A avaliação externa na perspectiva de docentes do ensino fundamental em uma escola municipal do interior paulista / External evaluation from the perspective of elementary school teachers in a county school in the in land of São Paulo State

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v9n2a2020-54900

Palavras-chave:

Avaliação externa, Ensino fundamental, Política Pública, Prática Docente

Resumo

Apresenta-se um recorte de pesquisa qualitativa em que se buscou compreender a avaliação externa na perspectiva de docentes do 1º ao 5º ano e sua influência no trabalho pedagógico em uma escola municipal paulista. Recorreu-se ao estudo documental, à legislação e à entrevista semiestruturada. Pesquisou-se os dados da rede municipal disponibilizados pelo Inep (2009 a 2017). Identificaram-se influências da política de avaliação externa na prática pedagógica, configuradas nas categorias: responsabilização vertical; busca por melhores resultados da escola/professores por meio de simulados e de treinamento das crianças; e o estreitamento curricular para atender o que se avalia (mede) nas avaliações externas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Katia Eleotério Rubio, Rede Municipal de Monte Mor - São Paulo - Brasil

Mestre em Educação Escolar. Trabalha na Rede Municipal de Monte Mor.

Geisa do Socorro Cavalcanti Vaz Mendes, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp - São Paulo - Brasil

Doutora em Educação. Docente permanente do Mestrado Profissional na Faculdade de Educação da Unicamp, no Departamento de Ensino e Práticas Culturais. Coordenadora pedagógica acadêmica na Escola do Legislativo da Câmara Municipal de Sumaré-SP.

Referências

AFONSO, A. J. Para uma conceptualização alternativa de accountability em educação. Educ. Soc, Campinas, v.33, n.119, abr-jun 2012, p. 471-484.

ARROYO, M. G. O direito à Formação humana como referente da avaliação. In: SORDI, M. R. L. de; VARANI, A.; MENDES, G. do S. C. V. (Orgs.). Qualidade(s) da escola pública: reinventando a avaliação como resistência –Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 11-30.

BERTAGNA, H. R. Dimensões da formação humana e qualidade social: referência para os processos avaliativos participativos. In: SORDI, M. R. L. de; VARANI, A.; MENDES, G. do S. C. V. (Orgs.). Qualidade(s) da escola pública: reinventando a avaliação como resistência. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 31-46.

BERTAGNA, H. R.; BORGHI, R,F. Possíveis relações entre avaliação e sistemas apostilados privados em escolas públicas. Educação: Teoria e Prática, vol. 21, n. 38, out/dez./2011.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 05 de outubro de 1988.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394, de dezembro de 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 10 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Ministerial nº 931, de 21 de março de 2005. Diário Oficial da União, seção 1, 2005.

DIAS SOBRINHO, J. Campo e caminhos da avaliação: a avaliação da educação superior no Brasil. In: FREITAS, L. C. de; (Org.). Avaliação: construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Insular, 2002. p. 13 - 62.

FERNANDES, R. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Brasília, DF: Inep, 2007. (Série documental. Textos para discussão, 26). Disponível em: <http://www.publicacoes.inep.gov.br/arquivos/%7B9C976990-7D8D-4610-AA7C-FF0B82DBAE97%7D_Texto_para_discuss%C3%A3o26.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2018.

FERNANDES, D. Avaliar para Aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Ed. UNESP, 2009.

FISCHER, Beatriz. Avaliação da aprendizagem: a obsessão pelo resultado pode obscurecer a importancia do proceso. In: WERLE, Flávia. (Org.) Avaliação em larga escala: foco na escola. Brasilía: DF: Oikos, Liber, 2010, p. 37-49.

FREITAS, D. N. T. de. Avaliação da Educação Básica no Brasil: Características e Pressupostos. In: BAUER, A.; GATTI, B. (Orgs). Ciclo de debates: Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Florianópolis: Insular, 2013. v.1, p.70-96.

FREITAS, L. C . Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 92, p. 911-933, out 2005.

FREITAS, L. Carlos de. Caminhos da avaliação de sistemas educacionais no Brasil: o embate entre a cultura da auditoria e a cultura da avaliação. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernadete. (Org.). Ciclo de debates: Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Florianópolis: Insular, 2013. v.2, p. 147-176.

