Gota do que não se esgota: a ação afirmativa como tensão à estrutura universitária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64900

Palavras-chave:

Ações afirmativas, Significado de ser cotista, Universidade Estadual de Londrina

Resumo

Partindo da Universidade Estadual de Londrina como objeto, a pesquisa em tela teve por objetivo compreender as possíveis transformações ocorridas na estrutura universitária com a adoção de ações afirmativas. A metodologia utilizada foi de ordem qualitativa, realizamos entrevistas com diferentes atores, sobretudo, os estudantes; além disso, também nos valemos de pesquisa documental em documentos oficiais da instituição e em jornais locais; utilizamos ainda, em menor escala, pesquisa quantitativa. O significado de ser cotista revelou-se um importante ponto de observação da relação entre estrutura universitária e sistema de cotas. Por fim, a pesquisa demonstrou que a alteração do significado de ser cotista tem produzido uma tensão na estrutura universitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nikolas Pallisser Silva, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos, atualmente é doutorando em sociologia pelo mesmo programa, com bolsa CAPES.

Priscila Martins de Medeiros, Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Professora adjunta do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFSCar.

Referências

ANCHIETA, K. A. História da implantação do sistema de cotas para negros na Universidade Estadual de Londrina – UEL (2000-2005). Dissertação, Mestrado em Educação – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2008.

ANDRADE, P. H. As ações afirmativas na UEL: um estudo sobre a sociabilidade dos estudantes negros. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Londrina, 2010.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20/11/2021.

BRASIL. LEI Nº 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Inclui no currículo oficial a obrigatoriedade da temática ‘História e Cultura Afro-Brasileira’. Brasília, DF: Presidência da República. [2003]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 20/11/2021.

BRASIL. LEI Nº 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Brasília, DF: Presidência da República. [2008]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 20/11/2021.

BRASIL. LEI Nº Lei nº 12.519 de 10 de novembro de 2011. Institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Brasília, DF: Presidência da República. [2011]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12519.htm. Acesso em: 20/11/2021.

BRASIL. LEI Nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Brasília, DF: Presidência da República. [2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em: 20/11/2021.

BRASIL. LEI Nº 13.404, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Brasília, DF: Presidência da República. [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13409.htm#art1. Acesso em: 20/11/2021.

FANON, F. Pele negra máscaras brancas. Salvador: EDUFB. 2008.

FLOR, C. G.; KAWAKAMI, E. A.; SILVÉRIO, V. R. Tornar-se sujeito afro-diaspórico: working with Du Bois, Frantz Fanon e Stuart Hall. Contemporânea. São Carlos, v. 10, n. 3: setembro – dezembro, 2020, p. 1289 – 1322.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo, Brasil: Edições Loyola, 1996.

HALL, Stuart. Cultura e Representação: Rio de Janeiro Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

LONDRINA. LEI Nº 6.587, de 21 de maio de 1996. Cria o Conselho Municipal de Apoio à Comunidade Negra de Londrina. Londrina: Câmara Municipal, [1996]. Disponível em: https://www2.cml.pr.gov.br/cons/lnd/leis/1996/L06587.htm. Acesso em: 25/11/2021.

LONDRINA. LEI Nº 10.185, de 27 de março de 2007. Cria o Conselho Municipal da Promoção da Igualdade Racial, Revoga a Lei nº 6.587, de 21 de Maio de 1996. Londrina: Câmara Municipal, [2007]. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/pr/l/londrina/lei-ordinaria/2007/1018/10185/lei-ordinaria-n-10185-2007-cria-o-conselho-municipal-da-promocao-da-igualdade-racial-revoga-a-lei-n-6587-de-21-de-maio-de-1996-e-da-outras-providencias. Acesso em: 25/11/2021.

MEDEIROS, P. M. Das Lutas Políticas ao Reconhecimento Jurídico: relações raciais, ensino superior e ações afirmativas no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

NASCIMENTO, A. O negro revoltado. Rio de Janeiro, Edições GRD, 1968.

PALLISSER SILVA, N. G. As ações afirmativas: alguns aspectos do desempenho acadêmico dos cotistas na UEL. Londrina. Monografia (Graduação em Ciências Sociais). Centro de Letras e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2016.

PALLISSER SILVA, N. G. As ações afirmativas como tensão à estrutura universitária: o caso da UEL (2004-2018). São Carlos. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (PPGS-UFSCar), 2019.

