Escrevivências de alunas negras: construções e resistências na escola

Autores

  • Cirlene Cristina de Sousa Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Vitória Régia Izaú Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n3a2017-06

Palavras-chave:

Racismo institucional, Escola, Estudantes negras, Resistências

Resumo

O enfrentamento do racismo institucional é um tema pertinente, mas ainda muito negligenciado. A invisibilização das vozes que denunciam os processos de desumanização nas trajetórias de estudantes negras tem silenciado muitos conflitos raciais no cotidiano escolar, em que pese as diversas manifestações nas redes sociais, nem sempre assumidas com responsabilidade por parte das instituições. Neste artigo, pretende-se explicitar e adensar o debate a respeito desta complexa questão, a partir das vivências de duas estudantes mineiras que enviaram aos seus professores cartas sobre os mecanismos do racismo no ambiente escolar. Partindo dessas cartas, pretende-se interpretar as manifestações do racismo (implícito e explícito) no cotidiano dessas estudantes. Este artigo está organizado em três sessões, a saber: 1) Contexto escolar e as narrativas recebidas; 2) Problematização do racismo na perspectiva de mulheres negras; e 3) Dilemas e possibilidades do racismo na dinâmica escolar.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cirlene Cristina de Sousa, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas de Gerais (UFMG). Professora efetiva da Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Minas Gerais.

Vitória Régia Izaú, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora efetiva da Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Minas Gerais.

Referências

ALMEIDA, M. O pioneirismo da discussão étnico-racial no Serviço Social. Disponível em https://libertas.ufjf.emnuvens.com.br/libertas/article/viewFile/2695/2229.

CAMPOS, M.E. A percepção do assistente social acerca do racismo institucional. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282013000200005&lang=pt. Acesso em 12/09/2018.

DAVIS, A. Palestras sobre libertação.Disponível em http://kilombagem.org/palestras-sobre-libertacao-lectures-on-liberation/. Acesso em 01/09/2018.

EVARISTO, C. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, C. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: ALEXANDRE, M. A. (Org.) Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

FRANZ, F. Pele negra, máscaras brancas. Disponível em https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/10/16465-50747-1-PB.pdf. Acesso em 03/09/2018.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

MOURA, C. O racismo como arma ideológica. Disponível em:https://movimentorevista.com.br/2017/11/racismo-ideologia-20-novembro-consciencia-negra/. Acesso em 05/10/2018.

MUNANGA, K. (orgs). Superando o racismo na escola. (p.15-20). Disponível em:http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/racismo_escola.pdf. Acesso em 03/10/2018.

OLIVEIRA, F.; ABRAMOWICZ, A. Infância, raça e paparicação. Belo Horizonte: Educação em Revista, v. 26, nº 2, ago. 2010, p. 209-226.

RIBEIRO, D.O que é lugar de fala? Belo Horizonte, Letramento: Justificando, 2017.

TEIXEIRA, I. A. C. -Da condição docente: primeiras aproximações teóricas. Educ. Soc., Ago 2007, vol.28, no. 99, p.426-443.

Downloads

Publicado

2017-12-30

Como Citar

Sousa, C. C. de, & Izaú, V. R. (2017). Escrevivências de alunas negras: construções e resistências na escola. Revista Educação E Políticas Em Debate, 6(3). https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n3a2017-06

Edição

Seção

Dossiê: Políticas educacionais, trabalho docente e desempenho discente