Políticas públicas e trabalho docente: a política do PDE-Escola e os desdobramentos da lógica de accountability

Autores

  • Vilma Aparecida de Souza Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Educação - UFU

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n1a2017-11

Palavras-chave:

Políticas Públicas Educacionais, Responsabilização/accountability, Trabalho Docente

Resumo

O presente trabalho analisa os desdobramentos do conceito de "accountability/responsabilização", presentes no dispositivo legal Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE-Escola) no trabalho docente. Atualmente, o PDE-Escola consolida-se como uma ferramenta de gestão do MEC, transformando-se em uma porta de entrada nas escolas para os programas federais que repassam recursos para as unidades Executoras. Considerando que as políticas educacionais brasileiras, como o PDE-Escola, são conduzidas para o "chão da escola" com um discurso em nome da melhoria da qualidade de ensino, de autonomia, da participação e de tantas outras bandeiras de lutas dos educadores, torna-se necessário acompanhar o processo de materialização de tais políticas. Nesse sentido, torna-se necessário compreender a intencionalidade da implementação do PDE-Escola e desvelar as contradições presentes nessa política no contexto da prática. Para investigar os desdobramentos do PDE-Escola no trabalho docente, foi utilizada a entrevista dialógica com professores de um município mineiro. Os resultados mostraram que as promessas anunciadas pela política do PDE-Escola materializaram no "chão das escolas" uma "qualidade às avessas", trazendo efeitos perversos ao trabalho docente, em decorrência da lógica da responsabilização/accountability. Uma "qualidade" que, ao mesmo tempo em que se centravam na performatividade da escola e de seus profissionais, manteve inalteradas as condições materiais e objetivas de trabalho.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vilma Aparecida de Souza, Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Educação - UFU

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professora do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) - Campus Pontal.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Políticas avaliativas e accountability em educação – subsídios para um debate ibero-americano. Sísifo/Revista de Ciências da Educação, [s.d.], n. 9, maio/ago.2009.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

APPLE, M. W. Relações de classe e de gênero e modificações no processo de trabalho docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 60, p. 3-14, fev. 1987.

APPLE, M. W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

APPLE, M. W. Ensino e trabalho feminino: uma análise comparativa da história e ideologia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 64, p. 14-23, fev. 1988.

BALL, S. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126,p. 539-564, 2005.

BALL, S. Vozes/redes políticas e um currículo neoliberal global. Espaço do Currículo, [s.l.], v. 3, n. 1, p. 485-498, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília, 2007a.

BRASIL. Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromissos Todos pela Educação. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abr. 2007b.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo da psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez; Oboré, 1991.

DUARTE, Adriana. Políticas educacionais e o trabalho docente na atualidade: tendências e Contradições. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana. Políticas Públicas e Educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

HYPÓLITO, A. L. M. Processo de trabalho docente: uma análise a partir das relações de classe e gênero.1994. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1994.

HYPÓLITO, A. L. M. Trabalho docente: classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus, 1997.

HYPÓLITO, A. L. M. et al. Trabalho docente, profissionalização e identidade: contribuições para a constituição de um campo de estudo. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 37, p. 123-138, 2008.

MARX, K. O capital – crítica da economia política. 27. ed. L. 1, v. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010a.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010b.

OLIVEIRA, D. A. (Org.) Reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./ dez. 2004.

OLIVEIRA, D. A. Mudanças na organização e na gestão do trabalho na escola. In: OLIVEIRA, D. A.; ROSAR, M. F. F. Política e Gestão da Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

OLIVEIRA, D. A. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas consequências para os trabalhadores docentes. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 753-776, out. 2005.

OLIVEIRA, D. A.; AUGUSTO, Maria Helena G. Gestão escolar e trabalho docente nas redes públicas de ensino em Minas Gerais. In: MONFREDINI, Ivanise. (Org.) Políticas educacionais, trabalho e profissão docente. São Paulo: Xamã, 2008.

OLIVEIRA, D. A. Das políticas de governo à política de Estado: reflexões sobre a atual agenda educacional brasileira. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 115, p. 323-337, abr./jun. 2011.

OLIVEIRA, D. A. Política educacional e a reestruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino-americano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n99/a04v2899.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2012.

PINHO, J. A. G; SACRAMENTO, A. R. S. Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, n.43, p.1343-1368,nov/dez.2009.

SACRISTÁN, J. G. Reformas educacionais: utopia, retórica e prática. In: SILVA, T. T. da; GENTILI, P. Escola S.A. – quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, 1996, p. 50-74.

SACRISTÁN, J. G.; EVANGELISTA, O. Redes para conversão docente. In: FIUZA, A. F.; CONCEIÇÃO, G. H. (Orgs.) Política, educação e cultura. Cascavel: Edunioeste, 2008,p. 33-53.

SACRISTÁN, J. G.; EVANGELISTA, O. Avaliação e responsabilização pelos resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 1, p. 127-160, jan./jun. 2011.

Downloads

Publicado

2019-01-23

Como Citar

SOUZA, V. A. de. Políticas públicas e trabalho docente: a política do PDE-Escola e os desdobramentos da lógica de accountability. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 6, n. 1, 2019. DOI: 10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v6n1a2017-11. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/46365. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos