Educação do campo e políticas educacionais: avanços, contradições e retrocessos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-04

Palavras-chave:

Educação do campo, Política educacional do campo, Movimento da Educação do Campo

Resumo

O presente artigo tem como finalidade refletir sobre como a luta por uma política de Educação do Campo, emerge no Brasil, nos últimos 20 anos, como uma estratégia fundante do Movimento da Educação do Campo. Este Movimento que nasceu na contraposição ao modelo de sociedade gerador de assimetrias sociais, políticas e econômicas que marca a história passada e presente do Brasil, e que se posiciona de forma crítica contra o modelo de escola precarizada e descontextualizada que se implantou no campo brasileiro. A abordagem dialética orientou o processo investigativo que teve na análise documental e na revisão de literatura procedimentos fundamentais para construção deste texto. A contradição posta pelo Estado como instrumento de regulação do capital gerou ao longo destes anos um tensionamento na materialização das políticas e programas reivindicados pelo Movimento da Educação do Campo, especialmente neste momento de retrocessos e recuos nos direitos sociais em nosso País, todavia, identificamos conquistas nas práticas educativas, na articulação da diversidade dos sujeitos do campo, das águas e da floresta na luta contra a opressão e pela afirmação de uma territorialização da agricultura familiar e agroecológica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria do Socorro Silva, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora na Unidade Acadêmica de Educação do Campo e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). 

Referências

ARROYO, Miguel. Que Educação Básica para os Povos do Campo? Palestra proferida no Seminário Nacional “Educação Básica nas Áreas de Reforma Agrária do MST”, realizado em Luziânia/GO de 12 a 16 de setembro de 2005.

ARROYO, Miguel. Por um Tratamento Público da Educação do Campo. Por uma Educação do Campo: Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Articulação Nacional por uma Educação do Campo: Brasília –DF, 2004.

ARROYO, Miguel. Miguel Gonzalez.Políticas de formação de educadores (as) do campo. Cad. CEDES, Ago 2007, vol.27, no. 72, p.157-176.

ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 9394/96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. CNE/CEB. Parecer n. 36/2001. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, 2001.

BRASIL. CNE/CEB. Resolução n. 01/2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, 2002.

BRASIL. CNE/CEB. Parecer n. 23/2007. Consulta referente às orientações para o atendimento da Educação do Campo. Brasília, 2007.

BRASIL. CNE/CEB. Resolução n. 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece as diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Brasília, 2008.

CALAZANS, Maria Julieta Costa. Para compreender a educação do Estado no Meio Rural: traços de uma trajetória. In: THERRIEN; DAMASCENO,Maria Nobre (Coord.). Educação e Escola no campo.Campinas: Papirus, 1993.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso Trabalho Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v.7 n.1, p.35-64, mar./jun.2009.

DOSSIÊ MST ESCOLA. Documentos e Estudos 1990-2001. Caderno de Educação, n.13. Edição Especial. ITERRA/MST. Rio Grande do Sul, 2005.

FONEC. Carta de Criação do Fonec. Brasília. 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 5.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1982.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança.Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 15.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômica social capitalista. São Paulo: Cortez, 1984.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital.São Paulo: Boitempo, 2005.

MUNARIM, Antônio. Elementos para uma política pública de Educação do Campo. In: MOLINA, Mônica (Org.). Educação do Campo e pesquisa: questões para reflexão. Brasília, MDA, 2006.

PAIVA, Marilda Pereira. Educação Popular e educação de adultos. 3.ed. São Paulo: Edições Loyola, 1985.

PALUDO, Conceição. Educação Popular –Dialogando com Redes Latino-Americanas (2002-2003). In: PONTUAL, Pedro; IRELAND, Timothy (Org.). Educação Popular na América Latina: diálogos e perspectivas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2009.

PERONI, Vera Maria Vidal. Política educacional e papel do Estado no Brasil dos anos 90. São Paulo: Xamã, 2003.

PERONI, V.; ADRIÃO, T. A relação público/privado e a gestão da educação em tempos de redefinição do papel do Estado. In: ADRIÃO, T.; PERONI, V. Público e privado na educação: novos elementos para o debate. São Paulo, Xamã, 2008.

RIBEIRO, Maria Luísa. História da Educação Brasileira: a organização escolar. 13.ed. Campinas: Autores Associados, 1993.

ROMANELLI, Otaíza. História da Educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1978.

ROCHA, Eliene Novaes. PASSOS, Joana Célia dos. CARVALHO, Raquel Alves de.Texto Base Educação do Campo: um olhar panorâmico. II Conferência Nacional de Educação do Campo. Luziania-GO, 2004.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as Ciências. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SILVA, Maria do Socorro. Os saberes do professorado rural: construídos na vida, na lida e na formação. Dissertação (Mestrado em Educação). UFPE, Recife, 2000.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

WHITAKER, D. C. A.; ANTUNIASSI, M. H. R. Escola pública localizada na zona rural: contribuições para a sua estruturação. Cadernos Cedes. n.33, p.9-42, 1992.

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Silva, M. do S. (2018). Educação do campo e políticas educacionais: avanços, contradições e retrocessos. Revista Educação E Políticas Em Debate, 7(1), 23–41. https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n1a2018-04

Edição

Seção

Dossiê: Políticas de Educação do Campo