A Educação do Campo como contraponto ao colonialismo digital em território camponês

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT185171131

Palavras-chave:

território, Educação do Campo, globalização, colonialismo digital, colonialismo de dados

Resumo

O campo é reconhecido como um local diverso, formado por identidades territoriais que se inserem na luta de classes no contexto do capitalismo globalizado urbano-rural. Com o avanço do meio-técnico-científico-informacional, surgem novas ferramentas que promovem a globalização sobre esses territórios, explorando-os e maximizando o lucro através do que é denominado de Colonialismo Digital e/ou colonialismo de Dados. Isso caracteriza a era do capitalismo de vigilância, em que todos os aspectos da experiência humana são explorados para a acumulação de capital. O movimento Por Uma Educação do Campo é apresentado como um contraponto a essas formas de exploração, e a pesquisa realizada aborda o tema por meio de uma pesquisa bibliográfica que permite uma análise ampla de fenômenos já estudados. O objetivo deste artigo é entender como essas novas formas de exploração afetam o território camponês e como o movimento Por uma Educação do Campo pode ser utilizado como uma alternativa para mitigar os efeitos e avanços dessa exploração e expropriação dos aspectos educacionais, culturais, políticos, sociais e econômicos dos territórios e povos do campo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kauã Arruda Wioppiold, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGEO), Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

 

Ane Carine Meurer, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Educação UFBA; professora do Departamento de Fundamentos da Educação, Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil.

Downloads

Publicado

16-11-2023

Como Citar

WIOPPIOLD, K. A.; MEURER, A. C. A Educação do Campo como contraponto ao colonialismo digital em território camponês. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 18, n. 51, p. 128–145, 2023. DOI: 10.14393/RCT185171131. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/71131. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Edição Especial Metodologias Qualitativas de Pesquisa e/ou Ação