gestão Escolar. Brasília: DF, 2019. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/. Acesso em: 25 jul. 2019.

SERRA, A. Modelo aberto de gestão de resultados no setor público. Natal: SEARH, 2008.

YBEMA, J.; SMULDERS, P.; BONGERS, P. Antecedents and consequences of employee absenteeism: longitudinal perspective on the role of job satisfaction and burnout. European Journal of Work and Organizational Psychology, Bruxelas, v. 19, n.1, p. 102-24, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13594320902793691. Acesso em: 15 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Leal, C. P., & Bottega, C. G. . (2021). A nova rotina escolar e o absenteísmo-doença entre professores da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME/POA). Revista Educação E Políticas Em Debate, 10(3), 1292–1307. https://doi.org/10.14393/REPOD-v10n3a2021-60574

Edição

Seção

Artigos de Demanda Contínua