Fatores de qualidade no ensino superior e o desempenho no trabalho dos docentes universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-64729

Palavras-chave:

Professor universitário, Ensino superior, Metodologia Q, Abordagem quali-quantitativa, Avaliação do ensino

Resumo

Objetivou-se compreender os fatores da qualidade do ensino superior no campo de atividade do professor universitário. Como aspecto teórico, ressalta-se a gestão da qualidade como inclusão, convivência, relações e vínculo emocional para além dos saberes pedagógicos. Utilizou-se a abordagem quali-quantitativa com o uso da escala Q. Participaram professores e coordenadores de instituições privadas de ensino superior de São Paulo/SP. Identificou-se quatro dimensões que contribuem com a qualidade do ensino universitário: comportamento do professor; desempenho e atualização do professor, conceito do ensino superior e condições de trabalho. O fator que mais contribuiu para a qualidade do desempenho do professor universitário foi o sentimento de prazer do docente no desempenho do seu trabalho.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita Eliana Masaro, Universidade Federal de Mato Grosso - Brasil

Doutora em Psicologia Social e do Trabalho pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Instituto de Educação - Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Cuiabá, Mato Grosso (MT), Brasil.

Alessandro Vinicius de Paula, Universidade Federal de Mato Grosso - Brasil

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Professor/pesquisador no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (PPGPsi-UFMT) e no curso de graduação em Psicologia da UFMT. Cuiabá, Mato Grosso (MT), Brasil.

Referências

BARBOSA, M. L. O.; NEVES, C. E. B. Internationalization of higher education: institutions and knowledge diplomacy. Sociologias, v. 22, n. 54. p. 22-44, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/15174522-104425

BENDASSOLLI, P. F. Reconhecimento no trabalho: perspectivas e questões contemporâneas. Psicologia em Estudo, v. 17, n. 1, p. 37-46, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000100005 .

BERTOLIN, J. C. G. Avaliação da qualidade do sistema de educação superior brasileiro em tempos de mercantilização – período de 1994-2003. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS, 2007. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/10339 Acesso em: 09 nov. 2021.

BIGRAS, M.; DESSEN, M. A. O Método Q na avaliação psicológica: utilizando a família como ilustração. Avaliação Psicológica, v. 1, n. 2, p. 119-131, 2002. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712002000200005&lng=pt&nrm=iso Acesso em: 09 nov. 2021.

BRASIL. Portaria 429 de 02 de julho de 2020. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 08 jul. 2020, seção 1, n. 129 p. 24 Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_superior/indicadores/legislacao/2020/PORTARIA_N_429_02072020.pdf . Acesso em: 19 mar. 2022.

BREWER-DELUCE, D.; SHARMA, B.; AKHTAR-DANESH, N.; JACKSON, T.; WAINMAN, B. C. Beyond Average Information: How Q-Methodology Enhances Course Evaluations in Anatomy. Anatomical Sciences Education, v. 13, n. 2, p. 137–148, 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/ase.1885.

BROWN, S. R. A história e os princípios da Metodologia Q em Psicologia e das Ciências Sociais. 1997. Disponível em: http://facstaff.uww.edu/cottlec/QArchive/Bps.htm. Acesso em: 09 nov. 2021.

BROWN, S. R. Q methodology and qualitative research. Qualitative Health Research, v. 6, n. 4, p. 561-567, 1996. DOI: https://doi.org/10.1177/104973239600600408 .

CAVALCANTI, L. M. R.; GUERRA, M. G. G. V.; GOMES, C. S. F. Avaliação de cursos do ensino superior no Brasil: o SINAES na sua relação com a qualidade. Eccos - Revista Científica, n. 56, p. 01-20, e13437, 2021. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n56.13437.

CONNELL, R. Bons professores em um terreno perigoso: rumo a uma nova visão da qualidade e do profissionalismo. Educação e Pesquisa, v. 36, n. spe, p. 165-184, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000400013 .

CUNHA, M. C. K. A técnica Q: coletando dados subjetivos na área de Linguística Aplicada. In: FIGUEIREDO, C. A.; JESUS, O. F. (Org.). Linguística Aplicada: aspectos da leitura e do ensino de línguas. Uberlândia: EDUFU, 2005a, p. 116-129.

