AVALIAÇÃO DE FUSÃO DE IMAGENS ÓPTICAS E MICROONDAS NO MAPEAMENTO DE MORFOLOGIAS LACUSTRES

Conteúdo do artigo principal

Andreia Maria da Silva França
Teresa Galloti Florenzano
Evlyn Márcia Leão de Moraes Novo

Resumo

Diferentes tipos de informação sobre os lagos da planície amazônica podem ser extraídas de imagens obtidas de sistemas sensores ópticos e de microondas. Enquanto imagens ópticas fornecem informações sobre as características físico-químicas dos alvos, as imagens de radar geram informações sobre as características dielétricas, a textura e a geometria dos alvos. A técnica de fusão dessas imagens pode então aumentar a separabilidade entre alvos em classificações numéricas e facilitar a interpretação visual das feições geomorfológicas. Este trabalho tem como objetivo avaliar o uso desta técnica no mapeamento das feições lacustres como contribuição à caracterização morfológica e genética dos lagos fluviais. Para isto, foram processadas, analisadas e avaliadas as imagens do TM-LANDSAT e do mosaico JERS-1/GRFM - Global Rainforest Mapping Project. Os resultados indicaram que a fusão dessas imagens é tecnicamente viável para a caracterização das morfologias lacustres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
FRANÇA, A. M. da S.; FLORENZANO, T. G.; NOVO, E. M. L. de M. AVALIAÇÃO DE FUSÃO DE IMAGENS ÓPTICAS E MICROONDAS NO MAPEAMENTO DE MORFOLOGIAS LACUSTRES. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 59, n. 2, 2009. DOI: 10.14393/rbcv59n2-44904. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/44904. Acesso em: 19 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Andreia Maria da Silva França, Universidade de Brasília

Geógrafa formada pela Universidade Federal de Goiás (2001) e Mestre em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2005). Atualmente é doutoranda em Geologia - Instituto de Geociências/UnB - Universidade de Brasília - atuando na temática de estimativa de estoque de Carbono no solo. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Sensoriamento Remoto, Geomorfologia e Geografia Ambiental.

Evlyn Márcia Leão de Moraes Novo, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Possui graduação em Geografia pela Faculdade de Filosofial Ciências e Letras de Rio Claro (1973), mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1976) e doutorado em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1984). Atualmente é pesquisadora titular III do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Sensoriamento Remoto, atuando principalmente no desenvolvimento de novas aplicações dessa tecnologia ao estudo e manejo de recursos hídricos. Participa como pesquisadora da Rede Temática Geoma, em estudos voltados à integração de tecnologia espacial e sensoriamento remoto no desenvolvimento de modelos de funcionamento das áreas alagáveis. Docente do programa de Pós-graduação em Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais desde 1985.