Interdisciplinaridade e Alfabetização Científica: um ensaio sobre os dois lados da mesma moeda

Conteúdo do artigo principal

Nuria Pons Vilardell Camas
https://orcid.org/0000-0003-3992-7914
Marcelo Lambach
https://orcid.org/0000-0001-7168-5498
Fernando Roberto Amorim Souza
https://orcid.org/0000-0003-2969-5371

Resumo

O presente trabalho visa buscar nos fundamentos teóricos elementos para um diálogo entre a interdisciplinaridade e a alfabetização científica. Parte do pressuposto de que o ensino fragmentado em um currículo compartimentado em disciplinas se constitui como uma barreira para a construção do conhecimento, tendo em vista que, por via de regra, as disciplinas são fechadas em si, sem diálogo umas com as outras. O texto segue balizado por um questionamento: é possível a alfabetização científica sem a perspectiva interdisciplinar? Em face da natureza proposta para este trabalho, tenta-se um convite, sem convergência ao fim, a nos colocar em um estado dialético sobre nossa própria prática docente diante dos desafios na promoção da alfabetização científica. Conclui-se que, em virtude da compartimentação do currículo escolar, a alfabetização científica não logrará êxitos sem a perspectiva da interdisciplinaridade no ensino de ciências. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Camas, N. P. V. ., Lambach, M. ., & Souza, F. R. A. . (2021). Interdisciplinaridade e Alfabetização Científica: um ensaio sobre os dois lados da mesma moeda. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e017. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-17
Seção
ARTIGOS DE DEMANTA CONTÍNUA

Referências

ADORNO, T. W. O ensaio como forma. In: ADORNO, T. W. Notas de literatura I. Tradução Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2003.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 105-115, 2001.

BACHELARD, G. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2018.

BAUMAN, S. Bauman sobre Bauman. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciências às orientações para o ensino de ciências: um repensar epistemológico. Revista Ciência e Educação, Bauru, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-73132004000300005. Acessado em 05 jun. 2020

CARVALHO, A. M. P.; TINOCO, S. C. O ensino de ciências como “enculturação”. In: CATANI, D. B.; VICENTINI, P. P. (org.). Formação e autoformação: saberes e práticas nas experiências dos professores. São Paulo: Escrituras, 2006.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Editora Unijuí, 2000.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação em Ciências, Rio de Janeiro, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009. Acessado em fev. 2020.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

D’AMBROSIO, U. A Metáfora das gaiolas epistemológicas e uma proposta educacional. Revista Perspectivas da Educação Matemática, v. 9, n. 20, p. 222-234, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/2872/2234. Acesso em 1.º dez. 2019.

FAZENDA, I. C. A. O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FAZENDA, I. C. A. Interação e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 2011.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 18. ed. Campinas: Papirus, 2012.

FOUREZ, G. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. Tradução Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora UNESP, 1995.

FOUREZ, G. Crise no ensino de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 109-123, ago. 2003. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/542/337. Acesso em 1.º nov. 2019.

FOUREZ, G.; MATHY, P.; ENGLEBERT-LECOMTE, V. Um modelo para um trabalho interdisciplinar. Tradução Paulo Ricardo da Silva Rosa. Revista Labore em Ensino de Ciências, v. 1, n. 3, p. 42-67, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/labore/article/view/3993. Acesso em 22 nov. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HABERMAS, J. A. Constelação pós-nacional: ensaios políticos. Tradução Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Littera Mundi, 2001.

JOBIM E SOUZA, S.; CAMPOS, C. C. G. Infância, mídia e cultura de consumo. In: GONDRA, J. G. (org.). História, infância e escolarização. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002.

LENOIR, Y. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontornável. In: FAZENDA, I. C. A. (org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 2008. p. 45-75.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. 16. ed. Campinas: Papirus, 1997.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SANTOS, A. H.; SANTOS, H. M. N.; SANTOS JUNIOR, B.; SOUZA, I. S.; FARIA, T. L. As dificuldades encontradas para o ensino de ciências naturais em escolas municipais do sul de Sergipe e o processo de formação continuada. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, EDUCERE, 11, 2013, Curitiba, PR. Anais... Curitiba, PR: PUCPR, 2013, p. 15393-15405. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/9474_6573.pdf. Acesso em 14 dez. 2019.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Tomada de decisão para ação social responsável no ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 7, n. 1, p. 95-111, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-73132001000100007. Acessado em 14 dez. 2019.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Revista Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/844768/mod_resource/content/1/SASSERON_CARVALHO_AC_uma_revis%C3%A3o_bibliogr%C3%A1fica.pdf. Acesso em: 18 nov. 2019.

VEIGA-NETO, A. Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade. In: COSTA, M. V. (org.). A escola tem futuro? 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p. 97-118.

WEIL, P.; D’AMBROSIO, U.; CREMA, R. Rumo à nova transdisciplinaridade: sistemas abertos de conhecimento. 5. ed. São Paulo: Summus, 1993.