PELLEGRINI, B. Eu e a Yá, A Yá e Eu: nossa vida com Mukumby. In.: SILVA, Maria Nilza da. PACHECO, Jairo Queiroz (Orgs.). Dona Vilma: cultura negra como expressão de luta e vida – Londrina: UEL, 2014.

PINHEIRO, L.; [et al]. Retrato das Desigualdades 2ª edição. Brasília, setembro, 2006.

SAID, E. W. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SEGATO, Rita Laura. Raça é signo. Brasília: UnB, 2005. (Série Antropologia nº 372), p. 1-16.

SILVA, L. (CUTI). Quem tem medo da palavra negro. Revista Matriz, Porto Alegre, nov. 2010.

SILVA, M. N. da. As cotas raciais na Universidade estadual de Londrina e a proporcionalidade: O impacto de uma particularidade. In: SANTOS, Jocélio Teles dos (Org.). Cotas nas universidades: análise dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012, p. 77-97.

SILVA, M. N. da. O negro em Londrina: da presença pioneira negada à fragilidade das ações afirmativas na UEL. Revista Espaço Acadêmico, nº 82, março de 2008, p. 1-10. Disponível em: http://docplayer.com.br/15958383-O-negro-em-londrina-da-presenca-pioneira-negada-a-fragilidade-das-acoes-afirmativas-na-uel.html. Acesso em: 25/11/2021.

SILVA, T. D. Ação afirmativa e população negra na educação superior: acesso e perfil discente. Texto Para Discussão: 2569. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Brasília: Rio de Janeiro, junho de 2020.

SILVÉRIO, V. R. A (re)configuração do nacional e a questão da diversidade. In: ABRAMOWICZ, A.; SILVÉRIO, V. R. (Orgs.). Afirmando diferenças: montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Campinas: Papirus, 2005.

SILVÉRIO, V. R. As cotas para negros no tribunal: a audiência pública do STF. São Carlos: EdUFScar, 2012.

SILVÉRIO, V. R. MEDEIROS, P. M. Ação afirmativa para negros e indígenas: um ensaio sobre a crise do discurso civilizacional e a reorientação nas políticas públicas de inclusão no Brasil. In.: ARTES, A.; UNBEHAUM, S.; SILVÉRIO, V. R. (Orgs.). Ações Afirmativas no Brasil: reflexões e desafios para a pós-graduação. São Paulo: Cortez: Fundação; v. 2, 2016, p. 61-92.

SILVÉRIO, V. R. Quem negro foi e quem negro é? Anotações para uma sociologia política transnacional negra. In.: Bernardino-Costa, Joaze; Maldonado-Torres, Nelson; Grosfoguel, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte, Autêntica: 2018, p. 269-284.

SOUZA, A. E. P. de. Políticas de ação afirmativa e as construções identitárias exigidas, manipuladas e disputas por seus beneficiários. Marília. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP – Marília, 2019.

TRINDADE, L. R. da. Fortalecendo os fios: a emergência dos coletivos de estudantes negros e negras em universidades da região sudeste. São Carlos. Tese (Doutorado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (PPGS-UFSCar), 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Conselho Universitário. Resolução nº 78/2004. Estabelece a reserva de vagas no Concurso Vestibular. Londrina: Conselho Universitário, 2004. Disponível em: http://www.uel.br/prograd/docs_prograd/resolucoes/resolucao_78_04.pdf. Acesso em: 25/11/2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Conselho Universitário. Resolução nº 015/2012. Estabelece a reserva de vagas no Processo Seletivo Vestibular. Londrina: Conselho Universitário, 2012. Disponível em: http://www.uel.br/prograd/docs_prograd/resolucoes/2012/resolucao_15_12.pdf. Acesso em: 25/11/2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Conselho Universitário. Resolução nº 008/2017. Estabelece a reserva de vagas no Processo Seletivo Vestibular e no Sistema de Seleção Unificado. Londrina: Conselho Universitário, 2017. Disponível em: http://www.uel.br/prograd/documentos/resolucoes/2017/resolucao_08_17.pdf.

Downloads

Publicado

2022-03-01

Como Citar

Silva, N. P. ., & Medeiros, P. M. de . (2022). Gota do que não se esgota: a ação afirmativa como tensão à estrutura universitária. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(1), 63–82. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n1a2022-64900

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS EM INSTITUIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR (IES): EM DEBATE O ACESSO E A EQUIDADE