A Hegemonia das avaliações externas e a noção de qualidade que permeia a política de educação integral do Estado de Pernambuco / The Hegemony of external evaluations and the notion of quality that makes Pernambuco State's integral education policy

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v9n2a2020-55142

Palavras-chave:

Ensino médio Integral, Gerencialismo, Avaliações externas

Resumo

O presente artigo é fruto de uma dissertação desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e de pesquisas realizadas pelo Grupo GESTOR – Pesquisa em Gestão da Educação e Políticas do Tempo Livre e tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre a centralidade das avaliações externas na Política de Educação Integral do Estado de Pernambuco - PEI. Metodologicamente realizamos análise documental, revisão bibliográfica e análise de conteúdo das entrevistas realizadas com professores, gestores e coordenadores pedagógicos. Os resultados indicam que no PEI há um processo de introjeção dos mecanismos de cobrança que advém da gestão por resultados, que estabelece mecanismos rígidos de avaliação e responsabiliza os docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thamyrys Fernanda Cândido de Lima Nascimento Nascimento, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE - Pernambuco - Brasil

Acadêmica do Curso de Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Katharine Ninive Pinto Silva, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE - Pernambuco - Brasil

Docente do Núcleo de Formação Docente da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

ADRIÃO, T. et al. Grupos Empresariais na Educação Básica Pública Brasileira: Limites à Efetivação do Direito À Educação. Educ. Soc., Campinas, v. 37, n. 134, p.113-131, jan./mar. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302016157605. Acesso em 20 jan 2019.

ALAVARSE, O. M; Bravo, M. H; Machado, C. Avaliações Externas e Qualidade na Educação Básica: Articulações e Tendências. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 24, n. 54, p. 1231,jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1783/1783.pdf. Acesso em 20 jan 2019.

BOTTOMORE, T. Dicionário do Pensamento Marxista. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. 696 p.

BRASIL. Decreto nº 6.094, de 24 de abril de 2007 – Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. Brasília, DF, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6094.htm. Acesso em 20 jan 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação – Lei nº 13.005/2014. Brasília, DF: MEC, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em 20 jan 2019.

BROOKE, N; CUNHA, M. A. A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados. Estudos e Pesquisas Educacionais – Fundação Victor Civita, 2011. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/avaliacao_externa_fvc.pdf. Acesso em 20 jan 2019.

CHEPTULIN, A. A Dialética Materialista - Categorias e Leis da Dialética. Trad. Leda Ferraz. São Paulo: Alfa e Omega, 1982. 354 p.

CURY, J. C. R. Educação e Contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 6ª ed. São Paulo, Cortez, 1995. 134 p.

DUTRA, P. Educação integral no estado de Pernambuco: uma política pública para o Ensino Médio. Recife: Editora UFPE, 2014.147 p.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da Educação: Nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018. 160 p.

FREITAS, L. C. Os Reformadores Empresariais da Educação: da Desmoralização do Magistério à Destruição do Sistema Público de Educação. Revista Educação e Sociedade, v. 33, n. 119, p. 379-404, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200004. Acesso em: 20 jan 2019.

FREITAS, L. C. Os Reformadores Empresariais da Educação e a disputa pelo controle do processo Pedagógico na Escola. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817. Acesso em: 20 jan 2019.

FRIGOTTO, G. Os delírios da razão: Crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In.: GENTILI, P. (org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 19 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

FRIGOTTO, G. A produtividade da Escola Improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 9. Ed – São Paulo, 2010.p. 263.

MARTINS, E. R. “Movimento todos pela educação”: um projeto de nação para a educação brasileira. 193 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação da faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2013.

MASSON, G. As Contribuições do Método Materialista Histórico e Dialético para a Pesquisa sobre Políticas Educacionais. IX ANPED SUL: Seminários de Pesquisa em Educação para Região Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/966/126. Acesso em: 21 jan 2019.

MÉSZÁROS, I. A Educação para Além do Capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.126 p.

MORAIS, E. V. Utilizações das Escolas de Referência em Ensino Médio pelo Governo do Estado de Pernambuco: uma análise do Programa de Educação Integral. 2013. 199 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea, Universidade Federal de Pernambuco. Caruaru, 2013.

OLIVEIRA, R. P; ARAÚJO, G. C. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, n.28, p. 5-24, jan./fev./mar./abr./ 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782005000100002. Acesso em: 12 de jan 2020.

PERNAMBUCO. Lei Complementar nº 125, de julho de 2008. Disponível em: https://legis.alepe.pe.gov.br/texto.aspx?id=5148&tipo=TEXTOATUALIZADO. Acesso em: 21 jan 2019.

PERNAMBUCO. Programa de Modernização da Gestão Pública - Metas para a Educação, 2007. Disponível em: http://www.educacao.pe.gov.br/portal/?pag=1&men=69. Acesso em: 21 jan 2019.

SANTOS, M. L. S. Políticas de Avaliação Educacional no Estado de Pernambuco: Contra Números, Há Argumentos! 2016. 207 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea, Universidade Federal de Pernambuco. Caruaru, 2016.

SILVA, K. N. P; SILVA, J. A. A. Accountability e intensificação do trabalho docente no Ensino Médio Integral de Pernambuco. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 117- 140, jan./jun. 2014. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/5608. Acesso em: 20 jan 2019.

SOUZA, G. P. Inimigos Públicos: ensaios sobre a mercantilização da educação no Brasil. São Paulo, SP: Usina Editora, 2017. 232 p.

Downloads

Publicado

2020-07-11

Como Citar

Nascimento, T. F. C. de L. N., & Silva, K. N. P. (2020). A Hegemonia das avaliações externas e a noção de qualidade que permeia a política de educação integral do Estado de Pernambuco / The Hegemony of external evaluations and the notion of quality that makes Pernambuco State’s integral education policy. Revista Educação E Políticas Em Debate, 9(2), 305–320. https://doi.org/10.14393/REPOD-v9n2a2020-55142

Edição

Seção

Dossiê: Políticas de avaliação externa e a questão da qualidade da educação no