Mineração e questão agrária no Vale do Jequitinhonha

análises a partir do garimpo tradicional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT153616

Resumo

Os incentivos fiscais e fundiários regulados a partir do estado, imperial e depois republicano, estiveram presentes na formação social e econômica do que atualmente é denominado como região do Vale do Jequitinhonha. Um processo histórico em que a lógica de pilhagem do território a partir da apropriação de recursos minerais, da terra e das gentes foi marcante. Está colocada, desde sua emergência no circuito mundial da acumulação primitiva de capital, a profunda relação entre a mineração e a questão agrária, juntas conjugando uma situação de fronteira no nordeste mineiro. Neste artigo discutimos sobre a formação socioeconômica do Vale do Jequitinhonha, explorando relações com a questão agrária e a mineração, tomando por foco o garimpo tradicional como um modo de vida. Apresentamos, assim, o processo histórico e geográfico de colonização e as disputas contemporâneas que atualizam a situação de fronteira mineral e agrária, expressas na chegada de grandes empresas do setor mineral, na especulação de títulos minerários e no aumento do preço da terra: no período de 1970 a 1999 havia 541 títulos minerários registrados e no período de 2000 a 2018 esse valor subiu para 5068 títulos, ocupando em 2018 uma em área total de 3.7 milhões de hectares!

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Weber Sulzbacher, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Professor de Magistério Superior do curso de Geografia, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Juscelino Kubistchek (Diamantina – MG).

Downloads

Publicado

03-07-2020

Como Citar

SULZBACHER, A. W.; LAGE, N.; LOPES, L. S. . Mineração e questão agrária no Vale do Jequitinhonha: análises a partir do garimpo tradicional. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 15, n. 36 Jul., p. 400–429, 2020. DOI: 10.14393/RCT153616. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/53223. Acesso em: 18 maio. 2024.