REFLEXÕES SOBRE A MULHER, A ESCOLA E A VIOLÊNCIA NA SOCIEDADE CAPITALISTA

Autores

  • Veralúcia Pinheiro Universidade Estadual de Goiás

Resumo

No presente artigo discutimos a participação feminina em conflitos violentos na escola. A partir de narrativas de estudante e de professoras de uma escola pública estadual de Anápolis/GO procuramos analisar as ideologias disseminadas por toda a sociedade sobre a atual existência de uma igualdade entre os sexos. O diálogo com os autores consultados aponta para a desmistificação desse discurso ora dominante, chamado de "pós-moderno", cujas ilusões mais evidentes consistem em acreditar que o centro hegemônico do mundo ocidental, não é mais o homem, branco e heterossexual prevalecendo agora, as identidades "múltiplas" e "flexíveis", as quais trazem em seu bojo a questão da emancipação feminina. Todavia, a realidade nos mostra que as mulheres são as principais vítimas do atual desenvolvimento capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Veralúcia Pinheiro, Universidade Estadual de Goiás

Doutora em Educação pela Unicamp. Professora e pesquisadora na Universidade Estadual de Goiás, Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas de Anápolis. Atualmente atua em cursos de Graduação e no Mestrado Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologias - MIELT. E-mail: pinheirovp@yahoo.com.br

Referências

COSTA, J. F. Violência e psicanalise. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

EAGLETON, T. As ilusões do pós-modernismo. Tradução: Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 1998.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São PAULO, UNESP, 1993.

KURZ, R. Virtudes femininas: a crise do feminismo e a gestão pós-moderna. [on-line], 09 jan 2000. Disponível em: <http://obeco.planetaclix.pt/>. Acesso em: 18.01.2014.

MARX, K. Sobre o suicídio. Tradução: Rubens Enderle; Francisco Fontanella. São Paulo: Boitempo, 2006.

SCHOLZ, R. O valor é o homem: teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos. Tradução de José Marcos Macedo. São Paulo: Novos Estudos – CEBRAP, n. 45 – julho de 1996, pp. 15-36.

SCHOLZ. A teoria da cisão de gêneros e a teoria crítica de Adorno. In: SCHWARZ, M.; CEVASCO, E.; OHATA, M. (Orgs.). Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. Tradução: Marcos Branda Lacerda. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PINHEIRO, V. A política social como estratégia do Estado no enfrentamento da violência juvenil. In: LAGO, M. P do; MOZZER, G. N. de S.; SANTIBANEZ, D. A. (Orgs). Adolescência: temores e saberes de uma sociedade de conflito. Goiânia: Cânone, 2013.

SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes. Petrópolis/RJ: 2ª. Ed. Vozes, 1979.

VOGELE, J. O lado obscuro da capital: “masculinidade” e “feminilidade” como pilares da modernidade. [on-line], 2007.Disponível em: <http://obeco.planetaclix.pt/>. Acesso em: 18.01.2014.

Downloads

Publicado

2014-09-08

Como Citar

Pinheiro, V. (2014). REFLEXÕES SOBRE A MULHER, A ESCOLA E A VIOLÊNCIA NA SOCIEDADE CAPITALISTA. Revista Educação E Políticas Em Debate, 3(1). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/27688

Edição

Seção

Artigos