CUNHA, M. C. K. Ambiente de aprendizagem em aulas de língua estrangeira: percepções de aprendizes reveladas pela Metodologia Q. 2005b. 248p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas - SP. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12733/1601429 . Acesso em: 6 abr. 2022. DOI: https://doi.org/10.47749/t/unicamp.2005.359531.

DALLAGNOL, C.; BROTTO, I. J. O. Educação Superior: as emoções e o processo de ensino-aprendizagem. Práxis Educativa, v. 16, p. 01–16, 2021. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.16.18474.077.

DAVOK, D. F. Qualidade em educação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 12, n. 3, p. 505–513, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772007000300007.

DEMO, P. Educação e qualidade. 6 ed. São Paulo: Papirus, 2001.

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1985.

DIAS SOBRINHO, J. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educação & Sociedade. 2010, v. 31, n. 113, p. 1223-1245. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400010 .

FELTRIN, T.; BATISTA, L. N. Autoformação docente em tempos de pandemia: da (im)possibilidade da reinvenção sem cuidado de si. Revista Científica Educ@ção, v. 4, n. 8, p. 1017-1029, 2020. DOI: https://doi.org/10.46616/rce.v4i8.128.

FREITAS, L. G. Docente, seu trabalho e a dinâmica de prazer-sofrimento. In: FREITAS. L. G. (Coord). Prazer e Sofrimento no Trabalho Docente. Curitiba, Juruá Editora, 2013.

GUSSO, H. L.; ARCHER, A. B.; LUIZ, F. B.; SAHÃO, F. T.; LUCA, G. G. de; HENKLAIN, M. H. O.; PANOSSO, M. G.; KIENEN, N.; BELTRAMELLO, O.; GONÇALVES, V. M. Ensino superior em tempos de pandemia: diretrizes à gestão universitária. Educação & Sociedade, v. 41, p. e238957, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/ES.238957.

MANCEBO, D. Agenda de pesquisa e opções teórico-metodológicas nas investigações sobre trabalho docente. Educação & Sociedade, v. 28, n. 99, p. 466-482, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302007000200009 .

MICHELS, M. H. Política de formação de professores: a “qualidade” como problema. Atos de Pesquisa em Educação, v. 16, p. e8358, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.7867/1809-0354202116e8358.

MONTEIRO, B. M. M.; SOUZA, J. C. Saúde mental e condições de trabalho docente universitário na pandemia da COVID-19. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, p. e468997660, 2020. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7660.

NOVAES, A. Professor é uma pessoa: constituição de subjetividades docentes na periferia de São Paulo. Novos estudos CEBRAP, v. 39, n. 1, p. 59–79, 2020. DOI: https://doi.org/10.25091/S01013300202000010001.

OLIVEIRA, F. L. Educação transformada em EAD durante a pandemia: quem e o que está por trás dessa ação? In: AUGUSTO, C. B.; SANTOS, R. D. (Org.). Pandemias e pandemônio no Brasil. [livro eletrônico] São Paulo: Tirant lo Blanch, 2020. pp 247-260. Disponível em: http://www.saude.ufpr.br/portal/epmufpr/wp-content/uploads/sites/42/2020/07/Pandemias-e-pandemo%CC%82nio-no-Brasil.pdf.pdf.pdf Acesso em: 09 nov. 2021.

ORGANISATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Um roteiro para guiar a resposta educacional à Pandemia da COVID-19 de 2020. Paris: Organisation for Economic Cooperation and Development (OECD), 30 mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.1787/da7015da-pt .

PEREIRA, H. P.; SANTOS, F. V.; MANENTI, M. A. Saúde mental de docentes em tempos de pandemia: os impactos das atividades remotas. Boletim de Conjuntura (BOCA), v. 3, n. 9, p. 26-32, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3986851.

POLO, F. C. Calidad docente en el ámbito universitario: un estudio comparativo de las universidades andaluzas. EDUCADE - Revista de Educación en Contabilidad, Finanzas y Administración de Empresas. n. 02, p. 157 – 172, 2011. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3965502 .Acesso em: 18 mai. 2021. DOI: https://doi.org/10.12795/educade.2011.i02.09.

RERKE, V. I.; BELYAKOVA, N. V.; KHUDYAKOVA, T. L.; KLEPACH, Y. V.; PLATONOVA, E. V.; MILORADOVA, N. G.; POZDNYAKOVA, I. R. Introspectiveness of Higher Education Students: Study and Development. Propósitos y Representaciones, v. 9, spe1, p. e1222, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.20511/pyr2021.v9nSPE1.1222 .

ROSSI, E.; BITTENCOURT, Z. A.; MARQUEZAN, F. F. As contribuições do professor universitário para o engagement acadêmico. Revista Educação & Formação, v. 6, n. 3, p. e4609, 2021. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v6i3.4609.

SAMPAIO, S.; GALVÃO, M. C.; BALDONI, N.; FERNANDES, M. N.; DONADELI, J.; SANTOS, M.; ROCHA, J.; SANTOS, A. M.; FERREIRA, J.; FORSTER, A. Analisando o uso do método Q nos estudos sobre educação em saúde. Anais... XIV Jornadas da Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde (APDIS). 26 e 27 março 2020. Centro Hospitalar Universitário do Porto (Hospital de Santo António). Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.26/34834 . Acesso em: 16 mai. 2021.

SANCHEZ, H. M.; SANCHEZ, E. G. M.; BARBOSA, M. A.; GUIMARÃES, E. C.; PORTO, C. C. Impacto da saúde na qualidade de vida e trabalho de docentes universitários de diferentes áreas de conhecimento. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 11, p. 4111–4123, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.28712017 .

SANTOS, S. R.; SCHOR, N. Vivências da maternidade na adolescência precoce. Revista de Saúde Pública, v. 37, n. 1, p. 15-23, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102003000100005.

STENNER, P.; STAINTON ROGERS, R. Q methodology and qualiquantology: the example of discriminating between emotions. In: TODD Z, N. B, MCKEOWN S, CLARKE D. D. (ed.)., Mixing Methods in Psychology: The Integration of Qualitative and Quantitative Methods in Theory and Practice. Hove/UK: Psychology Press, 2004. p. 101-120.

STEPHENSON, W. The study of behavior; Q-technique and its methodology. Chicago: University of Chicago Press, 1953.

TOMEI, P. A.; RUSSO, G. M. Práticas Metodológicas em Administração: o caso da utilização da metodologia-Q como ferramenta para pesquisa e diagnóstico da cultura organizacional. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 1, p. 9–37, 2013. DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2013.v14n1.71.

VIEIRA, J. A.; CASTAMAN, A. S.; JUNGES JÚNIOR, M. L. Produtivismo acadêmico: representação da universidade como espaço de reprodução social. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 26, n. 1, p. 253–269, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772021000100014.

VIVIAN, C.; TRINDADE, L. L.; VENDRUSCOLO, C. Prazer e sofrimento docente: estudo na pós-graduação stricto sensu. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 20, n. 3, p. 1064–1071, 2020. DOI: https://doi.org/10.17652/rpot/2020.3.18949 .

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seus cenários e protagonistas. Reimpressão 2007. Porto Alegre: Artmed, 2004. 239 p.

ZAIDAN, J. M.; GALVÃO, A. C. Covid-19 e os abutres do setor educacional: a superexploração da força de trabalho escancarada. In: AUGUSTO, C. B.; SANTOS, R. D. (Org.). Pandemias e pandemônio no Brasil. [livro eletrônico] São Paulo: Tirant lo Blanch, 2020. p 261-275. Disponível em: http://www.saude.ufpr.br/portal/epmufpr/wp-content/uploads/sites/42/2020/07/Pandemias-e-pandemo%CC%82nio-no-Brasil.pdf.pdf.pdf Acesso em: 09 nov. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-12

Como Citar

Masaro, R. E., & Paula, A. V. de. (2022). Fatores de qualidade no ensino superior e o desempenho no trabalho dos docentes universitários. Revista Educação E Políticas Em Debate, 11(2), 705–724. https://doi.org/10.14393/REPOD-v11n2a2022-64729

Edição

Seção

DOSSIÊ - ESTADO NEOLIBERAL E RETROCESSOS DEMOCRÁTICOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO