Políticas públicas para a educação do campo e formação de professores no Brasil

Autores

  • Suze da Silva Sales Universidade Federal do Tocantins - UFT - Tocantins - Brasil
  • Alessandro Rodrigues Pimenta Universidade Federal do Tocantins - UFT - Tocantins - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-07

Palavras-chave:

Formação de professores, Políticas públicas para Educação, Educação do Campo

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar fatores e sujeitos determinantes no percurso de implantação da política pública de criação de cursos de formação de professores para atuarem em escolas do/no campo. Tais políticas ganharam força a partir da primeira década dos anos 2000, quando movimentos sociais ligados à terra, apoiados e financiados direta/indiretamente por organismos nacionais e internacionais, encontraram momentos profícuos à conquista e à institucionalização de Licenciaturas em Educação do Campo, planejadas e financiadas pelo Estado brasileiro, via Ministério da Educação e propostas por Instituições Federais de Ensino Superior. Almeja-se que tais análises possam oferecer subsídios para a ampliação das discussões sobre as políticas destinadas às populações campesinas no Brasil.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Suze da Silva Sales, Universidade Federal do Tocantins - UFT - Tocantins - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Professora Assistente na Universidade Federal do Tocantins (UFT). 

Alessandro Rodrigues Pimenta, Universidade Federal do Tocantins - UFT - Tocantins - Brasil

Doutor em Filosofia pela Universidade Gama Filho (UGF). Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Vice-Coordenador do Mestrado Profissional em Filosofia (UFPR/UFT). 

Referências

ANTUNES-ROCHA, M. I. & MARTINS, A. A. (Org..). Educação do Campo: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n. 9.394. Brasília, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Parecer nº 36/2001.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Resolução nº 1 de 03 de abril de 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – SECAD. Edital n. 02 de 23 de abril de 2008. Brasília, 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – SECAD. Edital n. 09 de 29 de abril de 2009. Brasília, 2009.

BRASIL. Presidência da República - Casa Civil/Sub-Chefia Para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 7.352/2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária, de 4 de novembro de 2010.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – SECADI. Edital Conjunto SESU/SETEC/SECADI/MEC, n. 02 de 31 de agosto de 2012. Brasília, 2012.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes, 2000.

CALDART, R.S. O MST e a formação dos Sem Terra: o movimento social como princípio educativo. São Paulo: Estudos Avançados, 2001.

CALDART, R. S. A Escola do Campo em Movimento. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma Educação do Campo. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

COSTA, S.A.& BEZERRA NETO, L.Políticas públicas/estatais: contribuição para o estudo da relação estado-sociedade. Acta Scientiarum Education. Maringá, v. 38, n. 2, p. 165-172, Abr.-Jun, 2016.

IANNI, O. Origens Agrárias do Estado Brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1984.

LIMA, J. S. P. Banco Mundial e sistema de ensino superior: desenvolvimento ou controle externo. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, 2004.

MARTINS, F. J. A Pedagogia da Terra: os sujeitos do campo e do ensino superior. Educação, Sociedade & Culturas, Porto-PT, nº 36, p. 103-119, 2012.

MARTINS, F. J. (Org.). Educação do Campo e Formação Continuada de Professores: uma experiência coletiva. Porto Alegre: EST Edições, 2008.

MARTINS, L. M. Análise sócio-histórica do processo de personalização de professores. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP. Marília, 2001.

MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (Org..) Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

MENEZES NETO, A. J. Formação de professores para a Educação do Campo: projetos sociais em disputa. In: ANTUNES-ROCHA, M. I.;MARTINS, A. A. (Org.). Educação do Campo: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

ANTUNES-ROCHA, M. I.;MARTINS, A. A. (Org.). A Igreja Católica e os movimentos sociais do campo: a Teologia da Libertação e o movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra. Caderno CRH, Salvador, v. 20, n. 50, p. 331-341, mai/ago, 2007.

MUNARIM, A. A Educação do Campo no Cenário das políticas públicas na primeira metade do século 21. Em Aberto, v.24, n. 85. Brasília: Inep, 2011.

OLIVEIRA, D.A. As políticas de formação e a crise da profissionalização docente: por onde passa a valorização? Revista Educação em Questão, Natal, v. 46, n. 32, p. 51-74, maio/ago. 2013.

OLIVEIRA, M. A de. As bases filosóficas e epistemológicas de alguns projetos de educação do campo: do pretendido marxismo à aproximação ao ecletismo pós-moderno. Curitiba, UFPR, Setor de Educação, Tese, 2008.

SANTOS, L. L. de C. P. Implementação de políticas do Banco Mundial para Formação Docente. Cadernos de Pesquisa, n. 111, dez, 2000.

SCHERER-WARREN, I. Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização. São Paulo: Hucitec, 1999.

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Sales, S. da S., & Pimenta, A. R. (2018). Políticas públicas para a educação do campo e formação de professores no Brasil. Revista Educação E Políticas Em Debate, 7(1), 77–94. https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-07

Edição

Seção

Dossiê: Políticas de Educação do Campo