FREITAS, L. C. de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n.129, p.1085-1114, out.-dez., 2014. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

FREITAS, Luiz Carlos de. et al. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 9-86.

FRANCO, M. L. P. B. Pressupostos epistemológicos da avaliação educacional. In SOUSA, C. P. de. Avaliação do Rendimento Escolar. (13ª ed.). Campinas: Papirus, 2005.

GATTI, B. A. Avaliação: contexto, história e perspectiva. Olh@res, Guarulhos, v.2, n. 1, p. 8-26, maio 2014. Disponível em: http://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/download/202/76. Acesso em: 19 jun. 2019.

GATTI, B. A. Possibilidades e fundamentos de avaliações em larga escala: primórdios e perspectivas contemporâneas. In: BAUER, A; GATTI, B. A,; TAVARES, M. (Org.). Avaliação externa e em larga escala no âmbito do estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. Florianópolis: Insular, 2013. v.1, p. 47-69.

MENEGÃO, R. de C. G. S. Os impactos da avaliação em larga escala nos currículos escolares. Práxis Educativa, Ponta Grossa, p. 641-656, v. 11, n. 3, set./dez. 2016 Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 10 dez. de 2019.

MYNAIO, S. C. M. de. Ciência, Técnica e Arte: O Desafio da Pesquisa Social. In: MYNAIO, S. C. M. de (Org.). Pesquisa Social. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 9-29.

OLIVEIRA, R. Portela de. A utilização de indicadores de qualidade na unidade escolar ou porque o IDEB é insuficiente. In: BAUER, A; GATTI, B. A., (Orgs). Ciclo de debates: Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Florianópolis: Insular, 2013. v.2. p 87-100.

SANTOS, A. A. dos; HORTA NETO, J. L.; JUNQUEIRA, R. D,. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Sinaeb): proposta para atender ao disposto no Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. Disponível: http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/sistema_nacional_de_avaliacao_da_educacao_basica_sinaeb_proposta_para_atender_ao_disposto_no_plano_nacional_de_educacao_1.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

SANTOS, Lucíola. A avaliação em debate. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernadete (Orgs). Avaliação externa e em larga escala no âmbito do estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. Florianópolis: Insular, 2013. v.2. p. 229-244.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo, Cortez: Autores Associados, 1991.

SORDI, Mara Regina Lemes de; LUDKE, Menga. Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: aprendizagens necessárias. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 2, p. 253-266, jul. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v14n2/a05v14n2.pdf. Acesso em: 23 out. 2018.

SORDI, M. R. L. de; BERTAGNA, R. H.; SILVA, M. M. da. A Avaliação Institucional Participativa e os Espaços Políticos de Participação Construídos, Reinventados, conquistados na Escola. Cad. Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 175-192, maio-ago., 2016.

SORDI, M. R. L. De,. A qualidade social da escola pública em confronto com a lógica dos reformadores empresariais. In: SORDI, M. R. L. de; VARANI, A.; MENDES, G. do S. C. V. (Org.). Qualidade(s) da escola pública: reinventando a avaliação como resistência. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 83-100.

SOUSA, M. de; FERRAROTTO, L.. Avaliação externa na rede municipal de São Paulo: para qual direção conduz?. Teoria e Prática da Educação, 19(3), 79-89. Set/dez. 2016. https://doi.org/10.4025/tpe.v19i3.36622. Acesso em: 06 fev. 2020.

SOUSA, S. Z. Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil – Implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernadete (Org.). Avaliação externa e em larga escala no âmbito do estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. Florianópolis: Insular, 2013. v.2. p. 61-85.

Downloads

Publicado

2020-07-11

Como Citar

Rubio, K. E. . ., & Mendes, . G. do S. C. V. . (2020). A avaliação externa na perspectiva de docentes do ensino fundamental em uma escola municipal do interior paulista / External evaluation from the perspective of elementary school teachers in a county school in the in land of São Paulo State. Revista Educação E Políticas Em Debate, 9(2), 353–371. https://doi.org/10.14393/REPOD-v9n2a2020-54900

Edição

Seção

Dossiê: Políticas de avaliação externa e a questão da qualidade da educação no