Acesso e permanência de pessoas com deficiência no ensino superior: participação na academia científica como forma de ativismo político

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n3a2023-68502

Palavras-chave:

pessoas com deficiência, Políticas públicas, Ensino superior, Pesquisa qualitativa

Resumo

A educação brasileira para estudantes com deficiência foi marcada por processos de exclusão pautados em modelos estigmatizantes de compreensão da deficiência. O objetivo desta pesquisa foi analisar os discursos de pessoas com deficiência acerca do seu acesso e permanência ao ensino superior. Foi uma pesquisa de abordagem qualitativa. As informações foram obtidas por meio de entrevistas narrativas com 16 participantes e diário de campo e analisadas a partir da análise de discurso na perspectiva da psicologia histórico-cultural. Os resultados apontam para a presença de barreiras no acesso e permanência na graduação e especialmente na pós-graduação e para a intersecção da deficiência com raça e classe como um importante elemento a ser considerado pelas políticas públicas de inclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana Cavalcante Marinho Paiva, Universidade Federal de Santa Catarina - Brasil

Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Marivete Gesser, Universidade Federal de Santa Catarina - Brasil

Pós- Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

ANGELUCCI, C. B; SANTOS, L. S. DOS; PEDOTT, L. G. O. Conhecer é transformar: notas sobre a produção implicada de modos anticapacitistas de habitar a universidade. In: Gesser, M., Kempfer Böck, G. L., Lopes, P. H. (Orgs.). Estudos da deficiência: anticapacitismo e emancipação social (pp. 55-72) 2020. Curitiba: CRV. DOI: https://doi.org/10.24824/978655868467.1.

BIERNACKI, P; WALDORF, D. Snowball Sampling—Problems and Techniques of Chain Referral Sampling. Sociological Methods & Research, 10, 141-163, 1981. DOI: https://doi.org/10.1177/004912418101000205.

BRASIL. Lei nº.13.409/2016 para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. 2016. Presidência da República, Secretaria-Geral, Subchefia para Assuntos Jurídicos.

BRASIL. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil. Secretaria de Direitos Humanos. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. 2008.

BRASIL. [CDPD, 2009]. Decreto no 6.949/2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo. 2009.

BRUNER, J. A construção da realidade narrativa. Critical Inquiry, Chicago, v. 18, p. 1-21, 1991.

CAIXETA, J. U.; BORGES, F. T. Da Entrevista Narrativa à Entrevista Narrativa Mediada: definições, caracterizações e usos nas pesquisas em desenvolvimento humano. Em Desenvolvimento Humano. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 6 (4), 67-88. 2007. DOI: https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2017v6i4.p67-88.

CAMARGO, A. M. M. DE; ARAÚJO, I. M. Expansão e interiorização das universidades federais no período de 2003 a 2014: perspectivas governamentais em debate. Acta Scientiarum. Education, vol. 40, núm. 1, e37659., 2018. DOI: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v40i1.37659.

CAMPBELL, F. K. Inciting Legal Fictions: Disability’s Date with Ontology and the Ableist Body of the Law. Griffith Law Review, London, v. 10, n. 1, p. 42-62, 2001.

CARNEIRO, R. U. C., PEDROSO, C. C. A.; SANTOS, D. C. C. F. Inclusão escolar na perspectiva do professor especializado. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 4, 2022, p. 2880-2897, out./dez. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v17i4.17454.

CRESPO, A. M. M. Da invisibilidade à construção da própria cidadania: os obstáculos, as estratégias e as conquistas do movimento social das pessoas com deficiência no Brasil, através das histórias de vida de seus líderes. Tese (Doutorado em História social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2009. DOI: https://doi.org/10.11606/T.8.2010.tde-28052010-134630.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Princípios, Políticas e Práticas na área das Necessidades Educativas Especiais. Espanha. 1994.

DINIZ, D. (2007). O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense.

GESSER, M; BLOCK, P; MELLO, A. G. Estudos da Deficiência: interseccionalidade, anticapacitismo e emancipação social. In. Estudos da deficiência: anticapacitismo e emancipação social / Marivete Gesser, Geisa Letícia Kempfer Böck, Paula Helena Lopes (organizadoras). Curitiba: CRV, 2. 2020. DOI: https://doi.org/10.24824/978655868467.1.

GESSER, M; ZIRBEL, I; LUIZ, K. G. Cuidado na dependência complexa de pessoas com deficiência: uma questão de justiça. Revista Estudos Feministas, 30 (Rev. Estud. Fem., 2022 30(2)). DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n286995.

GUERRA, I. Lucha contra el Capacitismo. Anarquismo e Capacitismo. Ed Terrasemamos. 2021.

INEP. Instituto Nacional De Estudos E Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar 2018. Brasília: Mec, 2022.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: Ipea, 2018.

ISAACS, D. I Don’t Have Time for This’: Stuttering and the Politics of University Time. Scandinavian Journal of Disability Research, 22(1), pp.58–67, 2020. DOI: http://doi.org/10.16993/sjdr.601.

JANUZZI, G. (1985). A luta pela educação do “deficiente mental” no Brasil. São Paulo: Cortez, Autores Associados.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Ed. Cobogó. 2018, MELLO, A. G. de. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, 21(Ciênc. saúde coletiva, 2016 21(10)). DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152110.07792016.

MELLO, A; FERNANDES, F; GROSSI, M. Entre o pesquisar e o militar: engajamento político e construção da teoria feminista no Brasil. Revista Ártemis, Vol. XV, nº 1, p 10 -29, 2013.

MELO, F. R. L. V. DE; ARAÚJO, E. R. Núcleos de Acessibilidade nas Universidades: reflexões a partir de uma experiência institucional. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 22, p. 57-66, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-35392018046.

MOURA, M. Universidades públicas respondem por mais de 95% da produção científica do Brasil. Blog, política científica e tecnológica, reportagens e artigos. (11 de abril de 2019). Disponível em: https://ciencianarua.net/universidades-publicas-respondem-por-mais-de-95-da-producao-cientifica-do-brasil.

MOZZI, G. de (2020). Universidade(s) e deficiência(s): interfaces, tensões e processos. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional. Porto Alegre- RS.

MORAES, M. PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual. In: Moraes, M. e Kastrup, V. Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau Editora. 2010.

PAIVA, J. C. M (2014). Trabalho e seus sentidos: estudo com servidores com deficiências numa IES. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

SANTOS, P. O. dos; SANTOS NETO, J. L. dos; BEZERRA NETO, L. Políticas públicas para a democratização do ensino superior público: o registro da experiência do curso de especialização em Educação no Campo da UFSCar. Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 285–297, 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n1a2023-67547.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes. 2008.

Publicado

2023-07-12

Como Citar

PAIVA, J. C. M.; GESSER, M. Acesso e permanência de pessoas com deficiência no ensino superior: participação na academia científica como forma de ativismo político : . Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1117–1131, 2023. DOI: 10.14393/REPOD-v12n3a2023-68502. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/68502. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICAS PÚBLICAS LUSO-BRASILEIRAS DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA PESSORAS COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR