A JUNÇÃO DO CONCEITO DE CICLOS COM A PROGRESSÃO CONTINUADA NA REDE PÚBLICA ESTADUAL PAULISTA E AS CONCEPÇÕES DE UM GRUPO DE PEDAGOGAS

Autores

  • Anoel Fernandes Faculdade de Itapecerica da Serra

Resumo

Resumo: O presente artigo tem como objetivo verificar como os conceitos de ciclos e progressão continuada são expostos nos textos oficiais e incorporados no plano do pensamento de um grupo de professoras atuantes no ciclo I da rede pública estadual paulista. Como procedimento de pesquisa, aplicou-se um questionário para 37 professoras. A tendência identificada foi de as professoras conceberem os conceitos de ciclos e progressão continuada como sinônimos tal como definido pela SEE/SP. Os dados sugerem haver relação entre o conhecimento/diferenciação dos conceitos e um posicionamento mais crítico ante a política educacional que organizou o ensino em ciclos com progressão continuada, assim como, a adesão ao disposto oficialmente pode estar associada à não diferenciação conceitual

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ADORNO, T. Opinión, Locura, Sociedad. In: ADORNO, T. Intervenciones: nueve modelos de crítica. Caracas: Monte Avila,, p. 137-60, 1969.

ADORNO, T. Teoria de La seudocultura. In: Sociologia. Madrid, Taurus Ediciones S.A.,p. 233-267, 1972.

ADORNO, T. Mínima moralia. . Lisboa. Editora: edições 70, 1983.

ADORNO, T. 1995. Notas marginais sobre teoria e práxis. In: ADORNO, T. Palavras e sinais: Modelos Críticos 2. Petrópolis – Rio de Janeiro. Editora Vozes.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96). Ministério da Educação e Cultura, 1996.

DIAS, V. E. M. A organização escolar em ciclos: um estudo sobre a Progressão Continuada do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Educação – UFSCAR – São Carlos, 2004.

FREITAS, L. C. de. Ciclos de progressão continuada: vermelho para as políticas públicas. Revista Eccos, São Paulo, v.4, n.1, p. 79-93, junho, 2002.

FREITAS, L. C. de. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n.86, p. 133-170, 2004.

MAAR, W. L.. À guisa de introdução: Adorno e a experiência formativa. In:ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

MAINARDES, J. Reinterpretando os ciclos de aprendizagem. São Paulo: Cortez, 2007.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.

MIRANDA, M. G. Sobre tempos e espaços da escola: do princípio do conhecimento ao princípio da socialidade. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, maio/ago, 2005.

SÃO PAULO (ESTADO). Deliberação CEE 9/97. Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o regime de Progressão Continuada no ensino

fundamental. DOE de 05 de maio de 1997.

SÃO PAULO (ESTADO). CEE. Indicação CEE nº. 22/97, de 17 de dezembro de 1997. Avaliação e Progressão Continuada. Diário Oficial do Estado de São Paulo, seção I, p. 18, 20 de dezembro de 1997.

SÃO PAULO (ESTADO). Sistema de avaliação de rendimento escolar do estado de São Paulo: implantação e continuidade. In: Sistemas de avaliação educacional. Secretaria de Estado da Educação. São Paulo: FDE, v.30, p.9-20. Série Ideias, 1998.

SELLTIZ, C. et. al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. Tradução de Dante Moreira Leite. 4ªReimpressão. São Paulo: EPU, 1974.

SILVA, M. R. da. Currículo, reformas e a questão da formação humana: uma reflexão a partir da Teoria Crítica da Sociedade. Educar, Curitiba, n. 17, p. 111 - 123. Editora da UFPR, 2001.

Downloads

Publicado

2015-07-09

Como Citar

Fernandes, A. (2015). A JUNÇÃO DO CONCEITO DE CICLOS COM A PROGRESSÃO CONTINUADA NA REDE PÚBLICA ESTADUAL PAULISTA E AS CONCEPÇÕES DE UM GRUPO DE PEDAGOGAS. Revista Educação E Políticas Em Debate, 3(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/30286

Edição

Seção

Artigos