Educação do campo como um processo de resistência

a experiência do PRONERA na Universidade Estadual Vale do Acaraú, estado do Ceará

Autores

  • Aldiva Sales Diniz Universidade Estadual Vale do Acaraú

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT143213

Resumo

Resumo

Este artigo traz considerações acerca da Educação do Campo a partir de uma experiência do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA) vinculado ao recém extinto Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Inicialmente apresentamos um rápido resgate histórico da luta pela Educação do Campo, em seguida expomos as experiências de dois programas realizados na Universidade Estadual Vale do Acaraú, em Sobral, Estado do Ceará. A primeira experiência foi realizada através de um curso de educação voltado para jovens e adultos nas áreas de Assentamentos de Reforma Agrária. Este curso aconteceu com 73 turmas de alfabetização de Jovens e adultos em 42 Assentamentos de Reforma Agrária na Região Norte do Ceará. A segunda experiência se deu através de um Curso de Segunda nas Áreas de Ciências Humanas e Sociais: (Licenciatura em Geografia; Licenciatura em História); com o objetivo de habilitar professores e professoras e outros profissionais da educação com formação inicial em pedagogia ou em outra licenciatura que estivessem morando em áreas de Assentamentos de Reforma Agrária.

Palavras-chave: Educação do Campo; PRONERA; Movimentos sociais camponeses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02-09-2019

Como Citar

DINIZ, A. S. Educação do campo como um processo de resistência : a experiência do PRONERA na Universidade Estadual Vale do Acaraú, estado do Ceará . Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 14, n. 32 Abr., 2019. DOI: 10.14393/RCT143213. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/48053. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos